Percepção de Usuários sobre um Programa de Cessação do Tabagismo

Palavras-chave: estratégia de saúde da família, saúde pública, tabagismo, cessação do hábito de fumar

Resumo

A dependência do tabaco é um importante problema de Saúde Coletiva. Objetivo: Conhecer a percepção dos usuários sobre o programa de cessação do tabagismo no município de Água Clara, MS. Métodos: Foram realizados dois grupos focais com 15 usuários que realizaram o tratamento em uma Unidade Básica de Saúde. Resultados: Os resultados evidenciam que o processo grupal é importante no tratamento devido ao acolhimento que recebem do profissional e dos outros membros do grupo. Os usuários percebem o uso da medicação como fator determinante no tratamento e sugerem mudanças como a troca de experiências com ex-usuários do programa, psicoterapia individualizada, metodologias dinâmicas e agilidade nos atendimentos. Considerações finais: Os usuários destacaram como importantes a grupalidade para troca de experiências, bem como os materiais de apoio que recebem e a medicação. Na percepção deles, um maior vínculo com o médico e maior tempo de tratamento poderiam contribuir para a prevenção de recaídas.

Biografia do Autor

Cíntia Juliana da Silva Bettio, Prefeitura Municipal de Três Lagoas

: Mestre em Saúde da Família pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Especialista em Psicologia da Saúde pelas Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI). Graduada em Psicologia pelas FAI. Atualmente é psicóloga do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS II) do município de Três Lagoas, Mato Grosso do Sul (MS).

Laís Alves de Souza Bonilha, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutora em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste (UFMS). Mestre em Saúde Coletiva pela UFMS. Especialista em Fisioterapia Respiratória pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Graduada em Fisioterapia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Atualmente é professora da UFMS.

Alberto Mesaque, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutor e mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerias (UFMG). Especialista em Psicologia da Saúde pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP). Psicólogo pelo Centro Universitário União de Negócios e Administração (UNA). Atualmente é Professor Adjunto na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Adriane Pires Batiston, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília (UnB). Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Especialista em Ativação de Processos de Mudança na Formação Superior de Profissionais de Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). Graduada em Fisioterapia pela Universidade de Marília (UNIMAR). Atualmente é professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Referências

Almeida, E. R., Moutinho, C. B., & Leite, M. T. (2016). Prática pedagógica de enfermeiros de saúde da família no desenvolvimento da educação em saúde. Interface – Comunicação, Saúde e Educação, 20(57), 389-402.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bernardes, L., Menezes, H. F., Souza, I. M. (2020). Dilemas na implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco da Organização Mundial da Saúde. Cadernos de Saúde Pública, 36(2), e00136919.

Bispo, E. P., Tavares, C. H., & Tomaz, J. M. (2014). Interdisciplinaridade no ensino em saúde: O olhar do preceptor na saúde da família. Interface – Comunicação, Saúde e Educação, 18(49), 337-350.

Brasil. Ministério da Saúde. (2015). Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: O cuidado da pessoa tabagista. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Bruning, M. C., Mosegui, G. B., & Vianna, C. M. (2012). A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu, Paraná: A visão dos profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 17(10), 2675-2711.

Feliciano, K. V. (2010). Abordagem qualitativa na avaliação em saúde. In: I. Samico, E. Felisberto, A. Figueiró, & P. Frias. (Orgs.), Avaliação em saúde: Bases conceituais e operacionais (pp. 29-41). Rio de Janeiro: MedBook.

Fontanella, B. J. (2010). Sintomas psicóticos e cognitivos associados à busca de tratamento por dependentes de substâncias: Um estudo qualitativo. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 59(2), 139-145.

Gatti, B. A. (2005). Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília, DF: Líber Livro Editora.

Lima, M., Juca, V. J., Nunes, M. O., & Ottoni, V. E. (2012). Signos, significados e práticas de manejo da crise em centros de atenção psicossocial. Interface – Comunicação, Saúde e Educação, 16(41), 423-512.

Malta, D. C., & Mehry, E. E. (2010). O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface – Comunicação, Saúde e Educação, 14(34), 593-613.

Martins, K. C. (2009). “Eu queria, mas não conseguia...”: Aspectos relacionados à mudança do comportamento de fumar em participantes de grupos de tabagismo. (Dissertação de mestrado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde, Universidade de Brasília, Brasília, DF).

Martins, K. C., & Seidl, E. M. (2011). Mudança do comportamento de fumar em participantes de grupos de tabagismo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(1), 55-64.

Medina, M. G., Silva, G. A., Aquino, R., & Hartz, Z. M. (2005). Uso de modelos teóricos na avaliação em saúde: aspectos conceituais e operacionais. In: Z. Hartz, & L. Silva (Orgs.), Avaliação em saúde: Dos modelos teóricos à prática na avaliação de programas e sistemas de saúde (pp. 41-64). Salvador: EDUFBA; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Mendes, A. C. (2013). Análise de custos do programa de cessação do tabagismo no Sistema Único de Saúde. (Dissertação de Mestrado em Medicina Tropical e Saúde Pública, Universidade Federal de Goiás, Goiânia).

Merhy, E. E. (1998). A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde – Uma discussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhar a assistência. In C. Campos, D. Malta, A. Reis, A. Santos, & E. Merhy (Orgs.), Sistema único de saúde em Belo Horizonte: Reescrevendo o público (pp. 103-20). São Paulo: Xamã.

Mesquita, A. (2013). Avaliação de um programa de tratamento do tabagismo. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 15(2), 35-44.

Minayo, M. C. (2014). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (14a ed.). São Paulo: Hucitec.

Naves, J. O., Castro, L. L., Carvalho, C. M., & Merchám-Hamann, E. (2010). Automedicação: Uma abordagem qualitativa de suas motivações. Ciência & Saúde Coletiva, 15(Supl. 1), 1751-1762.

Oliveira, H. M., Moretti-Pires, R. O, & Parente, R. C. P. (2011). As relações de poder em equipe multiprofissional de saúde da família segundo um modelo teórico arendtiano. Interface – Comunicação, Saúde e Educação, 15(37), 539-550.

Pinto, M., Bardach, A., Palacios, A., Biz, A., Alcaraz, A., Rodriguez, B., Pichon-Riviere, A. (2019). Carga do tabagismo no Brasil e benefício potencial do aumento de impostos sobre os cigarros para a economia e para a redução de mortes e adoecimento. Cadernos de Saúde Pública, 35(8), e00129118.

Pinto, M., & Ugá, M. A. (2010). Os custos das doenças tabaco-relacionadas para o sistema único de saúde. Cadernos de Saúde Pública, 26(6), 1234-1245.

Portes, L. H., Campos, E. M., Teixeira, M. T., Caetano, R., & Ribeiro, L. C. (2014). Ações voltadas para o tabagismo: Análise de sua implementação na Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 19(2), 439-448.

Portes, L. H., Machado, C. V., & Turci, S. R. (2019). Coordenação governamental da Política de Controle do Tabaco no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 24(7), 2701-2714.

Silva, L. D., & Henrique, D. M. (2011). Uso incorreto de medicamentos por pacientes após acidente vascular cerebral. Investigación y Educación en Enfermería, 29(2), 187-197.

Silva, M. J., Goyatá, S. L., & Souza, W. A. (2012). Tabagismo: Apague esse vício. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 10(1), 77-85.

Silva, S. T., Martins, M. C., Faria, F. R., & Cotta, R. M. (2014). Combate ao tabagismo no Brasil: A importância estratégica das ações governamentais. Ciência & Saúde Coletiva, 19(2), 539-552.

Spink, M. J. (2010). Ser fumante em um mundo antitabaco: Reflexões sobre riscos e exclusão social. Saúde & Sociedade, 19(3), 481-496.

Tesser, C. D., & Barros, N. F. (2008). Medicalização social e medicina alternativa e complementar: Pluralização terapêutica do sistema único de saúde. Revista de Saúde Pública, 42(5), 914-920.

World Health Organization (2018). Tobacco fact sheets. Genebra: WHO. Recuperado de https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/tobacco

Publicado
2021-11-17
Como Citar
Bettio, C. J. da S., Bonilha, L. A. de S., Mesaque Martins, A., & Pires Batiston, A. (2021). Percepção de Usuários sobre um Programa de Cessação do Tabagismo . Revista Psicologia E Saúde, 13(3), 131-143. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i3.1355
Seção
Artigos