A dimensão do belo no tempo

Palavras-chave: beleza, tempo, biopsicossocial, saúde-doença

Resumo

A busca constante da beleza nas sociedades contemporâneas exerce uma forte influência sobre os fatores que determinam o bem-estar biopsicossocial dos indivíduos. Isso, no entanto, não é uma preocupação recente. Por milhares de anos, nossa espécie tenta representar-se através da arte, em uma tentativa inconstante de encontrar a verdadeira beleza. A relação entre o conceito de saúde e beleza é confundida, pois nem sempre o que é lindo é um ser saudável e vice-versa, assim como uma visão de beleza se torna contrastante quando a individualidade e a imagem do corpo de uma pessoa são sugestivas da visão de outra pessoa, que é conhecida como “imagem em espelho”. Este texto traz uma breve revisão do conceito de beleza ao longo da história da cultura ocidental, considerando as implicações atuais do corpo ideal segundo os fatores que determinam e condicionam o processo saúde-doença.

Biografia do Autor

Jose Carlos Rosa Pires Souza, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Psiquiatra, PhD em Saúde Mental, professor do curso de Medicina da UEMS, Campo Grande - MS.
Luiz Henrique Bernardinelli Lopes, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Acadêmico de Medicina da UEMS.
Vitor Cruz Rosa Pires Souza, Universidade para o Desenvolvimento da Região do Pantanal - UNIDERP
Acadêmico de Medicina da UNIDERP.

Referências

Barbosa, M. R., Matos, P. M., & Costa, M. E. (2011). Um olhar sobre o corpo: O corpo ontem e hoje. Psicologia & Sociedade, 23(1), 24-34.

D’Angelo, J., Lotz, S., & Deitz, S. (2001). Fundamentos de estética 1: Orientações e negócios. (10a ed.) (EZ2Translate, trad.). São Paulo: Milady.

Del Priore, M. (2009). Corpo a corpo com a mulher. Pequena história das transformações do corpo feminino no Brasil (2a ed.). São Paulo: SENAC.

Eco, U. (2015). História da beleza. 5. ed. Rio de Janeiro: Record.

Fustel de Coulanges, N. D. (2009). La cité antique. São Paulo: Martin Claret.

Gaya, A. (2005). Será o corpo humano obsoleto? Sociologias, 13, 324-337.

Machulek, G. O., & Souza, J. C. (2014). Autoimagem corporalUm estudo de autopercepção com educadores de uma escola de tempo integral. Berlim: Novas Edições Acadêmicas.

Pelegrini, T. (2004). Imagens do corpo: reflexões sobre as acepções corporais construídas pelas sociedades ocidentais. Revista Urutágua, 8. Disponível em http://www.urutagua.uem.br/008/08edu_pelegrini.htm.

Rosário, N. M. (2004). Mundo contemporâneo: corpo em metamorfose. Emoriô. Disponível em http://www.jorgematheus.jex.com.br/intersexo/mundo+contemporaneo+corpo+em+metamorfose

Silva, H. C., & Rey, S. (2011). A beleza e a feminilidade: Um olhar psicanalítico. Psicologia: Ciência e Profissão, 31(3), 554-567.

Tucherman, I. (1999). Breve história do corpo e de seus monstros. Lisboa: Nova Vega.

Publicado
2018-10-15
Como Citar
Souza, J. C. R. P., Lopes, L. H. B., & Souza, V. C. R. P. (2018). A dimensão do belo no tempo. Revista Psicologia E Saúde, 10(3), 87-94. https://doi.org/10.20435/pssa.v10i3.637
Seção
Artigos