A Escuta do Adoecimento de Mulheres na Atenção Básica

Palavras-chave: adoecimento, sofrimento psíquico, saúde-doença, psicanálise

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar uma pesquisa qualitativa de caráter descritivo com mulheres atendidas pelo serviço de psicologia no contexto da Atenção Básica, a fim de discutir as relações existentes entre adoecimento e sofrimento psíquico. Foram realizadas 13 entrevistas semidirigidas, as quais foram analisadas por meio da técnica de análise de conteúdo, chegando a três categorias: “luto para sorrir”, “o adoecimento dos vínculos” e “você tem fome de quê?”. Para a interpretação dos dados, utilizou-se o aporte teórico da psicanálise, que acentua a importância das dimensões psíquica e subjetiva na experiência do adoecimento, chamando atenção para o papel dos mecanismos psíquicos que participam dos processos de saúde-doença.

Biografia do Autor

Flávia Angelo Verceze, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Mestra em Psicologia na Universidade Estadual de Londrina (UEL) com especialização em Clínica Psicanalítica. Especialista em Saúde da Mulher pela Residência Multiprofissional em Saúde da Mulher (UEL). Graduada em Psicologia pela UEL. Docente Assistente no Departamento de Psicologia e Psicanálise na Universidade Estadual de Londrina. Psicóloga clínica e participa do projeto Psicanálise Clínica e Itinerante Laço Social.

 

Sílvia Nogueira Cordeiro, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Doutora em Ciências Biomédicas pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Docente permanente, adjunto B, do Departamento de Psicologia e Psicanálise da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Tutora da Residência Multiprofissional em Saúde da Mulher. Coordenadora do Laboratório de Estudo e Pesquisa em Psicanálise do Departamento de Psicologia e Psicanálise da UEL. Líder do Grupo de Pesquisa CNPq: Avaliação Psicológica e Processos Clínicos. Membro do Comitê de Ética em Pesquisa da UEL. Membro do grupo de trabalho Psicanálise e Clínica Ampliada da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia (ANPEPP). Experiência na área de Psicologia da Saúde, com ênfase em Psicanálise.

Referências

Bleger, J. (1995). Temas de psicologia: Entrevistas e grupos. São Paulo: Martins Fontes.

Campos, C. J. G. (2004). Método de análise de conteúdo: Ferramentas para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(5), 611-614. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672004000500019

Decian, C. (2013). A constituição psíquica e o corpo (Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul [UNIJUÍ], Ijuí.

Del Corso, M. G. R. (2016). Do que padecem as mulheres? O (in) suportável do sofrimento. Biblioteca Virtual do Instituto Vox de Pesquisa em Psicanálise. São Paulo: Instituto Vox de Pesquisa em Psicanálise. Recuperado de http://voxinstituto.com.br/wp-content/uploads/2018/03/mgrdelcorso-dequepadecemasmulheres_11.pdf

Freud, S. (1915/1974c). Sobre a transitoriedade. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (v. 14, pp. 345-348). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1917/1974b). Luto e melancolia. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (v. 14, pp. 245-66). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1920/1976). Além do princípio do prazer. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (v. 17, pp. 11-76). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1930[1929]/1974a). O mal-estar na civilização. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (v. 21, pp. 75-171). Rio de Janeiro: Imago.

Fuks, B. B. (2003). Freud e a cultura. Rio de Janeiro: JZE.

Goulart, A. (2008). Com a alma desabitada: Reconsiderações sobre luto e melancolia. Revista Brasileira de Psicanálise, 42(3), 103-14. doi:http://dx.doi.org/S0486-641X2008000300011

Green, A. (2001). De loucuras privadas. Buenos Aires: Amorrortu.

Kegler, P. (2006). As patologias do narcisismo e a clínica psicanalítica: Novas configurações subjetivas na contemporaneidade (Monografia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria). Recuperado de http://newpsi.bvs-psi.org.br/tcc/68.pdf

Lacan, J. (1949/1998). O estádio do espelho como formador da função do eu. In J. Lacan. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Lacan, J. (1954-1955/2010). Introdução do grande Outro. In J. Lacan. Seminário (Livro 2: o eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Lacan, J. (1964/2008). O inconsciente freudiano e o nosso. In J. Lacan. Seminário (Livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Laplanche, J., & Pontalis, J. B. (2001). Vocabulário de psicanálise. São Paulo: MF.

Lazzarini, E. R. & Viana, T. C. (2006, maio/ago.). O corpo em psicanálise. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(2), 241-50. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722006000200014

Levin, E. (2000). A clínica psicomotora: O corpo na linguagem. Rio de Janeiro: Vozes.

Lima, G. Q. & Werlang, B. S. G. (2011, out./dez.). Mulheres que sofrem violência doméstica: Contribuições da psicanálise. Psicologia em Estudo, 16(4), 511-20. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722011000400002

Mandet, E. S. C. (1993). O fascínio dos significados problemáticos sobre a noção de corpo na psicanálise. Psicanálise com crianças e adolescentes, 4, 114-24.

Melman, C. (2003). O homem sem gravidade: Gozar a qualquer preço. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Próchono, C. C. S. C; Silva, C. L; Paravodini, J. L. L. (2010). Efeitos da ineficácia simbólica no corpo infantil. Estilos da Clínica, 15(2), 400-419. doi: 10.11606/issn.1981-1624.v15i2p400-419

Publicado
2021-02-26
Seção
Artigos