Saúde do Homem: Testosterona e Masculinidades

Palavras-chave: hormônios, testosterona, masculinidades, subjetivação

Resumo

O objetivo desta pesquisa é analisar as controvérsias envolvidas na relação entre os efeitos da publicidade comercial sobre testosterona e a produção discursiva de masculinidades. Para realizar esta pesquisa, analisamos 34 vídeos publicados pela indústria farmacêutica Bayer, disponíveis na plataforma YouTube. Tal análise foi inspirada nos estudos de Michel Foucault e orientada pelo questionamento sobre os modos como os usos da testosterona têm se articulado com o modelo hegemônico de masculinidade. Os hormônios estão envolvidos em uma série de controvérsias. Tais substâncias escapam da função para qual supostamente foram inicialmente destinadas, provocando uma série de subversões e se entrelaçando com diferentes modos de subjetivação. Concluímos que o saber e poder biomédico associa a testosterona à “natureza masculina”, produzindo, como efeito de verdade, modos de subjetivação restritos de masculinidade. O binarismo de sexo e gênero é reatualizado com a substancialização da diferença sexual. Configura-se, assim, uma essencialização do que é ser homem ao se discutir os usos da testosterona.

Biografia do Autor

Juliana Vieira Sampaio, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora adjunta da Universidade Federal do Ceará (UFC).  

Benedito Medrado, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutor em Psicologia. Professor associado do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Jorge Lyra, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutor em Psicologia. Professor associado do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Referências

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2010). Legislação Consolidada e Comentada Propaganda de Medicamentos. Brasília: Agência. Nacional de Vigilância Sanitária.

Aquino, E. M. L. (2006). Gênero e saúde: Perfil e tendências da produção científica no Brasil. Revista de Saúde Pública, 40(n. especial), 121-132. doi:https://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006000400017

Brasil. (2013). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva (1a ed., 1a reimpr.). Brasília-DF: Ministério da Saúde.

Brown-Sequard, C. (1889). The Elixir of Live. Recuperado de http://www.archive.org/details/elixiroflifedrbr00dunbuoft

Carrara, S., Russo, J., & Faro, L. (2009). A política de atenção à saúde do homem no Brasil: Os paradoxos da medicalização do corpo masculino. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 19(3), 659-678. doi:https://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312009000300006

Figueiredo, R. (2013). Uma história da testosterona sintética: De Brown Séquard a Rebeca Gusmão. In: Simpósio Nacional de História, XXVII, Natal.

Foucault, M. (1996). A ordem do discurso: Aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Loyola.

Gomes, R. (2008). Sexualidade masculina, gênero e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Medrado, B. (1997). O masculino na mídia: Repertórios sobre masculinidade na propaganda televisiva brasileira (Dissertação, Pontifícia Universidade Católica São Paulo, SP).

Nardi, H. (2006). Ética, trabalho e subjetividade: Trajetórias de vida no contexto das transformações do capitalismo contemporâneo. Porto Alegre: UFRGS.

Oudshoorn, N. (1994). Beyond the natural body: An archeology of sex hormones. London: Routledge.

Pinheiro, T., Couto, M., & Silva, G. (2011). Questões de sexualidade masculina na atenção primária à saúde: Gênero e medicalização. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 15(38), 845-58. doi:https://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832011000300018

Rohden, F. (2008). O império dos hormônios e a construção da diferença entre os sexos. História Ciência Saúde – Manguinhos, 15(supl.), 133-152. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0104-5970200800050000

Rohden, F. (2009). Uma ciência da diferença: Sexo e gênero na medicina da mulher (2a ed.). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Rohden, F. (2012). A criação da andropausa no Brasil: Articulações entre ciência, mídia e mercado e redefinições de sexualidade e envelhecimento. Psicología, Conocimiento y Sociedad, 2, 196-219. Recuperado de https://revista.psico.edu.uy/index.php/revpsicologia/article/view/137/79

Rose, N. (2013). A política da própria vida: Biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Pulus.

Silva, V., Marques, A. P., Lyra, J., Medrado, B., Leal, M., & Raposo, M. (2012). Satisfação sexual entre homens idosos usuários da atenção primária. Saúde e Sociedade, 21(1), 171-180. doi:https://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902012000100017

Spink, M. J. (2010). Linguagem e produção de sentidos no cotidiano. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais. Recuperado de http://books.scielo.org

Villela, W.; Arilha, M. (2003). Sexualidade, gênero e direitos sexuais e reprodutivos. In E. Berquó (Org.), Sexo e vida: Panorama da saúde reprodutiva no Brasil (pp. 95-150). Campinas: UNICAMP.

Publicado
2021-08-03
Como Citar
Sampaio, J. V., Medrado, B., & Lyra, J. (2021). Saúde do Homem: Testosterona e Masculinidades. Revista Psicologia E Saúde, 13(1), 173-186. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i1.1004
Seção
Dossiê: Psicologia e Saúde Coletiva