O Trabalho como Estratégia de Atenção em Saúde Mental: Um Estudo Documental

Palavras-chave: trabalho, política pública, saúde mental, Sistema Único de Saúde, saúde coletiva

Resumo

Cartografamos o discurso político em que se articula o trabalho com ações de atenção em saúde. No Brasil, o universo legal da saúde mental que trata do trabalho distingue-se em anterior e posterior à Reforma Psiquiátrica. Antes, juridicamente sustentadas, as atividades de trabalho eram um instrumento de medida da ocupação do tempo livre e de avaliação da eficácia dos tratamentos manicomiais. Após a Reforma, a presença do trabalho como estratégia de atenção é crescente. A produção discursiva legal da saúde mental assumiu diretrizes como a reabilitação psicossocial e a restauração da cidadania, utilizando, como proposta, a (re)inclusão social pelo trabalho. No entanto as políticas trazem uma heterogeneidade conceitual do que se considera trabalho, com poucos esclarecimentos de suas condições concretas, aspectos que dificultam que o trabalho como estratégia de atenção propicie a (re)invenção do sofrimento psíquico intenso.

Biografia do Autor

Eneida Santiago, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp-Assis). Mestrado em Psicologia e Sociedade e graduação em Psicologia, também pela Unesp-Assis. Professora adjunta da Universidade Estadual de Londrina (UEL), no Departamento de Psicologia Social e Institucional, e docente no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia (PPGPSI-UEL). Tem desenvolvido pesquisas na área de Psicologia, Trabalho e Saúde, com ênfase em Saúde Coletiva, Psicologia e Políticas Públicas, Saúde e Processos de Subjetivação e Intersetorialidade, atuando principalmente nos seguintes temas: Políticas Públicas e Gestão da Vida, Processos de Subjetivação e Trabalho, Saúde Mental e Saúde Coletiva, Intersetorialidade e Atenção em Saúde.

Silvio Yasui, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp)

Doutorado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz. Mestrado em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp). Graduação em Psicologia pela Universidade de Mogi das Cruzes. Livre-docente em Psicologia e Atenção Psicossocial pela Unesp. Professor associado da Unesp-Assis. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde Mental, atuando principalmente nos seguintes temas: Atenção Psicossocial, Reforma Psiquiátrica e Saúde Mental.

Referências

Amarante, P. (1996). O homem e a serpente: Outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

Amarante, P. (2000). Loucos pela vida: A trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Panorama/Ensp.

Amarante, P., & Torre, E. H. G. (2001). A Constituição de novas práticas no campo da atenção psicossocial: análise de dois projetos pioneiros na Reforma Psiquiátrica no Brasil. Saúde em Debate, 25(58), 26-34. Disponível em https://rl.art.br/arquivos/542863.pdf

Costa, C. M., & Figueiredo, A. C. (2004) (Org.). Oficinas terapêuticas em saúde mental: Sujeito, produção e cidadania. Rio de Janeiro: Contra Capa.

Decreto n. 1.132, de 22 de dezembro de 1903. (1903). Reorganiza a assistencia a alienados. Diário Oficial da União.

Decreto n. 24.559, de 3 de julho de 1934. (1934). Dispõe sôbre a profilaxia mental, a assistência e proteção á pessôa e aos bens dos psicopatas, a fiscalização dos serviços psiquiátricos. Diário Oficial da União.

Dejours, C. (1993). Por um trabalho, fator de equilíbrio. RAE: Revista de Administração de Empresas, 33(3), 98-104. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rae/v33n3/a09v33n3.pdf

Dejours, C. (2004). Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, 14(3), 27-34.

Foucault, M. (1986). Microfísica do poder, 6a ed. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1987). História da loucura. São Paulo: Perspectiva.

Foucault, M. (1996). A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau.

Foucault, M. (2008). Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes.

Gama, L. P., Mendes, A. M. B., Lazzarini, E. R., Vieira, F. O. (2019). (Im)possibilidade de investimento pulsional no trabalho: análise de um caso em clínica do trabalho. Trivium - Estudos Interdisciplinares, 11(1), 113-122. Disponível em https://dx.doi.org/10.18379/2176-4891.2019v1p.113

Guareschi, N. M. F.; Lara, L.; Adegas, M. A. (2010). Políticas públicas entre o sujeito de direitos e o homo œconomicus. Psico, 41(3), 332-339. Disponível em http://www.oalib.com/paper/2410430

Krein, J. D. (2018). O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva: consequências da reforma trabalhista. Tempo Social, 30(1), 77-104. Disponível em http://dx.doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.138082

Mendes, A. M. B. (Org). (2007). Psicodinâmica do trabalho: Teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mendes, A. M., & Araújo, L. K. R. (2012). Clínica psicodinâmica do trabalho: O sujeito em ação. Curitiba: Juruá.

Ministério da Saúde (2001). III Conferência Nacional de Saúde Mental: Caderno Informativo. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde (2004). Legislação em saúde mental: 1990-2004. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/legislacao_mental.pdf

Ministério da Saúde (2010). Legislação em saúde mental: 2004-2010. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em http://www.sesa.pr.gov.br/arquivos/File/20042010.pdf

Onocko-Campos, R. T. (2019). Saúde mental no Brasil: avanços, retrocessos e desafios. Cadernos de Saúde Pública, 35(11), 01-05. Disponível em https://doi.org/10.1590/0102-311X00156119

Santiago, E., & Yasui, S. (2011). O trabalho como dispositivo de atenção em saúde mental. Revista de Psicologia da Unesp, 10(1), 195-210. Disponível em https://repositorio.unesp.br/handle/11449/126970

Saraceno, B. (1999). Libertando identidades: Da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Belo Horizonte: Instituto Franco Basaglia/Te Corá.

Souza, C. (2007). Estado da arte da pesquisa em políticas públicas. In Hochman, G., Arretche, M., & Marques, E. (Org.). Políticas públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

Publicado
2020-12-08
Seção
Dossiê: Psicologia e Saúde Coletiva