Bem-Estar na Adolescência: Papel da Cidade e da Comunidade

Palavras-chave: adolescente, saúde da população urbana, participação social, seguridade

Resumo

Introdução: O bem-estar na adolescência é um tema de saúde que engloba contexto físico e social. Objetivo: Avaliar a contribuição da inserção social na cidade, percepção de qualidade do bairro e senso de comunidade para o bem-estar de adolescentes escolares. Métodos: Estudo com 119 escolares de oitavo ano de Porto Alegre, Brasil, avaliados mediante inquérito de dados sociodemográficos, inserção social à cidade, senso de comunidade, percepção de qualidade do bairro e bem-estar pessoal. Foi realizada análise de regressão linear múltipla. Resultados: Identificou-se contribuição significativa de todos os construtos avaliados para o bem-estar. Discussão: A elevada variância explicada pelos modelos obtidos demonstra a importância do ambiente, tanto em termos de recursos quanto de relações sociocomunitárias, para o bem-estar de escolares. Conclusões: O investimento na qualidade dos contextos urbanos deve ser uma meta social e política.

Biografia do Autor

Elisa Souza Hanke, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA)

Mestre em Psicologia e Saúde. Psicóloga. Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA).

Sheila Gonçalves Câmara, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA)

Doutora em Psicologia. Professora do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia e Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA).

Referências

Amaro, J. P. (2007) Sentimento psicológico de comunidade: Uma revisão. Análise Psicológica, 1(XXV), 25-33. doi: http://dx.doi.org/10.14417/ap.427

Assis, S. G., Avanci, J., & Oliveira, R. V. C. (2009). Desigualdades socioeconômicas e saúde mental infantil. Revista de Saúde Pública, 43(1), 92-10. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S003489102009000800014

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. (2015). Critério de Classificação Econômica Brasil. ABEP. Disponível em http://www.abep.org/criterio-brasil.

Bonaiuto, M., Fornara, F., & Bonnes, M. (2003). Indexes of perceived residential environment quality and neighbourhood attachment in urban environments: a confirmation study on the city of Rome. Landscape and Urban Planning, 65(1-2), 41-52. doi: http://dx.doi.org/10.1016/s0169-2046(02)00236-0

Bonnes, M., Bonaiuto, M., Aiello, A., Perugini, M., & Ercolani, A. P. (1997). A transactional perspective on residential satisfaction. In C. Despres, D. Piché (Eds.), Housing Surveys: Advances in Theory and Methods (pp. 99-135). Quebec: Crad.

Brasil. (2012). Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012. Conselho Nacional de Saúde. Ministério da Saúde. Disponível em http://andromeda.ensp.fiocruz.br/etica/sites/default/files/documentos/Res%20466_2012

Bronfenbrenner, U. (1996). A Ecologia do desenvolvimento humano: Experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bronfenbrenner, U. (2011). A bioecologia do desenvolvimento humano: Tornando os seres humanos mais humanos. São Paulo: Artmed.

Buchmann, M., & Steinhoff, A. (2017). Social inequality, life course transitions, and adolescent development: Introduction to the special issue. Journal of Youth & Adolescence, 46(10), 2083-2091. doi:http://dx.doi.org/10.1007/s10964-017-0740-2

Caiaffa, W. T., & Friche, A. A. (2012). Urbanization, globalization and road safety: A potential dialogue in search of equity? Ciências e Saúde, 17(9), 2238-2341. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000900004

Casas, F. (2010). El bienestar personal: Su investigación en la infancia y la adolescencia. Encuentros en Psicología Social, 5(1), 85-101.

Chavis, D. M., Hogge, J. H., McMillan, D. W., & Wandersman, A. (1986). Sense of community Brunswick’s lens: A first look. Journal of Community Psychology, 14(1), 24-40. doi: http://dx.doi.org/10.1002/1520-6629(198601)14:1<24::AID-JCOP2290140104>3.0.CO;2-P

Chiessi, M., Cicognani, E., & Sonn, C. (2010). Assessing Sense of Community on adolescents: Validating the brief scale of Sense of Community in adolescents (SOC-A). Journal of Community Psychology, 38(3), 276-292. doi:http://dx.doi.org/10.1002/jcop.20364

Elvas, S., & Moniz, M. (2010). Sentimento de comunidade, qualidade e satisfação de vida. Análise Psicológica, 28(3), 451-464. doi:http://dx.doi.org/10.14417/ap.312

Farias, T. M., & Pinheiro, J. Q. (2013). Vivendo a vizinhança: Interfaces pessoa-ambiente na produção de vizinhanças “vivas”. Psicologia em Estudo, Maringá, 18(1), 27-36. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722013000100004

Field, A. (2009). Discovering Statistics Using SPSS (3a ed.). London: Sage Publications Ltd.

Fierro, A., & Rando, B. (2007). Escalas Eudemon de Bien-Estar Personal: Características psicométricas. Anuario de Psicología, 38(3), 401-412. Disponível em https://psycnet.apa.org/record/2008-02576-003

Figueiredo, G., L. A., Martins, C. H. G., Damasceno, J. L., Castro, G. G., Mainegra, A. M., & Akerman, M. (2017). Direito à cidade, direito à saúde: quais interconexões? Ciências e Saúde Coletiva, 22(12), 3821-3830. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320172212.25202017

Glick, G. C., & Rose, A. J. (2011). Prospective associations between friendship adjustment and social strategies: Friendship as a context for building social skills. Developmental Psychology, 47, 1117-1132. doi:http://dx.doi.org/10.1037/a0023277

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/porto-alegre/panorama

International Test Commission (2016). ITC guidelines for translating and adapting tests (Second edition). Versão 2.4. Disponível em https://www.intestcom.org/files/guideline_test_adaptation_2ed.pdf

Kelly, J. G., & Hess, R. E. (1986). The ecology of prevention: Illustrating mental health consultation. New York: The Haworth Press.

Lefebvre, H. (2011). O direito à cidade. São Paulo: Centauro.

Leite, M., & Silva de Melo, M. (2017). Juventudes e espaço urbano: uma análise geográfica na cidade d Montes Claros-MG / Youths and urban space: a geographical analysis in the city of Montes Claros-MG. Caderno de Geografia, 27(48), 123-141. doi:http://dx.doi.org/10.5752/p.2318-2962.2017v27n48p123

Martinez, M., Black, M., & Starr, R. (2001). Factorial structure of the Perceived Neighborhood Scale (PNS): A test of longitudinal invariance. Journal of Community Psychology, 30(1), 23-43. doi:http://dx.doi.org/10.1002/jcop.1048

Meireles, A. L., Xavier, C. C., Cortes, M. G., Moulin, Z. S., & Caiaffa, W. T. (2013). Bem-estar da criança e do adolescente: Um construto multidimensional. Revista Medicina Minas Gerais, 23(2),138-14. doi:http://dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20130023

Pardo-Merino, A. & Ruiz-Díaz, M. (2002). SPSS 11: Guia para el análisis de datos. Madrid: McGraw-Hill.

Patrão, B. V. L. G. (2009). O direito à convivência comunitária da criança e do adolescente no contexto urbano: o município e o ministério das cidades na institucionalização de políticas públicas urbanas. Revista de Direitos e Garantias Fundamentais, 6, 155-172. doi:http://dx.doi.org/10.18759/rdgf.v0i6.74

Rondon Filho, E. B., & Souza, T. S. S. (2013). Reflexos do medo e da insegurança na realidade e no cotidiano da juventude brasileira. Revista Eletrônica da Faculdade de Direito de Franca, 8(1), 41-68. doi:http://dx.doi.org/10.21207/1983.4225.216

Rowe, S., Zimmer-Gembeck, M., & Hood, M. (2016). Community, Family, and Individual Factors Associated with Adolescents’ Vulnerability, Daily Stress, and Well-Being Following Family Separation. Journal of Divorce & Remarriage, 57(2), 87-111. doi:http://dx.doi.org/10.1080/10502556.2015.1127875

Salles, L. M. F., Paula e Silva, J. M. A., Revilla, J. C., & Fernandez, C. (2014). Um estudo sobre jovens e violência no espaço escolar, Psicologia e Sociedade, 26(1), 148-157. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822014000100016

Sarriera, J. C., & Bedin, L. M. (2017). A multidimensional approach to well-being. In J. C. Sarriera & L. M. Bedin. (pp. 3-26). Psychosocial well-being of children and adolescents in Latin America. Cham: Springer.

Sarriera, J. C., Moura Jr., J. F., Ximenes, V. M., & Rodrigues, A. R. (2016). Sentido de comunidade como promotor de bem-estar em crianças brasileiras. Revista Interamericana de Psicologia, 50(1), 106-116. doi: http://dx.doi.org/10.30849/rip/ijp.v50i1.95

Sarriera, J. C., Strelhow, M., Bedin, L., Moura Junior, J., Rodrigues, A., & Calza, T. (2015). Adaptation of the Sense of Community Index for Brazilian Children. Paidéia, 25(60), 39-47. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272560201506

Sebenelo, D. C., Kleba, M. E., & Keitel, L. (2016). Práticas de lazer e espaços públicos de convivência como potência protetiva na relação entre juventude e risco. Revista Katálysis, 19(1), 53-63. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1414-49802016.00100006

Senna, S. R. C. M., & Dessen, M. A. (2012). Contribuições das teorias do desenvolvimento humano para a concepção contemporânea da adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(1), 101-108. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722012000100013

Senna, S. R. C. M., & Dessen, M. A. (2015). Reflexões sobre a saúde do adolescente brasileiro. Psicologia,Saúde & Doenças, 16(2), 217-229. doi:http://dx.doi.org/10.15309/15psd160208

Stedman, R. (2002). Toward a Social Psychology of Place. Environment and Behavior, 34(5), 561-581. doi:http://dx.doi.org/10.1177/0013916502034005001

Strelhow, M. R. W., Masiero, L. R. O., Santos, B. R., Sarriera, J. C., & Teixeira, M. A. P. (2015). Estudos psicométricos da Escala Eudemon de Bem-Estar Pessoal em adolescentes. PsicoUSF, 20(1), 63-74. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1413-82712015200106

Ungar, M., & Hadfield, K. (2019). The differential impact of environment and resilience on youth outcomes. Canadian Journal Of Behavioural Science / Revue Canadienne des Sciences du Comportement, 51(2), 135-146. doi:http://dx.doi.org/10.1037/cbs0000128

World Health Organization. (2014). Health for the World’s Adolescents: A second chance in the second decade. Geneva: WHO. Disponível em https://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/second-decade/en/

Wickrama, K., & Noh, S. (2009). The Long Arm of Community: The Influence of Childhood Community Contexts Across the Early Life Course. Journal of Youth and Adolescence, 39(8), 894-910. doi:http://dx.doi.org/10.1007/s10964-009-9411-2

Publicado
2021-08-03
Como Citar
Hanke, E. S., & Câmara, S. G. (2021). Bem-Estar na Adolescência: Papel da Cidade e da Comunidade. Revista Psicologia E Saúde, 13(1), 51-63. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i1.1029
Seção
Artigos