Conceito de Saúde e Intersetorialidade: Implicações no Cotidiano da Atenção Primária à Saúde

Palavras-chave: saúde global, Sistema ´´Único de Saúde, políticas públicas de saúde, atenção primária à saúde, colaboração intersetorial

Resumo

Buscou-se compreender as noções de saúde e intersetorialidade pelos profissionais da Atenção Primária à Saúde e verificar suas implicações no cotidiano. Para tal, desenvolveu-se uma pesquisa qualitativa, ancorada no interacionismo simbólico, em um município de Minas Gerais, entre fevereiro e julho de 2018. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas realizadas com 59 profissionais da Secretaria Municipal de Saúde. Os resultados apontam que os profissionais que possuem o conceito ampliado de saúde como objeto de seu trabalho realizam as práticas com outras políticas públicas; já o modelo biomédico reduz a atuação ao tratamento de doenças que restringem a atuação profissional à equipe ou à rede intrassetorial. A intersetorialidade surge como estratégia de cuidado em rede, pois prioriza a integração de diferentes setores para a resolução de problemas comuns. Os resultados apontam para a necessidade de aprofundar a discussão do objeto de trabalho em saúde.

 

Biografia do Autor

Edna Mara Mendonça, Instituto René Rachou - Fiocruz Minas

Doutoranda em Saúde Coletiva no Instituto René Rachou - Fiocruz Minas. Mestre em Ciências pela Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ). Especialista em Atenção ao Usuário de Drogas no Sistema Único de Saúde (SUS) pela Escola de Saúde Pública de Minas Gerais (ESPMG) e Gestão de Redes de Atenção à Saúde pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP). Terapeuta Ocupacional com atuação nos seguintes temas: saúde mental, álcool e outras drogas, atenção primária à saúde, articulação intersetorial, educação permanente, apoio matricial, violência contra as mulheres, rede socioassistencial e territórios de alta vulnerabilidade social

Fernanda Moura Lanza, Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)

Doutora em Enfermagem. Mestre em Saúde e Enfermagem pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Especialista em Enfermagem Hospitalar - Neonatologia. Graduação em Enfermagem pela UFMG. Professora adjunta III do Curso de Enfermagem na Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ), Campus Centro-Oeste Dona Lindu (CCO), Grupo de Atuação Docente Saúde Coletiva. Docente do Programa de Pós-Graduação Mestrado Acadêmico em Enfermagem da UFSJ/CCO, na linha de pesquisa Gestão em Serviços de Saúde e Enfermagem. Docente do Programa de Residência em Enfermagem na Atenção Básica/Saúde da Família da UFSJ/CCO. Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Avaliação e Gestão em Saúde (NEPAG) da UFSJ/CCO; do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Hanseníase (NEPHANS) da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (EEUFMG); e da Comissão de Prevenção e Tratamento de Lesões Cutâneas da Secretaria Municipal de Saúde de Divinópolis, MG. 

Referências

Akerman, M., Franco, S. R., Moyses, S., Rezende, R., & Rocha, D. (2014). Intersetorialidade? IntersetorialidadeS! Ciência e Saúde Coletiva [on-line], 19(11), 4291-4300. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413

Almeida, P. F., Medina, M. G., Fausto, M. C. R., Giovanella, L., Bousquat, A., & Mendonça, M. H. M. (2018). Coordenação do cuidado e atenção primária à saúde no Sistema Único de Saúde. Saúde em Debate, 42(especial), 244-260. doi:https://dx.doi.org/10.1590/0103-11042018s116

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Barreto, M. L. (2017). Desigualdades em saúde: uma perspectiva global. Ciência & Saúde Coletiva, 22(7), 2097-2108. doi:https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017227.02742017

Bispo, E. P. F., Tavares, C. H. F., & Tomaz, J. M. T. (2014). Interdisciplinaridade no ensino em saúde: O olhar do preceptor na Saúde da Família. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 18(49), 337-350. [Epub March 10, 2014]. doi:https://dx.doi.org/10.1590/1807-57622013.0158

Blumer, H. (1969). Symbolic Interactionism: Perspective and Method. Berkeley: University of California Press.

Charon, M. (1985). Symbolic interactionism: An introduction, an interpretation, an integration. Califórnia: Editora Englewood Cliffs.

Czeresnia, D., Maciel, E. M. G. S, & Oviedo, R. A. M. (2013). Os sentidos da saúde e da doença. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Dubois, A., St-Pierre, L., & Veras, M. (2015). A scoping review of definitions and frameworks of intersectoral action. Ciência & Saúde Coletiva, 20(10), 2933-2942. doi:https://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152010.01222014

Fertonani, H. P., Pires, D. E. P., Biff, D., & Scherer, M. D. A. (2015). Modelo assistencial em saúde: Conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Ciência & Saúde Coletiva, 20(6), 1869-1878. doi:https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015206.13272014

Fisher, M., Baum, F. E., MacDougall, C., Newman, L., McDermott, D., & Phillips, C. (2017). Intersectoral action on SDH and equity in Australian health policy. Health Promotion International, 32(6), 1, 953-963. doi:https://doi.org/10.1093/heapro/daw035.

Garbois, J. A., Sodré, F., & Dalbello-Araujo, M. (2017). Da noção de determinação social à de determinantes sociais da saúde. Saúde em Debate, 41(112), 63-76. doi:https://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711206

Lotta, G., & Favareto, A. (2016). Desafios da integração nos novos arranjos institucionais de políticas públicas no Brasil. Sociologia Política [on-line], 24(57), 49-65. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-.

Mattig T., Cantoreggi N., Simos J., Kruit C. F., & Christie, D. P. T. H. (2017). HIA in Switzerland: Strategies for achieving Health in All Policies. Health Promotion International, 32(1), 149-156. doi:https://doi.org/10.1093/heapro/dav087

Matuda, C. G., Pinto, N. R. S., Martins, C. L., & Frazão, P. (2015). Colaboração interprofissional na Estratégia Saúde da Família: Implicações para a produção do cuidado e a gestão do trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 20(8), 2511-2521. doi:https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015208.11652014

Melo, E. A., Miranda, L., Silva, A. M., & Limeira, R. M. N. (2018). Dez anos dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF): Problematizando alguns desafios. Saúde em Debate, 42(especial), 328-340. doi:https://dx.doi.org/10.1590/0103-11042018s12

Menezes, E. L. C., Scherer, M. D. A., Verdi, M. I., & Pires, D. P. (2017). Modos de produzir cuidado e a universalidade do acesso na atenção primária à saúde. Saúde e Sociedade, 26(4), 888-903. doi:https://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902017170497

Minayo, M. (2017). Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: Consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa, 5(7), 1-12. Recuperado de https://editora.sepq.org.br/index.php/rpq/article/view/82/59

Molina, J. (2018). Saúde universal com equidade, sem deixar ninguém para trás. Revista Panamericana de Salud Pública [on-line]. 42, e173. doi:https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.173

Pereira, P. A. P. (2014). A intersetorialidade das políticas sociais na perspectiva dialética. In Monnerat, G. L., Almeida, N. L. T., Souza, R. G. de (Orgs.), A intersetorialidade na agenda das políticas sociais (pp. 21-39). Campinas: Papel Social.

Prado, N. M. B. L., & Santos, A. M. (2018). Promoção da saúde na Atenção Primária à Saúde: Sistematização de desafios e estratégias intersetoriais. Saúde em Debate, 42(especial), 379-395. doi:https://dx.doi.org/10.1590/0103-11042018s126

Shankardass, K., Muntaner, C., Kokkinen, L., Shahidi, F. V., Freiler, A., Oneka, G. . . . Patricia O’Campo (2018). The implementation of health in all policies initiatives: A systems framework for government action. Health Research Policy and Systems. 16(1). 26. doi:https://doi.org/10.1186/s12961-018-0295-z

Silva, D. A. J., Tavares, M. F. (2016). Ação intersetorial: Potencialidades e dificuldades do trabalho em equipes da Estratégia Saúde da Família na cidade do Rio de Janeiro. Saúde em Debate, 40(111), 193-205. doi:https://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201611115

Souza, S., Costa, R., Shiroma, L., Maliska, I. C., Amadigi, F., Pires, D., & Ramos, F. (2010). Reflexões de profissionais de saúde acerca do seu processo de trabalho. Revista Eletrônica de Enfermagem, 12(3), 449-455. doi:https://doi.org/10.5216/ree.v12i3.6855

Tesser, C. D. (2017). Núcleos de Apoio à Saúde da Família, seus potenciais e entraves: Uma interpretação a partir da atenção primária à saúde. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 21(62), 565-578. [Epub, 3 de novembro de 2016]. doi:https://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0939

United Nations. (2015). A/70/1. Transforming our world: The 2030 Agenda for Sustainable Development. Nova Iorque: UN. Recuperado de www.un.org/ga/search/view_doc.asp?symbol=A/RES/70/1&Lang=E

Yasui, S., Luzio, C., & Amarante, P. (2018). Atenção psicossocial e atenção básica: A vida como ela é no território. Revista Polis e Psique, 8(1), 173-190.

Publicado
2021-09-28
Como Citar
Mendonça, E. M., & Lanza, F. M. (2021). Conceito de Saúde e Intersetorialidade: Implicações no Cotidiano da Atenção Primária à Saúde. Revista Psicologia E Saúde, 13(2), 155-164. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i2.1090
Seção
Relatos de pesquisa