Revisão Integrativa: Atuação da Psicologia na Rede de Atenção Psicossocial

Palavras-chave: Saúde pública, Saúde mental, Sistemas de Apoio psicossocial., psicologia

Resumo

No Brasil, os serviços de atendimento em saúde mental têm uma articulação única, conhecida como Rede de Atenção Psicossocial, articulando múltiplos dispositivos em trabalho multiprofissional e interdisciplinar. Entre as profissões, o objetivo deste artigo foi investigar estudos sobre a atuação da Psicologia na Rede de Atenção Psicossocial, desenvolvidos pela Psicologia brasileira, nas bases de dados SciELO, PePSIC, Index Psi, Lilacs e BVS, utilizando os descritores “Rede de Atenção Psicossocial” e “Psicologia”. Foram selecionados 21 artigos, publicados de 2012 a 2018, classificados de acordo com a temática de estudo e o método utilizado. Houve predomínio de pesquisas com abordagem qualitativa, com uso de entrevistas e observação para coleta de dados. Os resultados indicaram avanços nas práticas que envolvem a necessidade de promoção de autonomia dos usuários e que modificam o perfil tradicional de atenção à saúde mental, embora ainda se verifiquem problemas na formação teórica e prática do profissional psicólogo no campo psicossocial.

Biografia do Autor

Mateus Rodrigues de Oliveira, Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc)

Psicólogo. Universidade do Oeste de Santa Catarina, Videira, SC.

Adriano Schlösser, Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc)

Doutor em Psicologia (UFSC). Professor da Graduação em Psicologia na Universidade do Oeste de Santa Catarina, Videira, SC.

Jean Paulo da Silva, Centro Universitário Leonardo da Vinci (Uniasselvi)

Doutorando em Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor da Graduação em Psicologia no Centro Universitário Leonardo da Vinci, Guaramirim, SC.

Referências

Alberti, S., & Palombini, A. L. (2012). Supervisão em Caps: Uma abordagem psicanalítica. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(3),716-729. DOI: 10.1590/S1414-98932012000300015

Alves, V. S. (2009). Modelos de atenção à saúde de usuários de álcool e outras drogas: discursos políticos, saberes e práticas. Cadernos de Saúde Pública, 25(11), 2309-2319. DOI: 10.1590/S0102-311X2009001100002

Amarante, P. (2007). Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Batista, G. C., & Nobre, M. T. (2013). O caso “estrela”: práticas de desinstitucionalização na reforma psiquiátrica. Psicologia e Sociedade, 25(1), 240-250. DOI: 10.1590/S0102-71822013000100026

Brasil. Ministério da Saúde. (2001). Lei n. 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10216.htm

Brasil. Ministério da Saúde. (2002). Portaria n. 336, de 19 de fevereiro de 2002. Estabelece, na forma do anexo desta portaria, as diretrizes e normas para a regulamentação da assistência hospitalar em psiquiatria no SUS. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://saude.mg.gov.br/images/documentos/Portaria_251.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2011). Portaria n. 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/5202308/4139572/PortariaN3.088RededeAtencaoPsicossocial.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2013). Cadernos de Atenção Básica: Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: https://www.google.com/search?q=Cadernos+de+Aten%C3%A7%C3%A3o+B%C3%A1sica%3A+Sa%C3%BAde+Mental&rlz=1C1CHZL_pt-BRBR748BR748&oq=Cadernos+de+Aten%C3%A7%C3%A3o+B%C3%A1sica%3A+Sa%C3%BAde+Mental&aqs=chrome..69i57.115j0j7&sourceid=chrome&ie=UTF-8

Brasil. Ministério da Saúde. (2017). Portaria n. 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação n. 3 e n. 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt3588_22_12_2017.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2019). Nota técnica n. 11/2019-CGMAD/DAPES/SAS/MS. Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://pbpd.org.br/wp-content/uploads/2019/02/0656ad6e.pdf

Couto, M. C. V., & Delgado, P. G. G. (2015). Crianças e adolescentes na agenda política da saúde mental brasileira: inclusão tardia, desafios atuais. Psicologia Clínica, 27(1),17-40. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-56652015000100017&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Cunda, M. F., Piccinini, C. A., Meimes, M. A., Nerva, P. C., Machry, D. S., Martins, C. H., & Ribeiro, M. S. M. (2013). Ensaios de uma rede ampliada entre os circuitos de exclusão dos adolescentes. Psicologia & Sociedade, 25(spe2), 46-54. DOI: 10.1590/S0102-71822013000600007

Félix-Silva, A. V., Sales, R. C. M., & Soares, G. P. (2016). Modos de viver e fazer arte de pessoas em situação de rua. Estudos de Psicologia (Natal), 21(1), 46-57. DOI: 10.5935/1678-4669.20160006

Guimarães, S. B., Oliveira, I. F., & Yamamoto, O. H. (2013). As práticas dos psicólogos em ambulatórios de saúde mental. Psicologia e Sociedade, 25(3), 664-673. DOI: 10.1590/S0102-71822013000300020

Lancetti, A., Amarante, P. (2009). Saúde mental e saúde coletiva. In: G. W. S. Campos, M. Akerman, Y. M. Carvalho, M. C. S. Minayo, M. Drumond Junior (Eds.), Tratado de Saúde Coletiva (pp. 615-634). São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: FioCruz.

Larentis, C. P., & Maggi, A. (2012). Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas e a Psicologia. Aletheia, 37, 121-132. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942012000100009&lng=pt&tlng=pt

Leite, D. C., Andrade, A. B., & Bosi, M. L. M. (2013). A inserção da Psicologia nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Physis, 23(4), 1167-1187. DOI: 10.1590/S0103-73312013000400008

Leite, L. S., Rocha, K. B., & Santos, L. M. (2018). A tessitura dos encontros da rede de atenção psicossocial. Trabalho, Educação e Saúde, 16(1), 183-200. DOI: 10.1590/1981-7746-sol00101

Macedo, J. P., & Dimenstein, M. (2016). Efeitos do saber-fazer de psicólogos na Saúde Mental do Piauí. Fractal, 28(1), 37-45. DOI: 10.1590/1984-0292/1034.

Macêdo, T. E. P. M., Fernandes, C. A., & Costa, I. S. (2013). Rede de apoio social de pacientes com diagnóstico de esquizofrenia: Estudo exploratório. Estudos de Psicologia (Natal), 18(4), 639-647. DOI: 10.1590/S1413-294X2013000400012

Miranda, L., Oliveira, T. F. K., & Santos, C. B. T. (2014). Estudo de uma Rede de Atenção Psicossocial: Paradoxos e efeitos da precariedade. Psicologia: Ciência e Profissão, 34(3), 592-611. DOI: 10.1590/1982-3703001662013

Muhl, C., & Holanda, A. F. (2016). “Duas faces da mesma moeda”: Vivência dos psicólogos que atuam na rede de atenção psicossocial. Revista Abordagem Gestalt, 22(1), 59-67. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672016000100008&lng=pt&tlng=pt

Neto, M. L. A., & Amarante, P. D. C. (2013). O acompanhamento terapêutico como estratégia de cuidado na atenção psicossocial. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(4), 964-975. DOI: 10.1590/S1414-98932013000400014

Neto, M. C., & Dimenstein, M. (2017). Saúde mental em contextos rurais: O trabalho psicossocial em análise. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(2), 461-474. DOI: 10.1590/1982-3703002542016

Noal, D. S., Vicente, L. N., Weintraub, A. C. A. M., Fagundes, S. M. S., Cabral, K. V., Simoni, A. C. R., . . . Pulino, L. H. C. Z. (2016). Estratégia de Saúde Mental e Atenção Psicossocial para Afetados da Boate Kiss. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(4), 932-945. DOI: 10.1590/1982-3703002062016

Quinderé, P. H. D., Jorge, M. S. B., & Franco, T. B. (2014). Rede de Atenção Psicossocial: qual o lugar da saúde mental? Physis: Revista de Saúde Coletiva, 24(1), 253-271. DOI: 10.1590/S0103-73312014000100014

Romanini, M., Guareschi, P. A., & Roso, A. (2017). O conceito de acolhimento em ato: reflexões a partir dos encontros com usuários e profissionais da rede. Saúde debate, 41(113), 486-499. DOI: 10.1590/0103-1104201711311

Santos, W. T. M., & Mandelbaum, B. P. H. (2016). Entre o potencial e o precário: A inserção in(tensa) de profissionais da psicologia nos núcleos de apoio à saúde da família. Barbarói, 48, 168-184. DOI: 10.17058/barbaroi.v0i48.9028

Sereno, D. (2012). Sobre a ética no acompanhamento terapêutico (AT). Psicologia Revista, 21(2), 217-232. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/psicorevista/article/view/15135

Teixeira, M. R., Couto, M. C. V., & Delgado, P. G. G. (2015). Repercussões do processo de reestruturação dos serviços de saúde mental para crianças e adolescentes na cidade de Campinas, São Paulo (2006-2011), Estudos de Psicologia (Campinas), 32(4), 695-703. DOI: 10.1590/0103-166X2015000400012

Vasconcelos, M. P. N., Paiva, F. S. de, & Vecchia, M. D. (2018). O cuidado aos usuários de drogas: entre normatização e negação da autonomia. Gerais : Revista Interinstitucional de Psicologia, 11(2), 363-381. DOI: 10.36298/gerais2019110212

Publicado
2020-12-08
Seção
Dossiê: Psicologia e Saúde Coletiva