Combate à Violência e Redução de Danos: Corpo Político da Mulher nas Festas Universitárias

Palavras-chave: Relações Comunidade-Instituição, Redução de Danos, Violência de Gênero, Direitos Humanos.

Resumo

Este artigo teve o objetivo de discutir a temática da violência contra a mulher nas festas universitárias, a partir das ações de um projeto de extensão. Participaram acadêmicas de uma universidade estadual e outros participantes de festas universitárias. A perspectiva teórico-metodológica sustentou-se na articulação entre as perspectivas dos Direitos Humanos, da Redução de Danos e dos Estudos de Gênero. A metodologia organizou-se em capacitação da equipe; divulgação do projeto; realização de grupos com estudantes que frequentam as festas; intervenções em festas universitárias. Os resultados apontam para sensibilização dos atores da comunidade acadêmica no que se refere ao comprometimento ético-político em relação à temática da violência contra mulher nas festas universitárias, bem como reflexão das acadêmicas sobre a questão dos direitos e da autonomia do corpo da mulher na universidade, além da criação de estratégias coletivas de prevenção.

Biografia do Autor

Katia Alexsandra dos Santos, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

Doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP). Professora adjunta do curso de Psicologia, da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO).

Paula Marques da Silva, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

Doutora em Educação e mestra em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora do Departamento de Psicologia da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO).

Bianca Carolline Oconoski Zarpellon, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

Graduada em Psicologia. Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO).

Referências

Beauvoir, S. (2016). O segundo sexo (S. Milliet, trad.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bicalho, P. P. G., Kinoshita, R. T., Castilho, E. W. V., & Carvalho, G. (2013). Em nome da proteção do cuidado, que formas de sofrimento e exclusão temos produzido? Conselho Federal de Psicologia. Drogas, direitos humanos e laço social (1a ed.). Brasília-DF: CFP. Recuperado de https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2013/07/Drogas-Direitos-Humanos-e-Laco-Social.pdf

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil (21a ed.). São Paulo: Saraiva.

Brasil. (2006). Lei 11.340 (7 de agosto). Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília-DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Brasil. (2016). Código Civil e normas correlatas (7a ed.). Brasília-DF: Senado Federal. Recuperado de http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/525763

Butler, J. (2017). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade (13a ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Butler, J. (2018). Corpos em aliança e a política das ruas: Notas para uma teoria performativa de assembléia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Butler. J. (2015). Quadros de guerra: Quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Conselho Federal de Psicologia. (2013). Drogas, direitos humanos e laço social. Brasília-DF: CFP. Recuperado de https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2013/07/Drogas-Direitos-Humanos-e-Laco-Social.pdf

Conselho Regional de Psicologia. (2018). Mesa-redonda sobre redução de danos em contextos de festas. Recuperado de https://www.facebook.com/crppr/videos/1536648396384078/

Costa, A. M. (2009). Participação social na conquista das políticas de saúde para mulheres no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, 14(4), 1073-1083. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000400014&lng=en&nrm=iso

De Tilio, R. (2012). Marcos legais internacionais e nacionais para o enfrentamento à violência contra as mulheres: Um percurso histórico. Revista Gestão e Políticas Públicas, 1(2), 68-93.

Despentes, V. (2016). Teoria King Kong (M. Bechara, Trad.). São Paulo: n-1 edições.

Dias, M. B. (2017). Manual de direito das famílias (12a ed.). São Paulo: Revista dos Tribunais.

Hirata, H. (2014). Gênero, classe e raça: Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo social – Revista de Sociologia da USP, 26(1), 61-73.

Instituto Avon, & Data Popular. (2015). Violência contra a mulher no contexto universitário. Recuperado de http://www.ouvidoria.ufscar.br/arquivos/PesquisaInstitutoAvon_V9_FINAL_Bx20151.pdf

Jelin, E. (1994). Mulheres e direitos humanos Revista Estudos Feministas, 2(3), 117. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16293/14834

Mendes, S. R. (2016). Justiça penal e justiça da família: A guarda compartilhada e a proteção que desprotege. RDU, (Especial), 167-181. Recuperado de https://docs.wixstatic.com/ugd/6abd45_f471fa71539145cd8f55614593e79095.pdf.

Santos, K. A., & Zarpellon, B. C. O. (2019). (D)enunciar a violência contra a mulher na universidade: Uma análise discursiva. In H. D. Lau, E. L. da Silveira, Raça, gênero e sexualidade em perspectivas discursivas: Teorias e análises (pp. 74-92). São Paulo: Pimenta Cultural.

Secretaria de Políticas para as Mulheres. (2005). Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília-DF Secretaria de Políticas para as Mulheres. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpm_compacta.pdf

Waiselfisz, J. (2015). Mapa da Violência 2015. Homicídio de mulheres no Brasil. Brasília: Unesco. Recuperado de www.mapadaviolencia.org.br

Publicado
2021-09-28
Como Citar
Santos, K. A. dos, Silva, P. M. da, & Zarpellon, B. C. O. (2021). Combate à Violência e Redução de Danos: Corpo Político da Mulher nas Festas Universitárias. Revista Psicologia E Saúde, 13(2), 165-179. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i2.1041
Seção
Dossiê: Psicologia e Saúde Coletiva