Comunicação de Notícias Difíceis: Revisão Integrativa Sobre Estratégias de Ensino na Formação Médica

Palavras-chave: educação médica, notícias difíceis, ensino-aprendizagem

Resumo

Notícias difíceis são informações que afetam seriamente a visão do indivíduo sobre o seu futuro. Na saúde, são atribuições médicas em situações de comunicação diagnóstica de condições clínicas graves, no prognóstico e/ou terapêutica desfavorável de quadros irreversíveis ou sem tratamento modificador (falecimentos, sequelas, assistência paliativa). Este estudo realizou revisão integrativa das estratégias de ensino desse tipo de comunicação na formação médica. Foram acessadas a PsycINFO, a Biblioteca Virtual em Saúde e a PubMed, de 2014 até maio de 2019. Foram encontrados 59 resumos e, após aplicação dos critérios de exclusão, 13 artigos empíricos foram analisados. Identificou-se diversidade no uso de estratégias de ensino, sendo a simulação (com atores ou pessoas treinadas) a mais descrita. Outras estratégias (discussão entre pares, escrita reflexiva, reunião compartilhada com pacientes, vídeos de casos e emprego de tecnologias digitais) também foram identificadas. O uso combinado dessas estratégias tem importância primordial no treinamento profissional contemporâneo.

Biografia do Autor

Esther Almeida da Silva-Xavier, Universidade de Brasília (UnB)

Psicóloga. Mestranda na linha de pesquisa: Psicologia da Saúde e Processos Clínicos na Universidade de Brasília, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura, Brasília, DF.

Larissa Polejack, Universidade de Brasília (UnB)

Doutora em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde. Professora associada do Programa de Pós-Graduação em Psicologia e Cultura da Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Eliane Maria Fleury Seidl, Universidade de Brasília (UnB)

Doutora em Psicologia. Professora associada do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura e do Programa de Pós-Graduação em Bioética, na Faculdade de Ciências da Saúde, da Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Referências

Accreditation Council for Graduate Medical Education. (2019). What we do. ACGME Disponível em https://www.acgme.org/What-We-Do/Overview

Afonso, S. B. C., & Minayo, M. C. S. (2017). Relações entre oncohematopediatras, mães e crianças na comunicação de notícias difíceis. Ciência & Saúde Coletiva, 22(1), 53-62. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232017221.14592016

Andrade, E. F. (2015). Tecnologias digitais e ensino. Artefactum – Revista de Estudos em Linguagem e Tecnologia, 7 (1). Disponível em http://artefactum.rafrom.com.br/index.php/artefactum/article/view/667

Araújo, J. A., & Leitão, E. M. P. (2012). A comunicação de más notícias: Mentira piedosa ou sinceridade cuidadosa. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto, 11, 58-62. Disponível em http://revista.hupe.uerj.br/detalhe_artigo.asp?id=327

Baile, W. F., Buckman, R., Lenzi, R., Glober, G., Beale, E. A., & Kudelka, A. P. (2000). SPIKES - Um protocolo em seis etapas para transmitir más notícias: Aplicação ao paciente com câncer. The Oncologist, 5, 302-311. Disponível em https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4686780/mod_resource/content/1/SPIKES%20%E2%80%93%20Um%20Protocolo%20em%20Seis%20Etapas%20para%20Transmitir%20M%C3%A1s%20Not%C3%ADcias%20Aplica%C3%A7%C3%A3o%20ao%20Paciente%20co.pdf

Baile, W. F., & Blatner, A. (2014). Teaching communication skills: Using action methods to enhance role-plays in problem-based learning. Healthcare, 9, 220-227. doi: https://doi.org/10.1097/SIH.0000000000000019

Botelho, L. L. R., Cunha, C. C. de A., & Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade, 5(11), 121-136. doi: https://doi.org/10.21171/ges.v5i11.1220

Brasil. Conselho Federal de Medicina. (2009). Resolução n. 1931/09. Sobre o Código de Ética Médica. Brasília-DF: CFM. Disponível em http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&id=20670:resolucao-

Brasil. Ministério da Educação. (2014). Resolução n. 03/2014. Institui as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Medicina e dá outras providências. Brasília-DF: MEC. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php? option=com_docman&view=download&alias=15874-rces003-14&category_slug=junho-2014-pdf&Itemid=30192

Brasil. Ministério da Saúde. (2020). HumanizaSUS − Política Nacional de Humanização. Brasília-DF: MS. Disponível em https://www.saude.gov.br/acoes-e-programas/humanizasus/sobre-o-programa.

Royal College of Physicians and Surgeons of Canada. (2019). CanMEDS. Disponível em http://www.royalcollege.ca/rcsite/canmeds/about-canmeds-e

Ceccim, R. B. (2008). A emergência da educação e ensino da saúde: Interseções e intersetorialidade. Revista Ciência e Saúde, 1(1), 9-23. doi: https://doi.org/10.15448/1983-652X.2008.1.3859

Chehuen Neto, J. A., Sirimarco, M. T., Cândido, T. C., Bicalho, T. C., Matos, B. O., Berbert, G. H., & Vital, L. V. (2013). Profissionais de saúde e a comunicação de más notícias sob a ótica do paciente. Revista Médica de Minas Gerais, 23(4), 518-25. doi: https://doi.org/10.5935/2238-3182.20130079

Costa, F. D., & Azevedo, R. C. S. (2010). Empatia, relação médico-paciente e formação em medicina: Um olhar qualitativo. Revista Brasileira de Educação Médica, 34(2), 261-269. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-55022010000200010

Cunha, A. G. C. (2010). Dicionário etimológico da língua portuguesa (4a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Editora Lexikon.

Diesel, A., Baldez, A. L. S., & Martins, S. N. (2017). Os princípios das metodologias ativas de ensino: Uma abordagem teórica. Revista Thema, 14(1), 268-288. doi: https://doi.org/10.15536/thema.14.2017.268-288.404

Ercole, F. F., Melo, L. S., & Alcoforado, C. L. G. C. (2014). Integrative review versus systematic review. Revista Mineira de Enfermagem, 18(1), 102-106. doi: https://doi.org/10.5935/1415-2762.20140001

Geovanini, F., & Braz, M. (2013). Conflitos éticos na comunicação de más notícias. Revista Bioética, 21(3), 455-462. doi: https://doi.org/10.1590/S1983-80422013000300010

Gomes, R., Brino, R. F., Aquilante, A. G., & Silva de Avó, L. R. (2009). Aprendizagem Baseada em Problemas na formação médica e o currículo tradicional de Medicina: Uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Educação Médica, 33(3), 444-451. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000300014

Hurst, S. A., Baroffio, A., Ummel, M., & Burn, C. L. (2015). Helping medical students to acquire a deeper understanding of truth-telling. Medical Education Online, 20(1). doi: https://doi.org/10.3402/meo.v20.28133

Johnson, E. M., Hamilton, M. F., Watson, R. S., Claxton, R., Barnett, M., Thompson, A. E., & Arnold, R. (2017). An intensive, simulation-based communication course for pediatric critical care medicine fellows. Online Clinical Investigations, 18(8), 348-355. doi: https://doi.org/10.1097/PCC.0000000000001241

Karnieli-Miller, O., Palombo, M., & Meitar, D. (2018). See, reflect, learn more: Qualitative analysis of breaking bad news reflective narratives. Medical Education, 52(5), 497-512. doi: https://doi.org/10.1111/MEDU.13582

Kron, F. W. K., Fetters, M. D., Scerbo, M. W., White, C. B. Lypson, M. L., Padilla, M. A., . . . Becker, D. M. (2016). Using a computer simulation for teaching communication skills: A blinded multisite mixed methods randomized controlled trial. Patient Education and Counseling, 100(4), 748-759. doi: https://doi.org/10.1016/j.pec.2016.10.024

Lajoie, S. P., Hmelo-Silver, C., Wiseman, J., Chan, L. K., Lu, J., Khurana, C., . . . & Kazemitabar, M. (2014). Using online digital tools and video to support international problem-based learning. The Interdisciplinary Journal of Problem-based Learning, 8(2), 60-75. doi: https://doi.org/10.7771/1541-5015.1412

Lajoie, S. P., Lee, L., Poitras, E., Bassiri, M., Kazemitabar, M., Cruz-Panesso, I., ..., Lu, J. (2015). The role of regulation in medical student learning in small groups: Regulating oneself and others’ learning and emotions. Computers in Human Behavior, 52, 601-616. doi: https://doi.org/10.1016/j.chb.2014.11.073

Lamba, S., Tyrie, L. S., Bryczkowski, S., & Nagurka, R. (2016). Teaching surgery residents the skills to communicate difficult news to patient and family members: A literature review. Journal of Palliative Medicine, 19 (1), 101-107. doi: https://doi.org/10.1089/jpm.2015.0292

Luttenberger, K., Graessel, E., Simon, C., & Donath, C. (2014). From board to bedside − Training the communication competences of medical students with role plays. BMC Medical Education, 14, 135-145. doi: https://doi.org/10.1186/1472-6920-14-135

Paiva, M. R. F., Parente, J. R. F., Brandão, I. R., & Queiroz, H. B. (2016). Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: Revisão integrativa. Sanare, 15(2), 145-153. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1049

Parikh, P. P., White, M. T., Buckingham, L., & Tchorz, K. M. (2017). Evaluation of palliative care training and skills retention by medical students. Journal of Surgical Research, 211, 172-177. doi: https://doi.org/10.1016/j.jss.2016.11.006

Robbins, S. P. (2004). Fundamentos do comportamento organizacional (7. ed.). São Paulo, SP: Pearson.

Ruiz R. (2003). Programas de formación en comunicación clínica: Una revisión de su eficacia en el contexto de la enseñanza médica. Educación Médica, 6(4), 159-167. Disponível em http://scielo.isciii.es/pdf/edu/v6n4/original7.pdf

Schmitz, F. M., Schnabel, K. P., Bauer, D., Bachmann, C., Woermann, U., & Guttormsen, S. (2018). The learning effects of different presentations of worked examples on medical students’ breaking-bad-news skills: A randomized and blinded field trial. Patient Education and Counseling, 101(8), 1439-1451. doi: https://doi.org/10.1016/j.pec.2018.02.013

Silva, A. E., Sousa, P. A., & Ribeiro, R. F. (2018). Comunicação de notícias difíceis: Percepção de médicos que atuam em oncologia. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 8(2482). doi: https://doi.org/10.19175/recom.v7i0.2482

Skye, E. P., Wagenschutz, H., Steiger, J. A., & Kumagai, A. K. (2014). Use of interactive theater and role play to develop medical students’ skills in breaking bad news. Journal of Cancer Education, 29(4), 704-708. doi: https://doi.org/10.1007/s13187-014-0641-y

Sombra Neto, L. L., Silva, V. L. L., Lima, C. D. D., Moura, H. T. M., Gonçalves, A. L. M., Pires, A. P. B., & Fernandes, V. G. (2017). Habilidade de comunicação da má notícia: O estudante de medicina está preparado? Revista Brasileira de Educação Médica, 41(2), 260-268. doi: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v41n2rb20160063

Souza, C. S., Iglesias, A. G., & Pazin-Filho, A. (2014). Estratégias inovadoras para métodos de ensino tradicionais – Aspectos gerais. Medicina, 47(3), 284-292. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v47i3p284-292

Souza, M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: O que é e como fazer. Einstein (São Paulo), 8(1), 102-106. doi: https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

Stellyes, C. E. V. (2017). Comunicación en el currículo médico. Medicina Universidad Pontificia Bolivariana, 36(1), 59-70. doi: https://doi.org/10.18566/medupb.v36n1.a08

Toivonena, A. K., Lindblom-Ylänneb, S., Louhialaa, P., & Pyöräläc, E. (2017). Medical students’ reflections on emotions concerning breaking bad news. Patient, Education and Counseling, 100(10), 1903-1909. doi: https://doi.org/10.1016/j.pec.2017.05.036

Williams-Reade, J.; Lobo, E.; Whittemore, A. A.; Parra, L. & Baerg, J. (2018). Enhancing residents’ compassionate communication to family members: A family systems breaking bad news simulation. Families, Systems, & Health, 36(4), 523-527. doi: https://doi.org/10.1037/fsh0000331

Publicado
2020-12-08
Seção
Dossiê: Psicologia e Saúde Coletiva