Validação da Escala Velicer de Atitudes frente à Violência (EVAFV)

Palavras-chave: escala, atitudes, violência, validade

Resumo

A violência está inserida dentro do âmbito social e é definida como qualquer comportamento que cause dano ao outro. Atitudes em relação à violência desempenham um papel importante em uma ampla variedade de comportamentos agressivos. Objetivou-se traduzir e validar a Escala Velicer de Atitudes frente à Violência para o contexto brasileiro. Participaram 202  respondentes. As análises foram realizadas no SPSS, versão 21, e no RStudio com pacote Lavaan. Os resultados, por meio da análise confirmatória, foram de que a escala apresenta uma estrutura com quatro fatores (violência na guerra, código penal, punição corporal e violência íntima) e apresentou validade convergente com os fatores de agressão (agressão verbal, física, hostilidade e raiva), e discriminante, com os cinco traços de personalidade (agradabilidade, extroversão, conscienciosidade, estabilidade emocional e abertura a experiências). Diante desses dados, a presente escala apresenta boas propriedades psicométricas para o uso no contexto brasileiro.

Biografia do Autor

Tamyres Tomaz Paiva, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestre em Psicologia Social pela UFPB. Especialista em Avaliação Psicológica pelo Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ). Bolsista de doutorado CAPES.

Carlos Eduardo Pimentel, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutor em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PSTO) pela Universidade de Brasília. Docente da Graduação em Psicologia e da Pós-Graduação em Psicologia Social na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.

Jaqueline Gomes Cavalcanti, Instituto de Educação Superior da Paraíba (UNIESP)

Doutora em Psicologia Social pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestre em Psicologia Social pela UFPB. Especialista em Avaliação Psicológica pelo Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ). Docente do Instituto de Educação Superior da Paraíba (UNIESP).

Iasmim Caroline Guedes Barbosa, Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ)

Especialista em Avaliação Psicológica pelo Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ). Graduada pela Faculdade Integradas de Patos (UNIFIP). Psicóloga Hospitalar no Complexo Hospitalar Dr. Janduy Carneiro.

Suiane Magalhães Tavares, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Psicóloga e Mestre em Psicologia Social pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Referências

Allen, J. J., & Anderson, C. A. (2017). General aggression model. The International Encyclopedia of Media Effects, 1-15.

Allport, G. W. (1935). Attitudes. In C. Murchison (Org.), Handbook of Social Psychology Worcester (pp. 798-844). Mass: Clark University Press.

Anderson, C. A., Benjamim, A. J. Jr., Wood, P. K., & Bonacci, A. M. (2006). Development and testing of the Velicer Attitudes toward Violence Scale: Evidence for a four-factor model. Aggressive Behavior, 32(2), 122-136.

Anderson C. A., & Bushman, B. J. (2002). Human aggression. Annual Review of Psychology, 53, 27-51.

Barlett, C. P., & Anderson, C. A. (2012). Direct and indirect relations between the Big 5 personality traits and aggressive behavior. Personality and Individual Differences, 52, 870-875. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.paid.2012.01.029

Buss, A. H., & Perry M. (1992). The aggression questionnaire. Journal of Personality and Social Psychology, 63, 452-459.

Byrne, B. M. (2010). Measuring adolescent self-concept: Factorial validity and equivalency of the SDQ III across gender. Multivariate Behavior, 23, 361-375. doi: http://dx.doi.org/10.1207/s15327906mbr2303_5

Campbell, D. T., & Fiske, D. W. (1959). Convergent and discriminant validation by the multitrait-multimethod matrix. Psychological Bulletin, 56, p. 81-105.

Castellví, P., Miranda‐Mendizábal, A., Parés‐Badell, O., Almenara, J., Alonso, I., Blasco, M. J., ... & Piqueras, J. A. (2017). Exposure to violence, a risk for suicide in youths and young adults. A meta‐analysis of longitudinal studies. Acta psychiatricas candinavica, 135(3), 195-211.

Cavalcanti, J. G., & Pimentel, C. E. (2016). Personality and aggression: a contribution of the general aggression model. Estudos de Psicologia/Campinas, 33(3), 443-451. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-02752016000300008

Cavalcanti, J. G., Lima Coutinho, M. D. P., Lima Pinto, A. V., Silva, K. C., & Do Bú, E. A. (2018). Vitimização e percepção do bullying: Relação com a sintomatologia depressiva de adolescentes. Revista de Psicologia da IMED, 10(1), 140-159.

Cerqueira, D., Lima, R. S., Bueno, S., Valencia, L. I., Hanashiro, O., Machado, P. H. G., & Lima, A. S. (2017). Atlas de violência. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada [IPEA].

Conselho Federal de Psicologia (2018). Resolução CFP n. 09 (25 de abril). Diário Oficial da União, 2 maio de 2018, edição 83, Seção: 1, p. 170. Disponível em https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-n-9-de-25-de-abril-de-2018-12526419

Doob, L. W. (1947). The behavior of attitudes. Psychological Review, 54(3), 135-156.

Epskamp, S., & Stuber, S. (2017). semPlot: Path Diagrams and Visual Analysis of Various SEM Packages’ Output. R package version 1.1. Disponível em https://CRAN.R-project.org/package=semPlot

Fonseca, P. N., Gouveia, V. V., Gouveia, R. S. V., Pimentel, C. E., & Medeiros, E. D. (2007). Escala de atitudes frente à escola: Validade fatorial e consistência interna. Psicologia Escolar e Educacional, 11(2), 285-297.

Gosling, S. D., Rentfrow, P. J., & Swann Jr., W. B. (2003). A very brief measure of the big-five personality domains. Journal of Research in Personality, 37(6), 504-528.

Gouveia V., Chaves, C. M. C. M., Peregrino, R. R., Branco, A. O.C., & Gonçalves, M. P. (2008). Medindo a agressão: O Questionário de Buss-Perry. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60(3), 92-103.

Hair, J. F. Jr, Black, W. C., Babin, B. J., & Anderson, R. E. (2010). Multivariate Data Analysis: A Global Perspective. Pearson Education: Upper Saddle River.

Hogan, T. P. (2006). Introdução à prática de testes psicológicos. Rio de Janeiro: LTC (Livros Técnicos e Científicos Editora S.A.).

Kline R. B. (2005). Principles and practice of structural equation modeling. New York: The Guilford Press.

Kline, R. B. (2013). Handbook of psychological testing. London: Routledge.

Krug, E. G., Dahlberg, L. L., Mercy, J. A., Zwi, A. B., & Lozano, R. (2002). Relatório mundial sobre violência e saúde. Geneva: World Health Organization, 2002.

Lever, H., Ottenheimer, D., Teysir, J., Singer, E., & Atkinson, H. G. (2019). Depression, anxiety, post-traumatic stress disorder and a history of pervasive gender-based violence among women asylum seekers who have undergone female genital mutilation/cutting: A retrospective case review. Journal of immigrant and minority health, 21(3), 483-489.

Myers, D. G. (2000). Psicologia social. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.

Nascimento, B. S. (2015). Atitudes frente à violência contra a mulher: O papel dos valores e da desumanização da mulher (Tese de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB).

Nascimento, T. G., Torres, C. V., & Pimentel, C. E. (2011). Evidências de validade e precisão da escala de atitudes frente à Polícia. Revista Brasileira de Segurança Pública, 5(9), 42-56.

Ngo, Q. M., Eisman, A. B., Walton, M. A., Kusunoki, Y., Chermack, S. T., Singh, V., & Cunningham, R. (2018). Emergency department alcohol intervention: effects on dating violence and depression. Pediatrics, 142(1), e20173525. doi:http://dx.doi.org/10.1542/peds.2017-3525

Nunnally, J. C. (1970). Introduction to psychological measurement. New York: McGraw-Hill Book Company.

Organização Mundial de Saúde. (OMS, 2012). Prevenção da violência sexual e da violência pelo parceiro íntimo contra a mulher: Ação e produção de evidência. São Paulo: Organização Pan-Americana da Saúde. Disponível em http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44350/3/9789275716359_por.pdf

Paiva, T., Pimentel, C. E., & Moura, G. B. (2017). Violência conjugal e suas relações com autoestima, personalidade e satisfação com a vida. Gerais – Revista Interinstitucional de Psicologia, 10(2), 215-227.

Paiva, T, Pimentel, C., Lima, K., & Santos, M. (2017). Construção e validação da escala de atitudes frente à punição corporal em crianças. Revista E-Psi, 7(1), 39-59.

Pasquali, L. (2003). Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Petty, R. E., & Cacioppo, J. T. (1981). Attitudes and Persuasion: Classic and Contemporary Approaches. Dubuque, IA: William C. Brown.

Pimentel, C. E., Ferreira, D. C. S., Vargas, M. M., Maynart, V. A. P., & Mendonça, D. C. (2014). Preferência por estilos de filmes e suas diferenças nos cinco fatores de personalidade. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 9(2), 233-244.

Pimentel, C. E., Gunther, H., & Black, P. U. V. (2012). Acessando o medo do crime: Um survey por meio da internet. Psicologia Argumento, 30(69), 411-421.

Pimentel, C. E., Nascimento, T. G., Moura, G. B., Clementino, A. E. M., & Soares, L. S. (2015). Escala de Atitudes diante da Delinquência: validade e precisão. Revista Brasileira de Segurança Pública, 9(1), 172-183.

Rosseel, Y. (2012). Lavaan: An R Package for Structural Equation Modeling. Journal of Statistical Software, 48(2), 1-36. doi:https://doi.org/10.18637/jss.v048.i02

Souza, A. C., Alexandre, N. M. C., & Guirardello, E. B. (2017). Propriedades psicométricas na avaliação de instrumentos: Avaliação da confiabilidade e da validade. Epidemiologia Serviços de Saúde, 26, 649-659.

Schwarz, N., & Oyserman, D. (2001). Asking Questions about Behavior: Cognition, Communication, and Questionnaire Construction. American Journal of Evaluation, 22(2), 127-160.

Vasconcelos, D. C., Santana, I. O., Borges, L. C., Couto, R. N., & Fonseca, P. N. (2017). Adaptação e evidências de validade e precisão do Questionário de Atitude frente à Violência na escola. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 10(1), 13-24.

Velicer, W. F., Huckel, L. H., & Hansen, C. E. (1989). A measurement model for measuring attitudes toward violence. Personality and Social Psychology Bulletin, 15, 349-364.

Publicado
2021-08-03
Como Citar
Paiva, T. T., Pimentel, C. E., Cavalcanti, J. G., Barbosa, I. C. G., & Tavares, S. M. (2021). Validação da Escala Velicer de Atitudes frente à Violência (EVAFV). Revista Psicologia E Saúde, 13(1), 35-49. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i1.1054
Seção
Artigos