Programa Cognitivo-Comportamental de Educação Nutricional para Mulheres com Excesso de Peso

Palavras-chave: obesidade, perda de peso, educação alimentar e nutricional, terapia cognitiva-comportamental

Resumo

Introdução: A pesquisa teve como objetivo propor e avaliar um programa cognitivo-comportamental de educação nutricional para mulheres com excesso de peso e identificar fatores que interferem na adesão. Métodos: estudo qualiquantitativo, quase experimental, com mulheres com excesso de peso, alocadas em dois grupos: um que participou de um programa em grupo baseado no modelo cognitivo-comportamental e outro que recebeu acompanhamento individual. Foram comparados dados antropométricos e bioquímicos, além de fatores relacionados à adesão. Resultados: Os dados antropométricos e bioquímicos não diferiram significativamente entre os grupos. A análise qualitativa evidenciou mudanças relevantes em relação à qualidade e quantidade da alimentação ingerida. Discussão: As estratégias utilizadas permitiram a elaboração de recursos cognitivos relevantes para perda de peso. Conclusões: O programa auxiliou em mudanças nos hábitos alimentares, o que pode repercutir em alterações antropométricas e bioquímicas relevantes no médio prazo.

Biografia do Autor

Andreia Neves Duarte, Universidade de Brasília (UnB)

Doutoranda em Psicologia Clínica e Cultura na Universidade de Brasília (UnB). Mestra em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde

Elizabeth Queiroz, Universidade de Brasília (UnB)

Doutora em Psicologia. Professora do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília.

Referências

Alves, M. G. M. (2012). A promoção da saúde e a prevenção integrada dos fatores de risco para doenças cardiovasculares: até quando ficaremos “enxugando o gelo”? Ciência & Saúde Coletiva, 17(1), 20-22.

Appel, L. J., Clark, J. M., Yeh, H. C., Wang, N. Y., Coughlin, J. W., Daumit, G., . . . Brancati, F. L. (2011). Comparative effectiveness of weight-loss interventions in clinical practice. The New England Journal of Medicine, 365, 1959-1968.

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo (4a ed.). Lisboa: Edições 70.

Barrett, S., Begg, S., O'Halloran, P., & Kingsley, M. (2018) Integrated motivational interviewing and cognitive behaviour therapy for lifestyle mediators of overweight and obesity in community-dwelling adults: a systematic review and meta-analyses. BMC Public Health, 18 (1), 1160-1170.

Beck, J. S. (2009). Pense magro: A dieta definitiva de Beck. Treine seu cérebro a pensar como uma pessoa magra. Porto Alegre: Artmed.

Bernardi, F., Cichelero, C., & Vitolo, M. R. (2005). Comportamento de restrição alimentar e obesidade. Revista de Nutrição, 18(1), 85-93.

Brasil. (2018). Vigitel Brasil 2017: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília.

Brasil. Ministério da Saúde. (2005). Guia alimentar para a população brasileira: Promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde.

Christensen, J. R., Faber, A., Ekner, D., Overgaard, K., Holtermann, A., & Sogaard, K. (2011). Diet, physical exercise and cognitive behavioral training as a combined workplace based intervention to reduce body weight and increase physical capacity in health care workers − a randomized controlled trial. BMC Public Health, 27(11), 671-682.

Ewart-Pierce, E., Ruiz, M. J., & Gittelsohn, J. (2016). “Whole-of-Community” Obesity Prevention: A Review of Challenges and Opportunities in Multilevel, Multicomponent Interventions. Current Obesity Reports, 5 (3), 361-374.

Fjeldsoe, B., Neuhaus, M., Winkler, E., & Eakin, E. (2011). Systematic review of maintenance of behavior change following physical activity and dietary interventions. Health Psychology, 30(1), 99-109.

Hofmann, W., Rauch, W., & Gawronski, B. (2007). And deplete us not into temptation: Automatic attitudes, dietary restraint, and self-regulatory resources as determinants of eating behavior. Journal of Experimental and Social Psychology, 43, 497-504.

Knapp, P., & Beck, A. T. (2008). Fundamentos, modelos conceituais, aplicações e pesquisa da terapia cognitiva. Revista Brasileira de Psiquiatria, 30(Suppl. 2), 554-564.

Lerario, A. C., & Lottenberg, S. A. (2006). Mecanismos ambientais implicados no ganho de peso e as oportunidades para prevenção da obesidade. Einstein, 4(Suppl. 1), S7-S13.

Mattos, R. F., & Luz, M. T. (2009). Sobrevivendo ao estigma da gordura: um estudo socioantropológico sobre obesidade. Physis 19 (2), 489-507.

Pontieri, F. P., & Bachion, M. M. (2010). Crenças de pacientes diabéticos acerca da terapia nutricional e sua influência na adesão ao tratamento. Ciência & Saúde Coletiva, 15 (1), 151-169.

Queiroz, E., & Araujo, T. C. C. F. (2009). Trabalho de equipe em reabilitação: um estudo sobre a percepção individual e grupal dos profissionais de saúde. Paidéia, 19 (43) 177-183.

Rodrigues, E. M., & Boog, M. C. F. (2006). Problematização como estratégia de educação nutricional com adolescentes obesos. Cadernos de Saúde Publica, 22(5), 923-931.

Segal, A., Cardeal, M. V., & Cordás, T. A. (2002). Aspectos psicossociais e psiquiátricos da obesidade. Revista de Psiquiatria Clínica, 29 (2), 81-89.

Silveira, L. M. C., & Ribeiro, V. M. B. (2005). Grupo de adesão ao tratamento: Espaço de “ensinagem” para profissionais de saúde e pacientes. Interface Comunicação Saúde e Educação, 9(16), 91-104.

Sociedade Brasileira de Cardiologia (2001). III Diretrizes brasileiras sobre dislipidemias e diretriz de prevenção da aterosclerose do departamento de aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 77(Supl 3), S1-S48.

Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia (2010). VI Diretrizes brasileiras de hipertensão. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 95 (1), 1-51.

Sociedade Brasileira de Diabetes (2007). Tratamento e acompanhamento do diabetes mellitus. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. Rio de Janeiro: N. Marins.

Souza, N. P. P., & Oliveira, M. R. M. (2008). O ambiente como elemento determinante da obesidade. Revista Simbio-Logias, 1(1), 1-17.

Tomiyama, A. J., Carr, D., Granberg, E. M., Major, B., Robinson, E., Sutin, A. R., & Brewis, A. (2018). How and why weight stigma drives the obesity ‘epidemic’ and harms health. BMC Medicine, 16, 123-129.

Torres, H. C., Franco, L. J., Stradioto, M. A., Hortale, V. A., & Schall, V. T. (2009). Evaluation of group and individual strategies in a diabetes education program. Revista de Saúde Pública, 43(2), 291-298.

Tsiros, M. D., Sinn, N., Brennan, L., Coates, A. M., Walkley, J. W., & Petkov, J. (2008). Cognitive behavioral therapy improves diet and body composition in overweight and obese adolescents. American Journal of Clinical Nutrition, 87 (5), 1134-1140.

Vásquez, I. A., Rodriguez, C. F., & Álvarez, M. P. (1998). Manual de Psicología de la Salud. Madrid: Psicologia Pirámide.

Viana V. (2002). Psicologia, saúde e nutrição: Contributo para o estudo do comportamento alimentar. Análise Psicológica, 4 (Supl XX), S611-S624.

Wadden, T. A., Volger, S., Sarwer, D. B., Vetter, M. L., Tsai, A. G., Berkowitz, R. I., . . . Moore, R. H. (2011). A two-year randomized trial of obesity treatment in primary care practice. New England Journal of Medicine, 365, 1969-1979.

Wilfley, D. E., Hayes, J. F., Balantekin, K. N., Van Buren, D. J., & Epstein, L. H. (2018). Behavioral interventions for obesity in children and adults: Evidence base, novel approaches, and translation into practice. The American Psychologist, 73 (8), 981-993.

Publicado
2020-12-08
Seção
Dossiê: Psicologia e Saúde Coletiva