A Psicologia na Atenção Básica e a Saúde Coletiva

Palavras-chave: Psicologia, atenção básica à saúde, saúde mental, saúde coletiva

Resumo

O objetivo do artigo é descrever os desafios do profissional da psicologia na atenção básica à saúde. Trata-se de uma pesquisa de delineamento qualitativo, exploratório e descritivo. Foram analisados 10 artigos publicados entre 2001 e 2017 em revistas científicas pertencentes às bases de dados do Portal de Periódicos da Capes. Os artigos apresentavam relatos de experiência de profissionais da psicologia que atuam na atenção básica à saúde e foram analisados na perspectiva da análise de conteúdo proposta por Laville e Dionne. Os resultados apontam a necessidade de o profissional da psicologia adotar uma visão ampliada de saúde na perspectiva da saúde coletiva. Deste modo, pode se desenvolver um atendimento integral à saúde por meio de atuação humanizada, preventiva e ampliada na atenção básica. Mais ainda, busca-se a transformação na formação dos profissionais da psicologia e a elaboração de diretrizes norteadoras mais claras e objetivas para a saúde mental na atenção básica.

Biografia do Autor

Vanessa Santos Lemos, Universidade de Caxias do Sul (UCS)

Psicóloga. Docente no curso de Psicologia da Universidade de Caxias do Sul (UCS).

Cristina Lhullier, Universidade de Caxias do Sul (UCS)

Doutora em Ciências na área de Psicologia. Professora da Graduação em Psicologia da Universidade de Caxias do Sul (UCS).

Referências

Archanjo, A. M. & Schraiber, L. B. (2012). A atuação dos psicólogos em unidades básicas de saúde na cidade de São Paulo. Saúde e Sociedade, 21, 351-363. doi: 10.1590/S010412902012000200009

Bernardes, A. G. & Guareschi, N. M. D. F. (2010). Práticas psicológicas: Enfrentamentos entre saúde pública e saúde coletiva. Estudos de Psicologia (Natal), 15(3), p. 269-276.

Böing, E., & Crepaldi, M. A. (2010). O psicólogo na atenção básica: Uma incursão pelas políticas públicas de saúde brasileiras. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(3), 634-649. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932010000300014

Campos, G. W. D. S. (2000). Saúde pública e saúde coletiva: Campo e núcleo de saberes e práticas. Ciência & Saúde Coletiva, 5(2), 219-230. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000200002

Campos, G. W. S. (2013). Clínica e saúde coletiva compartilhadas: Teoria paidéia e reformulação ampliada do processo saúde e doença. In G. W. S. Campos; M. C. S. Minayo; M. Akerman; M. D. Júnior; & Y. M. Carvalho (Org.), Tratado de saúde coletiva (pp. 53-92). Rio de Janeiro: Hucitec/Fiocruz.

Cintra, M. S., & Bernardo, M. H. (2017). Atuação do psicólogo na atenção básica do SUS e a psicologia social. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(4), 883-896. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703000832017

Codo, W., & Lane, S. T. M. (1989). Psicologia social: O homem em movimento. (8a ed.). São Paulo: Brasiliense.

Conselho Federal de Psicologia. (2011). Senhoras e senhores gestores de saúde, como a psicologia pode contribuir para o avanço do SUS. Brasília, DF: Conselho Federal dei Psicologia.

Costa, D. F. C. D., & Olivo, V. M. F. (2009). Novos sentidos para a atuação do psicólogo no Programa Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 14(supl. 1), 1385-1394. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000800011

Dimenstein, M. (2000). A cultura profissional do psicólogo e o ideário individualista: implicações para a prática no campo da assistência pública à saúde. Estudos de Psicologia (Natal), 5(1), 95-121.DOI: 10.1590/S1413-294X2000000100006

Dimenstein, M. (2001). O psicólogo e o compromisso social no contexto da saúde coletiva. Psicologia em Estudo, 6(2), 57-63. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722001000200008

Freire, F. M. S., & Pichelli, A. A. W. S. (2013). O psicólogo apoiador matricial: Percepções e práticas na atenção básica. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(1), 162-173. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932013000100013

Gibbs, G. (2009). Codificação e categorização temáticas. In G. Gibbs, Análise de dados qualitativos (pp. 59-78). Coleção Pesquisa Qualitativa. Coordenador da Coleção U. Flick; Tradutor R. C. Costa. Porto Alegre: Artmed. [Trabalho original publicado em 2008].

Gil, A. C., (2010). Como elaborar projetos de pesquisa (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Hori, A. A., & Nascimento, A. D. F. (2014). O Projeto Terapêutico Singular e as práticas de saúde mental nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Guarulhos (SP), Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 19(8), 3561-3571. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014198.11412013

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2014). Percepção do estado de saúde, estilo de vida e doenças crônicas. Brasil, Regiões e Unidades da Federação. Rio de Janeiro: IBGE.

Jimenez, L. (2011). Psicologia na atenção Básica à saúde: Demanda, território e integralidade. Psicologia & Sociedade, 23(num. esp.). 129-139. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822011000400016

Klein, A. P., & Oliveira, A. F. P. L. (2017). O “cabo de força” da assistência: Concepção e prática de psicólogos sobre o apoio matricial no Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Cadernos de Saúde Pública, 33(1), e00158815. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00158815

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber: Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas (H. Monteiro & F. Settineri, Trads.). Porto Alegre: Artmed/Belo Horizonte: Editora da UFMG. [Trabalho original publicado em 1997]

Ministério da Saúde. (2006). Portaria n.648/GM, de 28 de março de 2006. Política Nacional da Atenção Básica. Brasília-DF. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/prtGM648_20060328.pdf

Ministério da Saúde. (2008). Portaria n. 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família − NASF. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt0154_24_01_2008.html

Ministério da Saúde. (2009). Clínica ampliada e compartilhada. Cartilhas Humaniza SUS. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2013). Saúde mental (Cadernos de Atenção Básica, 34). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ferreira Neto, J. L. (2008). Práticas transversalizadas da clínica em saúde mental. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 110-118. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722008000100014

Organização Mundial da Saúde. (2008). Integração da saúde mental nos cuidados de saúde primários: Uma perspectiva global. Portugal: OMS.

Parise, L. F., & De Antoni, C. (2014). A psicologia na atenção primária à saúde: Práticas psicossociais, interdisciplinaridade e intersetorialidade. Clínica & Cultura, 3(1), 71-85.

Silva, D. F. & Santana, P. R., (2012). Transtornos mentais e pobreza no Brasil: uma revisão sistemática. Revista Tempus Actas de Saúde Coletiva, v. 6, n.4, p. 175-185.

Spink, M. J. & Matta, G. C., (2010). A prática profissional psi na saúde pública: configurações históricas e desafios contemporâneos. In M. J. Spink, A psicologia em diálogo com o SUS: Prática profissional e produção acadêmica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Sundfeld, A. C. (2010). Clínica ampliada na atenção básica e processos de subjetivação: relato de uma experiência. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 20(4), 1079-1097. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312010000400002

Publicado
2020-12-08
Seção
Dossiê: Psicologia e Saúde Coletiva