Formação na Graduação em Psicologia no SUS: Percepções de Psicólogos Residentes

Palavras-chave: Formação Profissional, Políticas Públicas, Sistema Único de Saúde, psicólogo, residências em saúde

Resumo

Método: Para tanto, realizou-se uma pesquisa qualitativa com psicólogos residentes que pertenciam às áreas de ênfase Saúde da Família e Comunidade e Atenção Básica em Saúde Coletiva de dois Programas de Residência da região Sul do Brasil. Para a coleta dos dados, foram realizadas entrevistas semiestruturadas, analisadas por meio da análise de conteúdo temática. Resultados e discussões: Evidenciaram-se movimentos de aproximação dos cursos de graduação em psicologia com as temáticas do SUS, Saúde Coletiva e Políticas Públicas, o que parece proporcionar certa ampliação do olhar dos psicólogos para esse contexto de atuação. Conclusões: As considerações finais indicam potencialidades e impasses na formação da graduação em psicologia para o trabalho no SUS e na atenção básica.

Biografia do Autor

Patrícia Matte Rodrigues, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Mestra em Psicologia da Saúde pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Especialista em Residência Multiprofissional Integrada em Sistema Público de Saúde, com ênfase em Atenção Básica/Saúde da Família pela UFSM. Atualmente é psicóloga na Secretaria da Saúde do município de Garibaldi, Rio Grande do Sul (RS).

Dorian Mônica Arpini, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Doutora em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC). Mestra em Educação Brasileira pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Atualmente é professora titular aposentada e professora colaboradora do programa de pós-graduação em Psicologia na UFSM.

Camila Almeida Kostulski, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Mestra em Psicologia da Saúde pela UFSM. Especialista em Direito de Família e Mediação de Conflitos pela Faculdade Palotina de Santa Maria (FAPAS). Bolsista CAPES.

Referências

Abdalla, I. G., Batista, S. H., & Batista, N. A. (2008). Desafios do ensino de psicologia clínica em cursos de psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão, 28(4), 806-819. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932008000400012

Azevedo, L. A., Tatmatsu, D. I. B, & Ribeiro, P. H. R. (2011). Formação em psicologia e a apropriação do enfoque da atenção primária à saúde em Fortaleza, Ceará. Trabalho, Educação e Saúde, 9(2), 241-264. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462011000200005

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Biscarde, D. G. dos S., Pereira-Santos, M., & Silva, L. B. (2014). Formação em saúde, extensão universitária e Sistema Único de Saúde (SUS): Conexões necessárias entre conhecimento e intervenção centradas na realidade e repercussões no processo formativo. Interface – Comunicação, Saúde e Educação, 18(48), 177-186.

Bastos, A. V. B., Gondim, S. M. G., & Borges-Andrade, J. E. (2010). O psicólogo brasileiro: Sua atuação e formação profissional. O que mudou nestas últimas décadas? In O. H. Yamamoto, & A. L. F. Costa (Orgs.), Escritos sobre a profissão de psicólogo no Brasil (pp. 255-271). Natal, RN: EDUFRN. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622013.0586

Böing, E., & Crepaldi, M. A. (2010). O psicólogo na atenção básica: Uma incursão pelas políticas públicas de saúde brasileiras. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(3), 634-649. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932010000300014

Ceccim, R. B., & Carvalho, Y. M. de. (2005). Ensino da saúde como projeto da integralidade: A educação dos profissionais de saúde no SUS. In R. Pinheiro, R. B. Ceccim, & R. A. de Mattos (Orgs.), Ensinar saúde: A integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. Rio de Janeiro: IMS/UERJ: ABRASCO.

Ceccim, R. B., & Feuerwerker, L. C. M. (2004). O quadrilátero da formação para a área da saúde: Ensino, gestão, atenção e controle social. Physis, 14(1), 41-65.

Cezar, P. K., Rodrigues, P. M., & Arpini, D. M. (2015). A Psicologia na Estratégia de Saúde da Família: Vivências da Residência Multiprofissional. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(1), 211-224. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1982–3703000012014

Conselho Federal de Psicologia. (2010). Práticas profissionais de psicólogos e psicólogas na atenção básica à saúde. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Davi, R. S., Dominguez, A. R., Araújo, M. V., & Franco, E. M. (2016). O psicólogo nas unidades básicas de saúde: Relatos distantes do SUS. Actualidades em Psicologia, 30(120), 71-83. doi:http://dx.doi.org/10.15517/ap.v30i120.19836

Dimenstein, M. (2001). O psicólogo e o compromisso social no contexto da saúde coletiva. Psicologia em Estudo, 6(2), 57-63. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722001000200008

Dimenstein, M., & Macedo, J. P. (2010). Desafios para o fortalecimento da Psicologia no SUS: A produção referente à formação e inserção profissional. In M. J. P. Spink (Org.), A Psicologia em diálogo com o SUS: Prática profissional e produção acadêmica (pp. 207-232). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Frank, J. R., Snell, L., & Sherbino J. E. (2015). CanMEDs 2015: Physician Competency Framework. Ottawa: Royal College of Physicians and Surgeons of Canada.

Ferreira, J. L., Neto (2011). Psicologia, políticas públicas e o SUS. São Paulo: Escuta.

Gaskell, G. (2005). Entrevistas individuais e grupais. In M. Bauer, & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som (pp. 64-89). Petrópolis: Vozes.

Lei n. 11.129, de 30 de junho de 2005 (2005). Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem; cria o Conselho Nacional da Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional da Juventude, altera as Leis nº s 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Brasília-DF: Presidência da República. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11129.htm

Lima, N. T. (2015). Residências são uma modalidade diferenciada de formação [Entrevista concedida à Antonio Fuchs]. Recuperado de https://agencia.fiocruz.br/residencias-são-uma-modalidade-diferenciada-de-formação

Minayo, M. C. de S. (2006). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (9a ed.). São Paulo: Hucitec.

Minayo, M. C. de S. (2014). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (13a ed.). São Paulo: Hucitec.

Nepomuceno, L. B. (2014). A construção social da prática psicológica na atenção primária à saúde do SUS. (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE).

Parisi, L. P., & De Antoni, C. (2014). A psicologia na atenção primária à saúde: Práticas psicossociais, interdisciplinaridade e intersetorialidade. Clínica & Cultura, 3(1), 71-85.

Pasini, V. L. (2010). Residência Multiprofissional em Saúde: De aventura quixotesca à política de formação de profissionais para o SUS. (Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS).

Reis, C. dos, & Guareschi, N. M. de F. (2013). A formação em Psicologia: Desafios para a inserção profissional nas políticas públicas de saúde. In A. M. C. Ximendes, C. dos Reis, & R. W. de Oliveira (Orgs.), Entre Garantia de Direitos e Práticas Libertárias. Porto Alegre: Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Sul.

Resolução n. 2, de 13 de abril de 2012 (2012). Dispõe sobre Diretrizes Gerais para os Programas de Residência Multiprofissional e em Profissional de Saúde. Brasília-DF: Secretaria de Educação Superior. Recuperado de

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15448-resol-cnrms-n2-13abril-2012&Itemid=30192

Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012 (2012). Dispõe sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília-DF: Conselho Nacional de Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Resolução n. 510, de 07 de abril de 2016 (2016). Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Brasília-DF: Conselho Nacional de Saúde. Recuperado de http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Resolução n. 597, de 13 de setembro de 2018 (2018). Dispõe sobre as recomendações do Conselho Nacional de Saúde à proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Psicologia. Brasília-DF: Ministério da Saúde. Recuperado de

http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2018/Reso597.pdf

Rocha, M. B., Almeida, M. M. S., & Ferreira, B. O. (2016). Possibilidades de atuação profissional do psicólogo no âmbito da Atenção Básica em Saúde. Revista Brasileira de Promoção da Saúde, 29(1), 117-123.

Rodrigues, P. M., Paraboni, P., Arpini, D. M., Brandolt, C. R., Lima, J. V., & Cezar, P. K. (2017). O registro em prontuário coletivo no trabalho do psicólogo na Estratégia de Saúde da Família. Estudos de Psicologia, 22(2), 195-202. doi:http://dx.doi.org/10.22491/1678-4669.20170020

Romagnoli, R. C. (2006). A Formação dos Psicólogos e a Saúde Pública. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 1(2), 1-15.

Rosa, N. B., & Silva-Roosli, A. C. B (2019). A Psicologia na Atenção Básica: Possibilidades de Intervenção na Promoção e Prevenção à Saúde. Revista Psicologia & Saúde, 11(2), 99-114.

Silva, C. de A., & Yamamoto, O. H. (2013). As Políticas Sociais na Formação Graduada do Psicólogo no Piauí. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(4), 824-839. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932013000400005

Silva, R. B., & Carvalhaes, F. F. (2016). Psicologia e Políticas Públicas: Impasses e reinvenções. Psicologia & Sociedade, 28(2), 247-256. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-03102016v28n2p247

Soares, T. C. (2005). “A Vida é Mais Forte do que as Teorias” O Psicólogo nos Serviços de Atenção Primária à Saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, 25(4), 590-601. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932005000400008

Spink, M. J., & Matta, G. C. (2010). A prática profissional Psi na saúde pública: Configurações históricas e desafios contemporâneos. In M. J. P. Spink (Org.), A Psicologia em diálogo com o SUS: Prática profissional e produção acadêmica (pp. 25-51). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Starfield, B. (2002). Atenção primária: Equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Yamamoto, O. H. (2003). Questão social e políticas públicas: Revendo o compromisso da psicologia. In A. M. B. Bock (Org.), Psicologia e o compromisso social (pp. 37-53). São Paulo: Cortez.

Publicado
2021-09-28
Como Citar
Rodrigues, P. M., Arpini, D. M., & Kostulski, C. A. (2021). Formação na Graduação em Psicologia no SUS: Percepções de Psicólogos Residentes. Revista Psicologia E Saúde, 13(2), 141-154. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i2.1111
Seção
Relatos de pesquisa