Reflexões Ético-Políticas de Questões Metodológicas de Pesquisa em Psicologia: Problema e Objetivos

Palavras-chave: objetivos, problema, Psicologia Social, ética, política

Resumo

Este texto pretende refletir sobre objetivos e problema de pesquisa a partir de uma dimensão ético-política, por meio de uma perspectiva da Psicologia Social crítica. Partimos de um exercício de problematização que compreende o problema e objetivos de pesquisa como práticas situadas. Assim, apontam-se alguns elementos importantes desse exercício de pensamento – formulação de objetivos e problemas – a partir da experiência e de barreiras que devem ser consideradas. A experiência e as barreiras aparecem no texto como estratégias para afirmar a pesquisa como aposta ético-política. A ideia é refletir como essas dimensões éticas e políticas são coextensivas ao problema e aos objetivos da pesquisa também, afirmando, assim, o caráter situado, portanto, as implicações de todos os movimentos que realizamos durante os processos de investigação.

Biografia do Autor

Anita Guazzelli Bernardes, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Psicóloga. Docente e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Campo Grande, MS. Brasil.

Neuza Maria de Fátima Guareschi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em Educação pela University of Winsconsin (EUA). Psicóloga. Professora adjunta do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS. Brasil.

Giovana Barbieri Galeano, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutoranda em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS. Brasil. Psicóloga.

Referências

Bondía, J. L. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf

Castel, R. (1998). Metamorfoses da questão social: Uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes.

Chaparro, Y. (2018). O mundo e o fim do mundo: Palavras de rezadores e guerreiros Avá Guarani sobre o desenvolvimento (Tese, Doutorado em Desenvolvimento Local, Universidade Católica Dom Bosco, MS, Brasil).

Deleuze, G., & Foucault, M. (1972/1979). Os intelectuais e o poder. In M. Foucault, Microfísica do poder (pp. 69-78). (10a ed.). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, M. (2003). Cómo nace un libro-experiencia. In M. Foucault, El yo minimalista y otras conversaciones (pp. 9-17). Buenos Aires: La Marca.

Foucault, M. (2018). O enigma da revolta. São Paulo: N-1 Edições.

Galison, P. & Stump, D. J. (1996). The Disunity of Science – boundaries, contexts and power. Stanford University Press, Stanford - California.

Grosfoguel, R. (2016). A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: Racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, 31(1), 25-49. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922016000100003

Haberland, D. F. (2018). Manual da Boa mãe (Tese de Doutorado em Psicologia, Universidade Católica Dom Bosco, MS, Brasil).

Haraway, D. (1995). Saberes localizados: A questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, (5), 07-41. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773

Kastrup, V (2007). A invenção de si e do mundo: Uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Belo Horizonte: Autêntica.

Löwy, I. (2008). Gênero e ciência. In J. A. Nunes & R. Roque (Orgs.). Objectos impuros: Experiências em estudos sobre a Ciência (pp. 79-92). Portugal/Porto: Edições Afrontamento.

Machado, A. F. (2014). Filosofia africana para descolonizar olhares: Perspectivas para o ensino das relações étnico-raciais. Tear: Revista de Educação Ciência e Tecnologia, 3(1), 1-20. doi:https://doi.org/10.35819/%23tear.v3i1.1854

Mbembe, A. (2016). Necropolítica. Arte & Ensaios, (32), 123-151. Recuperado de https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993

Rouse, J. (2007). Social practices and normativity. Philosophy of the Social Sciences, 37(1), 46-56. doi:https://doi.org/10.1177/0048393106296542

Stengers, I. (2000). As políticas da razão: Dimensão social e autonomia da ciência. Portugal: Edições 70.

Publicado
2021-09-28
Como Citar
Bernardes, A. G., Guareschi, N. M. de F., & Galeano, G. B. (2021). Reflexões Ético-Políticas de Questões Metodológicas de Pesquisa em Psicologia: Problema e Objetivos. Revista Psicologia E Saúde, 13(2), 83-96. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i2.1263
Seção
Artigos