Educação Interprofissional em Saúde: Revisão Integrativa da Literatura Brasileira (2008-2018)

Palavras-chave: pós-graduação, profissionais da saúde, formação dos profissionais da saúde, revisão de literatura

Resumo

Este estudo teve como objetivo estabelecer um panorama da produção científica nacional relativa à Educação Interprofissional em Saúde (EIP), com ênfase nas pesquisas desenvolvidas junto a pós-graduandos ou profissionais de saúde ao longo de uma década (2008-2018). Trata-se de uma revisão integrativa realizada mediante consultas às bases de dados MEDLINE, LILACS, SciELO-Brasil e Scopus. Compuseram o corpus de análise 31 referências, as quais foram examinadas segundo um conjunto de dimensões analíticas. Evidenciou-se que as referências se concentram nos últimos cinco anos e, predominantemente, foram assinadas por pesquisadores vinculados a universidades públicas, derivam de pesquisas qualitativas voltadas à prática interprofissional e tiveram como participantes profissionais de saúde inseridos em serviços de atenção primária. Conclui-se que o fortalecimento da EIP no país se afigura como um importante caminho a ser percorrido no sentido da integralidade das ações e dos serviços de saúde, e que novas pesquisas são necessárias para tanto.

Biografia do Autor

Ana Paula de Sousa Silva Baquião, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Bruna Costa de Almeida, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

 Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Leila Garcia Ribeiro Silva, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Rodrigo Sanches Peres, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Doutor e mestre em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP). Professor associado do Instituto de Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Fabiane Rossi dos Santos Grincenkov, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Doutora e mestre em Saúde pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Professora adjunta do Departamento de Psicologia da UFJF. 

Referências

Araújo, E. M. D., & Galimbertti, P. A. (2013). A colaboração interprofissional na estratégia saúde da família. Psicologia & Sociedade, 25(2), 461-468. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822013000200023&lng=en&tlng=pt

Araújo, T. A. M., Vasconcelos, A. C. C. P., Pessoa, T. R. R. F., & Forte, F. D. S. (2017). Multiprofissionalidade e interprofissionalidade em uma residência hospitalar: O olhar de residentes e preceptores. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 21(62), 601-613. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0295

Arruda, G. M. M. S., Barreto, I. C. H. C., Ribeiro, K. G., & Frota, A. C. (2018). O desenvolvimento da colaboração interprofissional em diferentes contextos de residência multiprofissional em Saúde da Família. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 22(supl. 1), 1309-23. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0859

Arruda, L. S., & Moreira, C. O. F. (2018). Colaboração interprofissional: Um estudo de caso sobre os profissionais do Núcleo de Atenção ao Idoso da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (NAI/UERJ), Brasil. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 22(64), 199-210. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0613

Augusto, A. (2014). Metodologias quantitativas/metodologias qualitativas: Mais do que uma questão de preferência. Fórum Sociológico, 24, 73-77. Recuperado de https://journals.openedition.org/sociologico/1073

Baquião, A. P. S. S. (2017). Percepções de residentes multiprofissionais acerca da interdisciplinaridade (Dissertação de Mestrado, Instituto de Ciências Humanas Universidade Federal de Juiz de Fora). Recuperado de http://repositorio.ufjf.br:8080/jspui/handle/ufjf/6489

Barr, H. (2015). Interprofessional education: The genesis of a global movement. Farenham: Centre for the Advancement of Interprofessional Education. Recuperado de https://www.caipe.org/resources/publications/barr-h-2015-interprofessional-education-genesis-global-movement

Barr, H., & Low, H. (2013). Introducing Interprofessional Education. Fareham: Centre for the Advancement of Interprofessional Education. Recuperado de https://www.caipe.org/resources/publications/caipe-publications/barr-h-low-h-2013-introducing-interprofessional-education-13th-november-2016

Barreto, I. C. H. C., Ribeiro, K. G., Moreira, A. E. M. M., Goya, N., Dias, M. S. A., & Andrade, L. O. M. (2018). Integração de instituições de ensino superior com sistemas municipais de saúde à luz de uma tipologia da colaboração interprofissional. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 22(1), 1365-1376. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0860

Barros, E. R. S., & Ellery, A. E. L. (2016). Colaboração interprofissional em uma Unidade de Terapia Intensiva: Desafios e possibilidades. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 17(1), 10-19. doi:http://dx.doi.org/10.15253/2175-6783.2016000100003

Batista, N. A., Rossit, R. A. S., Batista, S. H. S. D. S., Silva, C. C. B. D., Uchôa-Figueiredo, L. D. R., & Poletto, P. R. (2018). Educação interprofissional na formação em Saúde: A experiência da Universidade Federal de São Paulo, campus Baixada Santista, Santos, Brasil. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 22(Supl. 2), 1705-1715. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622017.0693

Bispo Júnior, J. P., & Moreira, D. C. (2018). Cuidado colaborativo entre os Núcleos de Apoio à Saúde da Família e as equipes apoiadas. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 28(3), e280310. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312018280310

Blue, A., Brandt, B. F., & Schmitt, M. H. (2010). American Interprofessional Health Collaborative: Historical roots and organizational beginnings. Journal of Allied Health, 39(suppl. 1), 204-209. Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21174041?dopt=Abstract

Brasil. (2001, 3 de outubro). Ministério da Educação e Cultura. Câmara de Educação Superior. Parecer CNE/CES n. 1133/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Enfermagem, Medicina e Nutrição. Diário Oficial da União, Seção 1E, p. 131. Brasília-DF: Ministério da Educação e Cultura. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/ces1133.pdf

Brasil. (1994). Ministério da Saúde. Programa Saúde da Família. Brasília. Brasília-DF: COSAC.

Campos, G. W. S. (2000). Um método para análise e cogestão de coletivos. São Paulo: Hucitec.

Canadian Interprofessional Health Collaborative. (2010). A national interprofessional competency framework. Vancouver: CIHC. Recuperado de https://www.cihc.ca/files/CIHC_IPCompetencies_Feb1210.pdf

Caram, C. D. S., Rezende, L. C., & Brito, M. J. M. (2017). Prática colaborativa: Potencialidades e desafios para o enfermeiro no contexto hospitalar. Revista Mineira de Enfermagem, 21, e1070. doi:http://dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20170080

Casanova, I. A., Batista, N. A., & Ruiz-Moreno L. (2015). Formação para o trabalho em equipe na residência multiprofissional em saúde. ABCS Health Sciences, 40(3), 229-233. doi:http://dx.doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.800

Costa, M. V. D. (2016). A educação interprofissional no contexto brasileiro: Algumas reflexões. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 20(56), 197-198. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0311

Costa, M. V. D., Peduzzi, M., Freire Filho, J. R., & Silva, C. B. G. (2018). Educação interprofissional em saúde. Natal: Secretaria de Educação a Distância/Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Recuperado de https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/dezembro/12/Educacao-Interprofissional-em-Saude.pdf

Dias, I. M. A. V., Pereira, A. K., Batista, S. H. S. S., & Casanova, I. A. (2016). A tutoria no processo de ensino-aprendizagem no contexto da formação interprofissional em saúde. Saúde em Debate, 40(111), 257-267. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201611120

Domingos, C. M., Nunes, E. F. P. A., & Carvalho, B. G. (2015). Potencialidades da Residência Multiprofissional em Saúde da Família: o olhar do trabalhador de saúde. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 19(55), 1221-1232. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622014.0653

Ellery, A. E. L., Pontes, R. J. S., & Loiola, F. A. (2013). Campo comum de atuação dos profissionais da Estratégia Saúde da Família no Brasil: Um cenário em construção. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 23(2), 415-437. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312013000200006

Faquim, J. P. S., & Frazão, P. (2016). Percepções e atitudes sobre relações interprofissionais na assistência odontológica durante o pré-natal. Saúde em Debate, 40(109), 59-69. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201610905

Faquim, J. P. S., Buiatti, N. B. P., & Frazão, P. (2018). O método ZOPP e a organização do trabalho interprofissional voltado à atenção ao pré-natal em duas unidades de atenção básica. Saúde em Debate, 42(117), 392-407. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201811704

Feuerwerker, L. C. M., & Capozzolo, A. A. (2013). Mudanças na formação dos profissionais de saúde: alguns referenciais de partida do eixo trabalho em saúde. In A. A. Capozzolo, S. J., Casetto, & A. O. Hens (Org.), Clínica comum: Itinerários de uma formação em saúde (pp. 35-68). São Paulo: Hucitec.

Figueiredo, M. D., & Campos, G. W. S. (2014). O apoio Paideia como metodologia para processos de formação em saúde. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 18(1), 931-943. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622013.0323

Freire Filho, J. R., Costa, M. V., Magnago, C., & Forster, A. C. (2018). Atitudes para a colaboração interprofissional de equipes da Atenção Primária participantes do Programa Mais Médicos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 26, e3018. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.2731.3018

Freire Filho, J. R., Silva, C. B. G., Costa, M. V., & Forster, A. C. (2019). Educação Interprofissional nas políticas de reorientação da formação profissional em saúde no Brasil. Saúde em Debate, 43(supl. 1), 86-96.

Gadelha, A. K. S., & Barreto, I. C. H. C. (2018). Residência integrada em Saúde: Percepção dos atores da ênfase em Saúde da Família e Comunidade. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 22(1), 1339-1351. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622017.0183

Gontijo, E. D., Freire Filho, J. R., & Forster, A. C. (2019). Educação Interprofissional em Saúde: abordagem na perspectiva de recomendações internacionais. Cadernos do Cuidado, 3(2), 20-38. doi:http://dx.doi.org/10.29397/cc.v3n2.186

Goulart, B. F., Camelo, S. H. H., Simões, A. L. A., & Chaves, L. D. P. (2016). Trabalho em equipe em Unidade Coronariana: Facilidades e dificuldades. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 50(3), 482-489. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000400015

Kantrowitz, M., Kaufman, A., Mennin, S., Fülöp, T. A., & Guilbert, J. J. (1987). Innovative tracks at established institutions for the education of health personnel: An experimental approach to change relevant to health needs. Genebra: World Health Organization. Recuperado de https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/38557/WHO_OFFSET_101_PartI-II.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Lewgoy, A. M. B., Kuplich, N. M., Machado, R. N., Faber, T., & Fagundes, M. L. (2019). A perspectiva interprofissional na residência integrada multiprofissional em saúde hospitalar. Clinical & Biomedical Research, 39(1), 58-68. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/hcpa/article/view/87747/pdf

Mallmann, F. H. (2018). Educação e trabalho interprofissional em saúde no contexto da atenção primária no Brasil: Análise bibliométrica da produção científica de 2010 a 2017 (Trabalho de Conclusão de Curso, Especialização em Saúde Pública, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Recuperado de https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/184287/001077855.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Matuda, C. G., Pinto, N. R. S., Martins, C. L., & Frazão, P. (2015). Colaboração interprofissional na Estratégia Saúde da Família: Implicações para a produção do cuidado e a gestão do trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 20(8), 2511-2521. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015208.11652014

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto – Enfermagem, 17(4), 758-764. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

Michel, C., Olsson, T. O., & Toassi, R. F. C. (2019). Educação Interprofissional em Saúde: Análise bibliométrica da produção científica nacional. Revista da Associação Brasileira de Ensino Odontológico, 19(4), 78-90. doi:http://dx.doi.org/10.30979/rev.abeno.v19i4.781

Oliveira, A. M. D., Lemes, A. M., Machado, C. R., Silva, F. L., & Miranda, F. S. (2010). Relação entre enfermeiros e médicos em hospital escola: a perspectiva dos médicos. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 10, 433-439. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292010000600023

Organização Mundial de Saúde (2010). Marco para ação em Educação Interprofissional e prática colaborativa. Genebra: World Health Organization. Recuperado de http://www.fnepas.org.br/oms_traduzido_2010.pdf

Padula, M. G. C., & Aguilar-da-Silva, R. H. (2014). Professional profile of dentists who are members of the Family Health Strategy city of Marília, São Paulo: The challenge of interprofessional work. Revista de Odontologia da UNESP, 43(1), 52-60. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1807-25772014000100009

Peduzzi, M. (2016). O SUS é interprofissional. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 20(56), 199-201. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0383

Peduzzi, M., Norman, I. J., Germani, A. C. C. G., Silva, J. A. M., & Souza, G. C. (2013). Educação interprofissional: formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(4), 977-983. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420130000400029

Peduzzi, M., Brígida, G. C., Mandú, E. N. T., Souza, G. C., & Silva, J. A. M. (2011). Trabalho em equipe na perspectiva da gerência de serviços de saúde: Instrumentos para a construção da prática interprofissional. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 21(2), 629-646. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312011000200015

Peixoto, T. C., & Brito, M. J. M. (2015). Protocolo clínico como dispositivo analítico das relações de poder de profissionais de saúde. Saúde em Debate, 39(107), 1053-1064. doi:http://dx.doi.org/10.1590/0103-110420151070219

Perego, M. G., & Batista, N. A. (2016). Aprendizagens compartilhadas na Residência Multiprofissional em Saúde. Tempus: Actas de Saúde Coletiva, 10(4), 39-51. Recuperado de http://www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/2239/1708

Pirolo, S. M., Ferraz, C. A., & Gomes R. (2011). A integralidade do cuidado e ação comunicativa na prática interprofissional da terapia intensiva. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(6), 1396-1402. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000600017

Previato, G. F., & Baldissera, V. D. A. (2018). Retratos da prática interprofissional colaborativa nas equipes da atenção primária à saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39, e2017-0132. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2018.2017-0132

Reeves, S. (2016). Porque precisamos da educação interprofissional para um cuidado efetivo e seguro. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 20(56), 185-197. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622014.0092

Reeves, S., Abramivich I., & Goldman J. (2009). Canadian Interprofessional Health Collaborative activities, outputs and impacts evaluation. Vancouver: Canadian Interprofessional Health Collaborative. Recuperado de http://www.cihc.ca/files/publications/CIHC_EvalReport0809_May1109.pdf

Reis, M. L., Medeiros, M., Pacheco, L. R., & Caixeta, C. C. (2016). Avaliação do trabalho multiprofissional do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Texto & Contexto – Enfermagem, 25(1), 1-9. doi:http://dx.doi.org/10.1590/0104-070720160002810014

Rocha, F. A. A., Barreto, I. C. H. C., & Moreira, A. E. M. M. (2016). Colaboração interprofissional: Estudo de caso entre gestores, docentes e profissionais de saúde da família. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 20(57), 415-426. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0370

Sidone, O. J. G., Haddad, E. A., & Mena-Chalco, J. P. (2016). A ciência nas regiões brasileiras: Evolução da produção e das redes de colaboração científica. Transinformação, 28(1), 15-32. doi:http://dx.doi.org/10.1590/2318-08892016002800002

Silva, J. A. M., Peduzzi, M., Orchard, C., & Leonello, V. M. (2015). Educação interprofissional e prática colaborativa na Atenção Primária à Saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(2), 16-24. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000800003

Soares, C. B., Hoga, L. A. K., Peduzzi, M., Sangaleti, C., Yonekura, T., & Silva, D. R. A. D. (2014). Revisão integrativa: Conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(2), 335-345. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0080-6234201400002000020

Souza, G. C., Peduzzi, M., Silva, J. A. M., & Carvalho, B. G. (2016). Trabalho em equipe de enfermagem: Circunscrito à profissão ou colaboração interprofissional? Revista da Escola de Enfermagem da USP, 50(4), 642-649. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000500015

Souza, M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: O que é e como fazer. Einstein, 8(1), 102-106. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

Toassi, R. F. C., Olsson, T. O., Lewgoy, A. M. B., Bueno, D., & Peduzzi, M. (2020). Ensino da graduação em cenários da atenção primária: Espaço para aprendizagem interprofissional. Trabalho, Educação e Saúde, 18(2). doi:http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00267

Valadão, P. A. S., Lins, L., & Carvalho, F. M. (2017). Problemas bioéticos no cotidiano do trabalho de profissionais de equipes de saúde da família. Trabalho, Educação e Saúde, 15(3), 725-744. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00080

Vasconcelos, A. C. F., Stedefeldt, E., & Frutuoso, M. F. P. (2016). Uma experiência de integração ensino-serviço e a mudança de práticas profissionais: Com a palavra, os profissionais de saúde. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 20(56), 147-158. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0395

Publicado
2021-02-26
Seção
Artigos