Biobancos Privados, Biotecnologias e as Promessas de Segurança Biológica

Palavras-chave: gestão de risco, prevenção, células-tronco, educação em saúde, criopreservação

Resumo

Este artigo tem o objetivo de compreender como a adesão à biotecnologia de armazenamento de células-tronco do cordão umbilical para uso autólogo produz a adoção de práticas, no presente, que visam prevenir riscos em nome de segurança biológica no futuro. Método: O material empírico foi constituído de depoimentos extraídos de sites de biobancos privados credenciados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), analisados a partir da análise do discurso. Resultados: as publicações dos sites estimulam o consumo do armazenamento de células-tronco do cordão umbilical, em nome da obtenção de segurança biológica para o futuro. Discussões: Esta busca é povoada por discursos de riscos que oferecem “garantias” relacionadas a futuros somáticos, associados a práticas educativas que produzem formas de cuidar dos filhos. Conclusão: Tais discursos produzem significados acerca de questões que envolvem segurança biológica e riscos, inscrevendo pais e mães em práticas de hiperprevenção em saúde.

Biografia do Autor

Vera Somavilla, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora na Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), departamento Ciências da Saúde, nos cursos de graduação em Enfermagem e em Medicina; e no Programa de Pós-Graduação em Saúde Mental e em Psicologia.

Betina Hillesheim, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professora na Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), departamento de Ciências da Saúde, no curso de graduação em Psicologia, nos Programas de Pós-Graduação em Educação, em Saúde Mental e em Psicologia

Analídia Rodolpho Petry, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora na Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), departamento de Ciências da Saúde, no curso de graduação em Enfermagem, e no Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde. 

Maria Luisa Panisello Chavarría, Universidad Rovira i Virgile (Espanha)

Doutora em Enfermagem pela Universitat Rovira i Virgili. Professora no curso de graduação em Enfermagem na Universidad Rovira i Virgili, campus de Tortosa, Catalunha, Espanha. 

Referências

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2010). Nota Técnica Conjunta n. 001/2010/GGSTO (14 de abril). São Paulo: ANVISA. Recuperado de http://portal.anvisa.gov.br/documents/4048533/4920270/Nota+T%C3%A9cnica+n%C2%BA+01+de+2010.pdf/a5eb7025-d2d2-45c9-8e33-069f225bfa14

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2018). Relatório de Avaliação dos dados de produção dos bancos de sangue do cordão umbilical e placentário – Ano 2017. São Paulo: ANVISA. Recuperado de http://portal.anvisa.gov.br/documents/4048533/4993754/Relat%C3%B3rio+de+Avalia%C3%A7%C3%A3o+dos+Dados+de+Produ%C3%A7%C3%A3o+dos+Bancos+de+Sangue+de+Cord%C3%A3o+Umbilical+e+Placent%C3%A1rio+-+2017/1b792620-f462-48b6-8af1-f972809a326a

Cooper, M., & Waldby, C. (2014). Clinical Labor: Tissue Donors and Research Subjects in the Global Bioeconomy. London: Duke University Press.

Ferreira, M. S., & Castiel, L. D. (2015). Promoção da Saúde, empowerment e o discurso da vida ativa. In Bagrichewsky M., Estevão A. (Orgs.), Saúde Coletiva: Dialogando sobre interfaces temáticas (pp. 259-289). Ilhéus: Editus. Recuperado de http://www.uesc.br/editora/livrosdigitais2015/saude_coletiva.pdf

Galindo, D., Lemos, F. S., & Rodrigues, R.V. (2014). A vida como biocapital – Futuros biológicos, uma aposta dos bancos privados de células-tronco de cordão umbilical no Brasil. Athenea Digital, 14(2), 255-274. doi:https://doi.org/10.5565/rev/athenea.1198

Galindo, D., Rodrigues, R. V., Lemos, F. C. S., & Almeida, L. C. C. S. (2017). Biotecnologias, subjetivação e psicologias: Mercado das células tronco do cordão umbilical. Psicologia & Sociedade, (29), e14805. doi:https://doi.org/10.1590/1807-0310/2017v29148056

Gaudenzi, P. (2017). Mutações biopolíticas e discursos sobre o normal: Atualizações foucaultianas na era biotecnológica. Interface (Botucatu), 21(60), 99-110. doi:https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0870

Lupton, D. (2013). Risk. (2a ed). London: Routledge.

Marodin, G., Salgueiro, J. B., Motta, M. L., & Santos, L. M. P. (2013). Diretrizes nacionais para biorrepositório e biobanco de material biológico humano. Revista da Associação Médica Brasileira, 59(1), 72-77. doi:https://doi.org/10.1590/S0104-42302013000100014

Nobre, J. C. A., & Pedro, R. M. L. R. (2014). Vida humana, mídia e mercado: Uma perspectiva sociotécnica das pesquisas com células tronco embrionárias. Estudos & Pesquisa em Psicologia 14(1), 320-336. Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revispsi/article/view/10470/8270

Orlandi, E. P. (2009). Análise de discurso: Princípios & procedimentos. (8a ed.). Campinas: Pontes.

Petry, A. R., & Somavilla, V. C. (2016). A exortação do discurso de risco e a coleta autóloga de células tronco do cordão umbilical. Texto e Contexto, (3), 2-8. doi:https://doi.org/10.1590/0104-07072017003900015

Rose, N. (2013). A política da própria vida: Biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Paulus.

Zorzanelli, R. T., Speroni, A. V., Menezes, R. A., & Leibing, A. (2017). Pesquisa com células-tronco no Brasil: A produção de um novo campo científico. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 24(1), 129-144. doi:https://doi.org/10.1590/s0104-59702016005000026

Publicado
2021-11-17
Como Citar
Somavilla, V., Hillesheim, B., Petry, A. R., & Chavarría, M. L. (2021). Biobancos Privados, Biotecnologias e as Promessas de Segurança Biológica. Revista Psicologia E Saúde, 13(3), 65-74. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i3.1292
Seção
Artigos