Entre Assistência Social e Saúde Mental: Produzindo Práticas de Cuidado

Palavras-chave: cuidado, assistência social, cartografia

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir a produção de cuidado na Política de Assistência Social (AS), especificamente, na Proteção Social Básica. Para tanto, utilizamos o método cartográfico, pois, para analisar a constituição de práticas de cuidado, faz-se necessário acompanhar seu processo de produção. Cuidado, aqui, é entendido na relação com estudos de Emerson Merhy, constituído em um entre, a partir do encontro das Políticas Públicas de Saúde e Assistência Social. Desta forma, produzir cuidado na AS implica uma atuação imbricada no contexto das/os usuárias/os que olhe e intervenha junto a questões como pobreza, fome e desemprego – produtoras de condições precárias de vida e sofrimento mental –, colocando em discussão como escutamos e narramos as histórias que ouvimos. Assim, é preciso uma profunda análise dos lugares que ocupamos e das diferenças raciais que estruturam nosso país, para que não sejamos violentos em nossas práticas de cuidado.

Biografia do Autor

Nicolle Catanio, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS)

Especialista em Saúde Mental Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Atualmente é psicóloga no Centro de Atenção Psicossocial Nova Vida, Viamão.

Bruna Moraes Battistelli, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutoranda e mestre em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Especialista em Instituições em Análise pela UFRGS. Graduada em Psicologia pela UFRGS.

Luciana Rodrigues, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora e mestre em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Graduada em Psicologia pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Atualmente é professora adjunta do Departamento de Psicologia Social e Institucional da UFRGS.

Referências

Adichie, C. (2009). O Perigo da História Única [arquivo de vídeo]. Recuperado de https://www.ted.com/talks/chimamanda_ngozi_adichie_the_danger_of_a_single_story?language=pt

Ayres, J. R. D. C. M. (2004). Cuidado e reconstrução das práticas de saúde. Interface –Comunicação, Saúde, Educação, 8(14), 73-92.

Battistelli, B. M., & Cruz, L. R. (2019). Cartas à Assistência Social. In L. R. da Cruz, N. Guareschi, & B. M. Battistelli (Orgs.), Psicologia e Assistência Social: Encontros possíveis no contemporâneo (pp.15-35). Petrópolis: Vozes.

Brasil. (1993). Lei n. 8.742 (7 de dezembro). Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8742.htm

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. (2001). Lei n. 10.216 (6 de abril). Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, DF: Presidência da República. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/cCivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10216.htm

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2003). In Anais IV Conferência Nacional de Assistência Social. (p. 9-23). Brasília, DF: Conselho Nacional de Assistência Social. Recuperado de http://www.mds.gov.br/cnas/conferencias-nacionais/iv-conferencia-nacional/conferencias-nacionais/iv-conferencia-nacional/deliberacoes-e-mocoes.pdf

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2005). Política Nacional de Assistência Social. Brasília, DF: MDS; Secretaria Nacional de Assistência Social [SNAS]. Recuperado de https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/PNAS2004.pdf

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2009a). LOAS Anotada: Lei Orgânica de Assistência Social. Brasília, DF: Secretaria Nacional de Assistência Social. Recuperado de https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/LoasAnotada.pdf

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2009b). Orientações técnicas: Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. Brasília, DF: MDS; SNAS. Recuperado de http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Cadernos/orientacoes_Cras.pdf

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2013). Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Brasília, DF: MDS; SNAS. Recuperado de https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/tipificacao.pdf

Carneiro, S. (2011). Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro.

Deleuze, G., & Parnet, C. (1992). Diálogos. São Paulo: Editora Escuta.

Evaristo, C. (2014). Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas Editora.

Evaristo, C. (2016). Insubmissas lágrimas de mulheres. Rio de Janeiro: Editora Malê.

Fagundes, S. (1995). Exigências Contemporâneas. Saúde Mental Coletiva, 2(2), 2-4.

Fiuza, S. C. R., & Costa, L. C. (2015). O direito à assistência social: O desafio de superar as práticas clientelistas. Serviço Social em Revista, 17(2), 64-90.

Gusmão, D. S., & Souza, S. J. (2008). A estética da delicadeza nas roças de Minas: Sobre a memória e a fotografia como estratégia de pesquisa-intervenção. Psicologia & Sociedade, 20(número especial), 24-31.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Sapucaia do Sul. IBGE. Recuperado de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/sapucaia-do-sul

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2011). Retrato das desigualdades de gênero e raça. Brasília, DF: IPEA. Recuperado de http://www.ipea.gov.br/retrato/pdf/revista.pdf

Lonardoni, E., Gimenes, J. G., Santos, M. L. D., & Nozabielli, S. R. (2006). O processo de afirmação da assistência social como política social. Serviço Social em Revista, 8(2), 35-43.

Merhy, E. E. (2004). O ato de cuidar: A alma dos serviços de saúde. In Brasil, VER–SUS Brasil: Cadernos de textos (pp. 108-137). Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Merhy, E. E. (2006). Cuidado com o cuidado: O caso da fila do toque e a implicação do ato de cuidar. In E. M Vasconcelos, L. H. Frota, & E. Simon (Orgs.), Perplexidade na Universidade: Vivências nos cursos de saúde (pp. 84-89). São Paulo: Hucitec.

Merhy, E. E., Feuerwerker, L. C. M., & Cerqueira, M. P. (2010). Da repetição à diferença: Construindo sentidos com o outro no mundo do cuidado. In A. G., Silva, V. C. Ramos, & V. Damasceno (Orgs.), Semiótica, afecção & cuidado em saúde (pp. 60-75). São Paulo: Hucitec.

Merhy, E. E. (2013). O cuidado é um acontecimento e não um ato. In T. B. Franco, & E. E. Merhy (Orgs.), Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde (pp. 172-82). São Paulo: Hucitec.

Oliveira, I. M. de (2005). Assistência social pós-LOAS em Natal: A trajetória de uma política social entre o direito e a cultura do atraso. (Tese de Doutorado em Serviço Social, Programa de Pós-Graduados em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP).

Paganini, J., & Vieira, R. S. (2016). O processo de inserção da assistência social no campo da política pública no Brasil. Revista Espacios, 38(3), 1-8.

Perpétuo, C. L. (2017). O conceito de interseccionalidade: Contribuições para a formação no ensino superior. In Anais V Simpósio Internacional em Educação Sexual: Saberes/trans/versais currículos identitários e pluralidades de gênero. (p. 26). Maringá: Eduem.

Rolnik, S. (2011). Cartografia sentimental. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Silveira, J. I. (2017). A inviabilização e o desmonte do SUAS em tempos de aumento da demanda por assistência social. [Entrevista cedida a] Patricia Fachin. Revista IHU On-Line, São Leopoldo. Recuperado de http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/572155-a-reducao-orcamentaria-e-uma-nova-proposta-de-assistencia-social-residual-e-nao-estatal-entrevista-especial-com-jucimeri-isolda-silveira

Tadeu, T. (2002). A arte do encontro e da composição: Spinoza + Currículo + Deleuze. Educação & Realidade, 27(2), 47-57.

Publicado
2021-11-17
Como Citar
Catanio, N., Moraes Battistelli, B., & Rodrigues, L. (2021). Entre Assistência Social e Saúde Mental: Produzindo Práticas de Cuidado. Revista Psicologia E Saúde, 13(3), 75-88. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i3.1326
Seção
Artigos