Saúde Mental em Tempos de Crise e Pandemia: Um Diálogo com Martín-Baró

Palavras-chave: saúde mental, pandemias, coronavírus, capitalismo

Resumo

O presente artigo é um exercício teórico-analítico sobre as implicações na/da saúde mental de uma conjuntura de crise(s) atravessada pela pandemia da covid-19; uma tentativa de compreender o que tal momento expressa e os possíveis encadeamentos em termos de saúde mental. Propõe-se um diálogo com Ignacio Martín-Baró, cuja análise psicossocial sobre a saúde mental no contexto de guerra civil de El Salvador pode contribuir ao exame da atual conjuntura num sentido histórico, extraindo subsídios necessários para a construção de outra realidade. Para isso, primeiramente, resgatamos o conceito de saúde mental de Martín-Baró, situando-a como uma produção humana, no âmbito das relações sociais, circunscrita à sociabilidade capitalista. Posteriormente, escrutinamos algumas das implicações do cenário de pandemia para a saúde mental, sinalizando algumas saídas. Por fim, realizamos uma síntese dos argumentos.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Antunes da Costa, Universidade de Brasília (UNB)

Doutor em Psicologia. Professor da Graduação em Psicologia da Universidade de Brasília (UnB).

Kíssila Teixeira Mendes, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Doutoranda e mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Bolsista CAPES.

Referências

Barbosa, R. J., Prates, I., & Meireles, T. O. (Coord.). (2020). Covid-19: Políticas públicas e as respostas da sociedade. A vulnerabilidade dos trabalhadores brasileiros na pandemia da Covid-19. Rede de Políticas Públicas & Sociedade, nota técnica n. 2. Recuperado de https://fpabramo.org.br/wp-content/uploads/2020/04/Boletim_2_Covid19___NT2v3.pdf

Batista, A., Antunes, B., Faveret, G., Peres, I., Marchesi, J., Cunha, J. P., . . . Bozza, F. (2020). Análise socioeconômica da taxa de letalidade da COVID-19 no Brasil. Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde (NOIS), nota técnica n. 11. Recuperado de: https://drive.google.com/file/d/1QKOUnUGE6IgoliM8O5Gp_CvvN9uD_R0i/view

Dardot, P., & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: Ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo.

Fanon, F. (2015). Os condenados da terra. Juiz de Fora: Editora UFJF. (Obra original publicada em 1961).

Fernandes, F. (2006). A revolução burguesa no Brasil: Ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Globo. (Obra original publicada em 1975).

Instituto Socioambiental. (2020). COVID-19 e os Povos Indígenas. Recuperado de: https://covid19.socioambiental.org/

Lacerda Júnior, F. (2017). Colocando a Psicologia contra a ordem: Introdução aos escritos de Ignacio Martín-Baró. [Apresentação]. In I. Martín-Baró, & F. Lacerda Júnior (Orgs), Crítica e libertação na Psicologia: Estudos psicossociais (pp. 7-21). Petrópolis: Vozes.

Marini, R. M. (2017). Dialética da dependência. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, 9(3), 325-356. (Obra original publicada em 1973).

Martín-Baró, I. (1973). Antipsiquiatria y antipsicoanálisis. Estudios Centroamericanos – ECA, 28(293/294), 203-206.

Martín-Baró, I. (1996). O papel do psicólogo. Estudos de Psicologia, 2(1), 7-27.

Martín-Baró, I. (2011). Para uma psicologia da libertação. In R. S. L. Guzzo, & F. Lacerda Jr., F. (Orgs.), Psicologia social para América Latina: O resgate da psicologia da libertação (pp. 101-120). Campinas: Alínea. (Obra original publicada em 1986).

Martín-Baró, I. (2017a). Guerra e Saúde Mental. In I. Martín-Baró, Crítica e libertação na Psicologia: Estudos psicossociais (pp. 251-270, F. Lacerda Júnior, Trad.). Petrópolis: Vozes. (Obra original publicada em 1984).

Martín-Baró, I. (2017b). O psicólogo no processo revolucionário. In I. Martín-Baró, Crítica e libertação na Psicologia: Estudos psicossociais (pp. 25-29, F. Lacerda Júnior, Trad.). Petrópolis: Vozes. (Obra original publicada em 1980).

Martín-Baró, I. (2017c). Entre o indivíduo e a sociedade. In I. Martín-Baró, Crítica e libertação na Psicologia: Estudos psicossociais (pp. 101-161, F. Lacerda Júnior, Trad.). Petrópolis: Vozes. (Obra original publicada em 1983).

Marx, K. (2006). Sobre o suicídio. São Paulo, SP: Boitempo. (Obra original publicada em 1846).

Marx, K. (2008). Contribuição à crítica da economia política. São Paulo: Expressão Popular. (Obra original publicada em 1859).

Marx, K. (2010). Crítica da filosofia do direito de Hegel. Introdução. K. Marx, Crítica da filosofia do direito de Hegel (pp. 145-158). São Paulo: Boitempo. (Obra original publicada em 1844).

Marx, K. (2011). O 18 de brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo. (Obra original publicada em 1851).

Marx, K. (2017). Miséria da filosofia. São Paulo: Boitempo. (Obra original publicada em 1847).

OXFAM Brasil. (2020). Tempo de cuidar. O trabalho de cuidado não remunerado e mal pago e a crise global da desigualdade. Cidade: OXFAM Brasil. Recuperado de https://oxfam.org.br/justica-social-e-economica/forum-economico-de-davos/tempo-de-cuidar/

Paulo Netto, J. (2012). Crise do capital e consequências societárias. Serviço Social & Sociedade, (111), 413-429.

Publicado
2021-08-03
Como Citar
Costa, P. H. A. da, & Teixeira Mendes, K. (2021). Saúde Mental em Tempos de Crise e Pandemia: Um Diálogo com Martín-Baró. Revista Psicologia E Saúde, 13(1), 217-231. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i1.1367
Seção
Dossiê: Covid-19