Redes de Apoio à Mulher em Situação de Violência durante a Pandemia de Covid-19

Palavras-chave: violência por parceiro íntimo, mulheres, pandemias, infecções por coronavírus, apoio social

Resumo

A adoção de medidas de distanciamento social decorrentes da pandemia de covid-19 agravou o fenômeno da violência contra as mulheres, especialmente a praticada por parceiros íntimos (VPI). O presente artigo tem por objetivo analisar a VPI em contexto de pandemia e descrever iniciativas de proteção à mulher em situação de VPI. A partir da análise sobre a VPI, suas consequências e formas de enfrentamento, foram descritas ações tanto das redes formais quanto das redes informais de apoio à mulher. Por meio de buscas no Google e nas redes sociais, foram levantadas as seguintes estratégias de combate à VPI: a capacitação dos profissionais de saúde para identificação de sinais de violência e o desenvolvimento de aplicativos, projetos e campanhas de conscientização, incentivo à denúncia e acolhimento das vítimas. É notória a necessidade das redes de apoio para a prevenção da VPI e de pesquisas futuras que avaliem as potencialidades dessas estratégias.

Biografia do Autor

Luciana Barbalho Pontes, Universidade do Estado do Pará (UEPA)

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Mestre em Psicologia pela UFSCar. Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Pará (UFPA) . Atualmente é professora substituta na Universidade do Estado do Pará (UEPA).

Maria Beatriz Reis Dionísio, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Graduada em Psicologia pela UFSCar. Atualmente é pesquisadora do Laboratório de Análise e Prevenção à Violência (LAPREV/UFSCar).

Maria Alice Centanin Bertho , Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Graduada em Psicologia pela UFSCar. Atualmente é pesquisadora do Laboratório de Análise e Prevenção à Violência (LAPREV/UFSCar)

Viviane Gama, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Graduada em Psicologia pela UFSCar. Atualmente é pesquisadora do Laboratório de Análise e Prevenção à Violência (LAPREV/UFSCar) e psicóloga do Núcleo de Atendimento e Formação em Psicologia Clínica e Jurídica

Sabrina Mazo D’Affonseca, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Mestre em Educação Especial pela UFSCar. Especialista em Psicopedagogia pelo Centro Universitário Central Paulista (UNICEP). Graduada em Psicologia pela UFSCar. Atualmente é professora do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFSCar e pesquisadora do Laboratório de Análise e Prevenção à Violência (LAPREV).

Referências

Albuquerque Netto, L., Moura, M. A. V., Queiroz, A. B. A., Leite, F. M. C., & Silva, G. F. (2017). Isolamento de mulheres em situação de violência pelo parceiro íntimo: Uma condição em redes sociais. Escola Anna Nery, 21(1), e20170007.

Almeida, L. R., Silva, A. T. M. C., & Machado, L. S. (2013). Jogos para capacitação de profissionais de saúde na atenção à violência de gênero. Revista Brasileira de Educação Médica, 37(1), 110-119. doi:https://www.doi.org/10.1590/S0100-55022013000100016

Aun, H. (2020). Projeto oferece apoio gratuito a vítimas de violência doméstica na quarenta. Catraca Livre. Recuperado de https://catracalivre.com.br/cidadania/projeto-acolhe-vitimas-de-violencia-domestica-na-quarentena/

Baragatti, D. Y., Carlos, D. M., Leitão, M. N. C. da, Ferriani, M. G. C. das, & Silva, E. M. (2018). Critical path of women in situations of intimate partner violence. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 26, e3025. doi:https://www.doi.org/10.1590/1518-8345.2414.3025

Borges, B. (2020). Projeto ‘Justiceiras’ recebe denúncias de violência contra mulher durante quarentena. Agência Patrícia Galvão. Recuperado de https://agenciapatriciagalvao.org.br/violencia/projeto-justiceiras-recebe-denuncias-de-violencia-contra-mulher-durante-quarentena-sp-concentra-casos/

Brasil. (2006). Lei n. 11.340 (7 de agosto). Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Brasil. (2003). Lei n. 10.778 (24 de novembro). Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.778.htm

Brasil. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. (2011). Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília, DF: Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República.

Campos, C. H. (2015). Desafios na implementação da Lei Maria da Penha. Revista Direito GV, 11(2), 391-406. doi:https://www.doi.org/10.1590/1808-2432201517

Cavalcanti, G. M. B., Amorim A. V. B., Queiroz G. S., Cruz N. M., Costa R. L., & Bezerra K. F. O. (2020). A violência contra a mulher no sistema único de saúde. Revista Online de Pesquisa, 12(1), 146-154. doi:https://www.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.7148

Cerioni, C. (2020). Rappi cria botão contra violência doméstica em ação com advogadas e psicólogas. Exame. Recuperado de https://exame.com/pme/rappi-cria-botao-de-violencia-domestica-em-acao-com-advogadas-e-psicologas/

Coronavirus disease (COVID-19): Violence against women. (2020). World Health Organization. Retrieved from https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/question-and-answers-hub/q-a-detail/violence-against-women-during-covid-19

Defensoria Pública do Estado de São Paulo. (2020). Guia rápido Direito das Mulheres e COVID-19. São Paulo: Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres.

Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. (2019). Dados extraídos da categoria Violência doméstica, sexual e/ou outras violências [Dados de saúde]. Recuperado de http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinannet/cnv/violebr.def

D’Oliveira, A. F. P. L., & Schraiber, L. B. (2013). Mulheres em situação de violência: Entre rotas críticas e redes intersetoriais de atenção. Revista de Medicina, 92(2), 134–140. doi: https://www.doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v92i2p134-140/

Dutra, M. L., Prates, P. L., Nakamura, E., & Villela, W. V. (2013). A configuração da rede social de mulheres em situação de violência doméstica. Ciência & Saúde Coletiva, 18(5), 1293-1304.

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2020). Violência doméstica durante a pandemia de COVID-19 (Nota Técnica). Recuperado de https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2020/04/violencia-domestica-covid-19-v3.pdf

Frossard, H. (2006). Instrumentos Internacionais de Direitos das Mulheres (Série Documentos). Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Brasília, DF: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.

Garbin, C. A. S., Garbin A. J. I., Dossi A. P., & Dossi M. O. (2006). Violência doméstica: Análise das lesões em mulheres. Cadernos Saúde Pública, 22(12), 2567-2573. doi:https://www.doi.org/10.1590/S0102-311X2006001200007

García-Moreno, C., Hegarty, K., D’Oliveira, A. F. L., Kaziol-MacLain, J., Colombini, M., & Feder, G. (2014). The health-systems response to violence against women. Lancet Online, 385(9977), 1567-1579. doi:https://www.doi.org/10.1016/S0140-6736(14)61837-7

Gregory, A., Taylor, A. K., Pitt, K., Feder, G., & Williamson, E. (2019). “. . . The Forgotten Heroes”: A Qualitative Study Exploring How Friends and Family Members of DV Survivors Use Domestic Violence Helplines. Journal Of Interpersonal Violence, 27(1). doi:https://www.doi.org/10.1177/0886260519888199

Hasse, M., & Vieira, E. M. (2014). Como os profissionais de saúde atendem mulheres em situação de violência? Uma análise triangulada de dados. Saúde em Debate, 38(102), 482-493. doi:https://www.doi.org/10.5935/0103-1104.20140045

Heise, L. L. (1998). Violence Against Women: An Integrated, Ecological Framework. Violence Against Women, 4(3), 262-290. doi:https://www.doi.org/10.1177/1077801298004003002

Heise L. L. (2011). What works to prevent partner violence? An evidence overview. London: Strive Research Consortium.

Instituto Avon, Uber e Wieden+Kennedy lançam ferramenta para ajudar mulheres vítimas de violência doméstica. (2020). Uber. Recuperado de https://www.uber.com/pt-BR/newsroom/instituto-avon-uber-e-wiedenkennedy-lancam-ferramenta-para-ajudar-mulheres-vitimas-de-violencia-domestica/

F.biz cria filme para o IMP que alerta sobre violência doméstica na quarentena. (2020). Recuperado de https://www.fbiz.com.br/sala-de-imprensa/release/fbiz-cria-filme-para-o-imp-que-alerta-sobre-violencia-domestica-na-quarentena

Intimate personal violence and partner abuse. (2016). Office for National Statistics. Retrieved from https://www.ons.gov.uk/peoplepopulationandcommunity/crimeandjustice/compendium/focusonviolentcrimeandsexualoffences/yearendingmarch2015/chapter4intimatepersonalviolenceandpartnerabuse#sources-of-support-for-partner-abuse-victims

Johns Hopkins University. (Dashboard). (2020). COVID-19 Dashboard by the Center for Systems Science and Engineering (CSSE) at Johns Hopkins University (JHU). Retrieved from https://coronavirus.jhu.edu/map.html

Kind, L., Orsini, M. L., Nepomuceno, V., Gonçalves, L., Souza, G. A., & Ferreira, M. F. F. (2013). Subnotificação e (in)visibilidade da violência contra mulheres na atenção primária à saúde. Cadernos de Saúde Pública, 29(9), 1805-1815. doi:https://www.doi.org/10.1590/0102-311X00096312

Krug, E. G., Mercy, J. A., Dahlberg, L. L, & Zwi, A. B. (2002). The world report on violence and health. The Lancet, 360(9339), 1083-1088, doi:https://www.doi.org/10.1016/s0140-6736(02)11133-0

Mapa do acolhimento: Nenhuma mulher deve sofrer sozinha. (2020). Mapa do Acolhimento. Recuperado de https://www.mapadoacolhimento.org/#block-9884

Monitor da violência doméstica e familiar contra a mulher no período de isolamento social. (2021). Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro. Recuperado de http://www.ispvisualizacao.rj.gov.br/monitor/index.html

Movimento protege mulheres da violência em meio à COVID-19. (2020). Instituto Nelson Wilians. Recuperado de https://inw.org.br/violencia-contra-mulher-covid-19/

Osis, M. J. D, Duarte, G. A., & Faúndes, A. (2012). Violência entre usuárias de unidades de saúde: prevalência, perspectiva e conduta de gestores e profissionais. Revista de Saúde Pública, 46(2), 351-358. doi:https://www.doi.org/10.1590/S0034-89102012005000019

Peterman, A., Potts, A., O’Donnell, M., Thompson, K., Shah, N., Oertelt-Prigione, S., Gelder, N. (2020). Pandemics and Violence Against Women and Children (Working Paper, 528). Washington, DC: Center For Global Development.

Programa Você Não Está Sozinha. (2020). Instituto Avon. Recuperado de https://www.avon.com.br/instituto-avon/isoladassimsozinhasnao#

Sagot, M. (2000). Ruta crítica de las mujeres afectadas por la violencia intrafamiliar en América Latina: Estudios de caso de diez países. San José: Organización Panamericana de la Salud.

Schraiber, L. B., & D’Oliveira, A. F. P. L. (2002). Violence against women and Brazilian health care policies: A proposal for integrated care in primary care services. International Journal of Gynecology and Obstetrics, 78(suppl. 1), S21-S25. doi:https://www.doi.org/10.1016/S0020-7292(02)00040-1

Sinclair, D. (2019). Por que a mulher permanece em um relacionamento violento? (M. Bonomi & L. C. A Williams, Trad.). In L. C. A. Williams, J.M.D. Maia, K.A. Rios, & S.M D’Affonseca (Orgs.), Aspectos psicológicos da violência (Vol. 1, pp. 51-58). Curitiba: Juruá.

Soares, B. M. (2005). Enfrentando a violência contra a mulher: Orientações práticas para profissionais e voluntários (as). Brasília, DF: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Recuperado de https://www12.senado.leg.br/institucional/omv/entenda-a-violencia/pdfs/enfrentando-a-violencia-contra-a-mulher-orientacoes-praticas-para-profissionais-e-voluntarios

Todos na luta contra uma pandemia sem precedentes. (2020). Organização das Nações Unidas. Recuperado de https://news.un.org/pt/story/2020/04/1709332

World Health Organization. (2014). Global status report on violence prevention. Genebra: WHO. Retrieved from: https://www.who.int/publications/i/item/9789241564793

World Health Organization. (2016). Global plan of action: Health systems address violence against women and girls. Genebra: WHO. Retrieved from https://apps.who.int/iris/handle/10665/251664

Vieira, P. R., Garcia, L. P., & Maciel, E. L. N. (2020). Isolamento social e o aumento da violência doméstica: O que isso nos revela? Revista Brasileira de Epidemiologia, 23(e200033). doi:https://www.doi.org/10.1590/1980-549720200033

Violência contra as mulheres e meninas é pandemia das sombras, afirma diretora executiva da ONU Mulheres. (2020). ONU Mulheres. Recuperado de http://www.onumulheres.org.br/noticias/violencia-contra-as-mulheres-e-meninas-e-pandemia-das-sombras-afirma-diretora-executiva-da-onu-mulheres/

Publicado
2021-11-17
Como Citar
Pontes, L. B., Dionísio, M. B. R., Bertho, M. A., Gama, V., & D’Affonseca, S. M. (2021). Redes de Apoio à Mulher em Situação de Violência durante a Pandemia de Covid-19. Revista Psicologia E Saúde, 13(3), 187-201. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i3.1413
Seção
Dossiê: Covid-19