Estratégias de Cuidado Desenvolvidas por Profissionais da Rede de Atenção Psicossocial Diante do Uso de Substâncias Psicoativas

Palavras-chave: transtornos relacionados ao uso de substâncias, atenção à saúde, rede de cuidado, equipe de saúde

Resumo

Trata-se de pesquisa qualitativa, de caráter exploratório, com o objetivo de analisar as estratégias de cuidado desenvolvidas pelos profissionais da Rede de Atenção Psicossocial diante do uso de substâncias psicoativas em um município localizado no Vale do Itajaí no estado de Santa Catarina, Brasil. Participaram da pesquisa 12 profissionais, de modo a saturar os dados. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada. A análise dos dados foi realizada por meio do método Grounded Theory, com a utilização do software NVivo 12. Estabeleceram-se três categorias de análise: perspectivas de cuidado; tratamento e reabilitação psicossocial; articulação da rede de atenção psicossocial. Evidenciaram-se diferentes perspectivas de cuidado entre os profissionais, assim como divergência entre os encaminhamentos dos usuários aos dispositivos de cuidado. Sugere-se a criação de uma linha de cuidado para pessoas em uso de substâncias psicoativas e um protocolo-base de atendimento, a fim de potencializar a articulação da rede.

Biografia do Autor

Mariele Maciel da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Especialista em Saúde pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduada em Psicologia pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI).

Roberta Borguetti Alves, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Doutora e mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduada em Psicologia pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Atualmente, é professora do curso de Psicologia e do Mestrado Profissional de Psicologia da UNIVALI.

Referências

Araújo, A. C. C., & Pires, R. R. (2018). Redução de Danos na Atenção Psicossocial: Concepções e vivências de profissionais em um CAPS ad. Revista Tempus Actas de Saúde Coletiva, 11(3), 9-21. doi:https://doi.org/10.18569/tempus.v11i3.1982

Barbosa, S., & Souza, M. (2013). Atendimento aos usuários de substâncias psicoativas em pronto atendimento. SMAD: Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool E Drogas, 9(2), 82-87. doi:https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.v9i2p82-87

Brasil. Ministério da Saúde (2011a). Portaria n. 3088 (23 de dezembro). Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília, DF: MS. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html.

Brasil. Ministério da Saúde (2011b). Guia Prático de Matriciamento em Saúde Mental. Brasília, DF: MS. Recuperado de https://repositorio.observatoriodocuidado.org/bitstream/handle/handle/581/Guia%20pr%c3%a1tico%20de%20matriciamento%20em%20sa%c3%bade%20mental.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Brasil. Ministério da Saúde (2012). Manual sobre o cuidado à saúde junto à população em situação de rua. Brasília, DF: MS Recuperado de http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/manual_cuidado_populalcao_rua.pdf

Brasil. Ministério da Educação (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Básica. Brasília, DF: MEC. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file

Brasil. Ministério da Saúde (2017). Portaria n. 2436 (21 de setembro). Estabelece a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: MS. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html#:~:text=Aprova%20a%20Pol%C3%ADtica%20Nacional%20de,%C3%9Anico%20de%20Sa%C3%BAde%20(SUS).

Brasil. Ministério da Saúde (2019). Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas (Nota Técnica n. 11/2019). Brasília, DF: MS. Recuperado de http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/cuidados_prevencao_drogas/obid/legislacao/nota_saudemental.pdf

Cela, M., & Oliveira, I. F. (2015). O psicólogo no Núcleo de Apoio à saúde da Família: Articulação de saberes e ações. Estudos de Psicologia, 20(1), 31-39. doi:https://doi.org/10.5935/1678-4669.20150005

Franco, T. B. (2013). As Redes na Micropolítica do Processo de Trabalho em Saúde. In: T. B. Franco, & E. Elias Merhy (Orgs.), Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: Textos reunidos (pp. 188-202). São Paulo: Hucitec.

Franco, T. B., & Merhy, E. E. (2013). Por uma Composição Técnica do Trabalho centrada no campo relacional e nas tecnologias leves. In: T. B. Franco, & E. Elias Merhy (Orgs.), Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: Textos reunidos (pp. 112-121). São Paulo: Hucitec.

Laranjeira, R. (Org.). (2014). Segundo Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Relatório 2012). São Paulo: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas. Recuperado de https://inpad.org.br/wp-content/uploads/2014/03/Lenad-II-Relat%C3%B3rio.pdf

Macedo, J. P., Abreu, M. M., Fontenele, M. G., & Dimenstein, M. (2017). A regionalização da saúde mental e os novos desafios da Reforma Psiquiátrica brasileira. Revista Saúde soc., 26(1), 155-170. doi:https://doi.org/10.1590/s0104-12902017165827

Machado, L. V., & Boarini, M. L. (2013). Políticas sobre drogas no Brasil: A estratégia de redução de danos. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(3), 580-595. doi:https://doi.org/10.1590/S1414-98932013000300006

Machado, M. P. M., & Rabello, E. T. (2018). Competências para o trabalho nos Consultórios na Rua. Physis: Revista Saúde Coletiva, 28(4), e280413. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/physis/v28n4/0103-7331-physis-28-04-e280413.pdf

Medeiros, P. F. P., Garcia, L. S. L., Kinoshita, R. T., Santos, P. S., & Hayashida, G. (2016). Rede de Atenção Psicossocial no Sistema Único de Saúde (SUS): Eixo Políticas e Fundamentos. Brasília, DF: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Recuperado de http://www.aberta.senad.gov.br/medias/original/201704/20170424-094953-001.pdf

Merhy, E. E. (2013). O cuidado é um acontecimento e não um ato. In: T. B. Franco, & E. Elias Merhy (xxx.), Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: Textos reunidos (pp. 140-148). São Paulo: Hucitec.

Quinderé, P. H. D., Jorge, M. S. B. F., & Túlio B. (2014). Rede de Atenção Psicossocial: qual o lugar da saúde mental?. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 24(1), 253-271. doi:https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000100014

Ribeiro, F. M. L., & Minayo, M. C. S. (2015). As Comunidades Terapêuticas religiosas na recuperação de dependentes de drogas: O caso de Manguinhos, RJ, Brasil. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 19(54), 515-526. doi:https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0571

Sampieri, R., Collado, C., & Lucio, M. P. (2013). Metodologia de pesquisa. Porto Alegre: Penso.

Strauss A., & Corbin J. (2008). Pesquisa qualitativa: Técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada (2a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Vasconcelos, M. P. N., Paiva, F. S., & Vecchia, M. D. (2018). O cuidado aos usuários de drogas: Entre normatização e negação da autonomia. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 11(2), 363-381. doi:https://dx.doi.org/10.36298/gerais2019110212

Publicado
2021-11-17
Como Citar
da Silva, M. M., & Alves, R. B. (2021). Estratégias de Cuidado Desenvolvidas por Profissionais da Rede de Atenção Psicossocial Diante do Uso de Substâncias Psicoativas. Revista Psicologia E Saúde, 13(3), 145-159. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i3.1529
Seção
Relatos de pesquisa