Visita de crianças e adolescentes em UTI adulto: vivência de familiares

Resumo

Esta pesquisa objetivou identificar a vivência de familiares em relação à comunicação, tomada de decisão e manejo da entrada de crianças e adolescentes para visitar os pacientes internados em UTI adulto. A abordagem deste estudo foi qualitativa, foram realizadas entrevistas com dez familiares de pacientes que estiveram internados em UTI. Os dados foram analisados de acordo com a análise de conteúdo de Bardin (2009), emergindo quatro categorias: Comunicação; tomada de decisão sobre a visita; manejo e repercussões da visita. A comunicação dos participantes com os menores foi aberta. A tomada de decisão dependeu da inter-relação entre o desejo em visitar, o estado do paciente, o imaginário da visita e o posicionamento da equipe. Em relação ao manejo, todos destacaram a importância da preparação pré-visita. O estabelecimento de diretrizes claras nas instituições, assim como acapacitação dos profissionais acerca da visita decrianças poderia contribuir para a prática em saúde.

Referências

Anzoletti, A. B. et al. (2008). Access to intensive care units: a survey in North-East Italy. Intensive and Critical Care Nursing, 24(9), 366-374.

Armelin, C. B. et al. (2005). A comunicação entre profissionais de pediatria e a criança hospitalizada. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 15(2), p. 45-54.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barker, C., Nieswiadomy, R. M., & Arnold, W. K. (1998). Nursing interventions for children with a parent in the intensive care. Heart Lung, 17(4), p. 441-446.

Barros, L. (2003). Psicologia pediátrica: perspectiva desenvolvimentalista. 2a ed. Lisboa: Climepsi Editores.

Borges, K. M. K., Genaro, L. T., & Monteiro, M. C. (2010). Visita de crianças em unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 22(3), p.300-304.

Bowen, M. (1998). A reação da família a morte. Wash, F., & McGoldrick, M. (Org.). Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre: Artmed.

Castro, E. K., & Piccinini, C. A. (2002). Implicações da doença orgânica crônica na infância para as relações familiares: algumas questões teóricas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(3).

Cerveny, C. M. O., & Berthoud, C. M. E. (2009). Ciclo vital da família brasileira. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Clarke, C., & Harrison, D. (2001). The needs of children visiting on adult intensive care units: a review of the literature and recommendations for practice. Journal of advanced nursing, 34(1), p. 61-68.

Costa Jr., A. L. et al. (2001). O uso de manuais educativos em saúde pediátrica: um exemplo de hemofilia. Pediatria Moderna, 37(5), p. 190-195.

Davidson, J. E. et al. (2007). Clinical practice guidelines for support of the family in the patient-centered intensive care unit: American College of Critical Care Medicine Task Force 2004-2005. Critical Care Medicine, 35(2), p. 605-622.

Gabarra, L. M., & Crepaldi, M. A. (2011). A comunicação médico - paciente pediátrico - família na perspectiva da criança. Psicologia Argumento, 29(65), p. 209-218.

Gibson, V. et al. (2012). Position statement on visiting in adult critical care units in the UK. Nursing in Critical Care, 17(4), p. 213-218.

Hupcey, J. E. (2000). Feeling safe: the psychological needs of ICU patients. Journal of Nursing Scholarship, 32, p. 361-367.

Johnson, D. L. (1994). Preparing children for visiting parents in the adult ICU. DHYPERLINK "http://journals.lww.com/dccnjournal/"iHYPERLINK "http://journals.lww.com/dccnjournal/"meHYPERLINK "http://journals.lww.com/dccnjournal/"nHYPERLINK "http://journals.lww.com/dccnjournal/"sHYPERLINK "http://journals.lww.com/dccnjournal/"ioHYPERLINK "http://journals.lww.com/dccnjournal/"nsHYPERLINK "http://journals.lww.com/dccnjournal/" of HYPERLINK "http://journals.lww.com/dccnjournal/"Critical CareHYPERLINK "http://journals.lww.com/dccnjournal/" NursinHYPERLINK "http://journals.lww.com/dccnjournal/"g, 1(3), p.152-154, 157-165.

Kean, S. (2009). Children and Young People’s strategies to access information during a family member’s critical illness. Journal of Clinical Nursing, 19, p. 266-274.

Kean, S. (2010). Children and young people visiting an adult intensive care unit. Journal of Advanced Nursing, 66(4), p. 868-877.

Knutsson, S., & Bergbom, I. (2007). Nurse’s and physicians’ viewpoints regarding children visiting/not visiting adult ICUs. Nursing in Critical Care, 12(2), p. 64-73.

Knutsson, S. E., Otterberg, C. L., & Bergbom, I. L. (2004). Visits of children to patients being cared for in adult ICUs: policies, guidelines and recommendations. Intensive Crit Care Nurs, 20(5), p. 264-274.

Knutsson, S. et al. (2008). Children’s experiences of visiting a seriously ill/injured relative on an adult intensive care unit. Journal of Advanced Nursing, 61, p. 154-162.

Lima, V. R., & Kovacs, M. J. (2011). Morte na família: um estudo exploratório acerca da comunicação à criança. Psicologia Ciência e Profissão, 31(2).

Nova, C., Vegni, E., & Moja, E. A. (2005). The physician patient-parent communication: a qualitative perspective on the child’s contribution. Patient Education and Counseling, 58(3), p. 327-333.

Oliveira, V. Z. et al. (2004). Comunicação do diagnóstico: implicações no tratamento de adolescentes doentes crônicos. Psicologia em Estudo, 9(1), p. 9-17.

Perosa, G. B., & Ranzani, P. M. (2008). Capacitação dos médicos para comunicar más notícias às crianças. Revista Brasileira de Educação Médica, 32(4), p. 468-473.

Ramos, F. J. S. et al. (2014). Políticas de visitação em unidades de terapia intensiva no Brasil: um levantamento multicêntrico. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 26(4).

Rozdilsky, J. R. (2005). Enhancing sibling presence in pediatric ICU. Critical Care Nursing Clinics of North America, 17(4), p. 451-461.

Schmidt, B., Bolze, S. D. A., Gonçalves, J. R., & Gabarra, L. M. (2013). Terminalidade, morte e luto em famílias com crianças e adolescentes: possibilidades de intervenção psicológica. Garcia, A e Díaz-Loving, R. (Orgs.). Relações familiares: estudos latino-americanos. Vitória: UFES.

Sengik, A. S., & Ramos, F. B. (2013). Concepção de morte na infância. Psicologia & Sociedade, 25(2).

Tates, K., Meeuweesen, L. (2001). Doctor-parent-child communication. A (re)view of the literature. Social Science and Medicine, 52(6), p. 839-851.

Torres, W. C. (1999). A criança diante da morte: desafios. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Vint, P. E. (2005a). Children visiting adults in ITU – what support is available? A descriptive survey. Nursing in Critical Care, 10(2), p. 64-71.

Vint, P. E. (2005b). An exploration of the support available to children who may wish to visit a critically adult in ITU. Intensive Critical Care Nursing, 21(3), p. 149-159.

Publicado
2018-10-15
Como Citar
Gabarra, L. M., & Nunes, M. E. P. (2018). Visita de crianças e adolescentes em UTI adulto: vivência de familiares. Revista Psicologia E Saúde, 10(3), 109-125. https://doi.org/10.20435/pssa.v10i3.509
Seção
Relatos de pesquisa