Versão de Sentido na Supervisão Clínica Centrada na Pessoa: Alteridade, Presença e Relação Terapêutica

  • Emanuel Meireles Vieira Universidade Federal do Pará
  • Edson do Nascimento Bezerra Universidade Federal do Maranhão
  • Francisco Pablo Huáscar Aragão Pinheiro Universidade Federal do Ceará
  • Paulo Coelho Castelo Branco Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: alteridade, formação do psicólogo, versão de sentido, supervisão psicoterapêutica, terapia centrada no cliente.

Resumo

Objetiva-se discutir a supervisão de psicoterapia a partir da abordagem centrada na pessoa (ACP). Assim, apresenta-se o posicionamento de Rogers a esse respeito, bem como a visão de autores contemporâneos. Admite-se uma tensão entre a genuinidade presente na psicoterapia e os parâmetros técnicos que guiam esse tipo de relação. Diferentemente de Rogers, entende-se que essa tensão não deve ser superada, mas escutada, a fim de que o psicoterapeuta esteja aberto à diferença do cliente e à própria. A atitude primordial para isso é a presença e a supervisão deve atuar no sentido de acessar a disponibilidade do psicoterapeuta para estar presente. Por fim, indica-se a versão de sentido como um instrumento eficiente para fins de supervisão.

Biografia do Autor

Emanuel Meireles Vieira, Universidade Federal do Pará
Docente da Faculdade de Psicologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Pará. Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais.
Edson do Nascimento Bezerra, Universidade Federal do Maranhão
Psicoterapeuta. Especialista em Psicopedagogia pela Faculdade Ipiranga. Mestrando em Psicologia pela Universidade Federal do Maranhão.
Francisco Pablo Huáscar Aragão Pinheiro, Universidade Federal do Ceará
Docente do Curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará, Campus Sobral. Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará.
Paulo Coelho Castelo Branco, Universidade Federal da Bahia
Docente do Instituto Multidisciplinar em Saúde da Universidade Federal da Bahia, Doutor em Psicologia pela Univerisdade Federal de Minas Gerais.

Referências

Amatuzzi, M. M. (2001). Por uma psicologia humana. Campinas, SP: Alínea.

Amatuzzi, M. M. (2010). Rogers: Ética humanista e psicoterapia. Campinas, SP: Alínea.

Boris, G. (2008). Versões de sentido: Um instrumento fenomenológico-existencial para a supervisão de psicoterapeutas iniciantes. Psicologia Clínica, 20(1), 165-180. doi.org/10.1590/S0103-56652008000100011

Buys, R. (1987). Supervisão de psicoterapia na abordagem humanista centrada na pessoa. São Paulo: Summus.

Carvalho, L. B, Alves, A. M. F., Passos, C. A., Lopes, F. G., Holanda, R. B., & Moreira, V. (2015). A ética do cuidado e o encontro com o outro no contexto de uma clínica-escola em Fortaleza. Revista da Abordagem Gestáltica, XXI(1), 01-12. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v21n1/v21n1a02.pdf

Correia, K., & Moreira, V. (2016). A experiência vivida por psicoterapeutas e clientes em psicoterapia de grupo na clínica humanista-fenomenológica: Uma pesquisa fenomenológica. Psicologia USP, 27(3), 531-541. doi.org/10.1590/0103-656420140052

Freitas, M., Araújo, R., Franca, F., Pereira, O., & Martins, F. (2012). Os sentidos do sentido: Uma leitura fenomenológica. Revista da Abordagem Gestáltica, 18(2), 144-154. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672012000200004&lng=pt&tlng=pt.

Greenberg, L., & Geller, S. (2001). Congruence and therapeutic presence. In G. Wyat (Org.), Rogers' therapeutic conditions: Evolution, theory and practice (Vol. 1: Congruence, pp. 131-149). Ross-on-Wye: PCCS Books.

Lambers, E. (2007). A person-centenred perspective on supervision. In M. Cooper., M. O'hara., P. Schmid., & G. Wyatt (Orgs.), The handbook of person-centered psychotherapy and counseling (pp. 367-378). New York: Palgrave.

Moreira, V. (2001). Un modelo fenomenológico mundano de supervisión en psicoterapia. In: V. Moreira. Mas allá de la persona: hacia una psicoterapia fenomenológica mundana (pp. 311-321). Santiago: Editoria Universidad de Santiago.

Rogers, C. (1973). Algumas reflexões referentes aos pressupostos atuais das ciências do comportamento. In: C. Rogers & W. Coulson. O homem e a ciência do homem (pp. 55-80). Belo Horizonte: Interlivros. (Original publicado em 1968).

Rogers, C. (1976). Algumas lições de um estudo de psicoterapia com esquizofrênicos. In C. Rogers, & B. Stevens (Orgs.), De pessoa para pessoa: O problema de ser humano (pp. 211-224). São Paulo: Pioneira. (Original publicado em 1967).

Rogers, C. (1992). Terapia centrada no cliente. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1951).

Rogers, C. (2001). Sobre o poder pessoal. São Paulo: Marins Fontes. (Original publicado em 1977).

Rogers, C. (2005). Psicoterapia e consulta psicologia. São Paulo: Marins Fontes. (Original publicado em 1942).

Rogers, C. (2008a). Pessoas ou ciência? Uma questão filosófica. In: J. Wood et al. (Orgs.), Abordagem centrada na pessoa (pp. 117-142). Vitória, ES: EDUFES. (Original publicado em 1955).

Rogers, C. (2008b). As condições necessárias e suficientes para a mudança terapêutica de personalidade. In: J. Wood et al. (Orgs.), Abordagem centrada na pessoa (pp. 143-161). Vitória, ES: EDUFES. (Original publicado em 1957).

Rogers, C. (2009). Tornar-se pessoa. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1961).

Rogers, C., & Kinget, M. (1977a). Psicoterapia e relações humanas: teoria e prática da terapia não-diretiva (Vol. 1). Belo Horizonte: Interlivros. (Original publicado em 1959).

Rogers, C., & Kinget, M. (1977b). Psicoterapia e relações humanas: Teoria e prática da terapia não-diretiva (Vol. 2). Belo Horizonte: Interlivros. (Original publicado em 1962).

Rogers, C., & Russell, D. (2002). Carl Rogers: The quiet revolutionary – an oral history. Roseville: Penmarin Books.

Rogers, C., & Wallen, M. (2000). Manual de counselling. Lisboa: Encontro Editora. (Original publicado em 1946).

Sá, R., Azevedo, O., & Leite, T. (2010). Reflexões fenomenológicas sobre a experiência de estágio e supervisão clínica em um serviço de psicologia aplicada universitário. Revista da Abordagem Gestáltica, 16(2), 135-140. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v16n2/v16n2a02.pdf

Schmid, P. (2001). Authenticity: The person as his or her own author. Dialogical and ethical perspectives on therapy as an encounter relationship and beyond. In G. Wyat (Org.), Rogers' therapeutic conditions: Evolution, theory and practice (Vol. 1: Congruence, pp. 213-228). Ross-on-Wye: PCCS Books.

Schmid, P. (2013). Acknowledgement: The art of responding. Dialogical and ethical perspectives on the challenge of unconditional relationships in therapy and beyond. In J. Bozarth & P. Wikins (Orgs.), Rogers' therapeutic conditions: Evolution, theory and practice (Vol. 3: Unconditional Positive Regard, pp. 49-64). Ross-on-Wye: PCCS Books.

Soares, L. (2009). A gestalt-terapia na universidade: Da f(ô)ma à boa forma. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9(1), 150-161. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v9n1/v9n1a12.pdf

Tudor, K., & Merry, T. (2006). Dictionary of person-centered psychology. Ross-on-Wye: PCCS Books.

Vieira, E. (2012). Aprendizagem significativa na formação universitária: A experiência do plantão psicológico da UFPA. In F. Lemos, A. Silva, & C. Santos (Orgs.), Transversalizando no ensino, na pesquisa e na extensão (pp. 441-452). Curitiba: CRV.

Ximenes, C., Barreto, C., & Morato, H. (2015). Supervisão de estágio e atitude psicoterapêutica: Uma proposta educacional. Psicologia da Educação, 40, 115-124. doi: 10.5935/2175-3520.20150009

Wood, J. (2008). Da abordagem centrada na pessoa à psicoterapia centrada no cliente: Uma retrospectiva de 60 anos. In: J. Wood et al. (Orgs.), Abordagem centrada na pessoa (pp. 163-261). Vitória, ES: EDUFES

Publicado
2018-03-23
Como Citar
Vieira, E. M., Bezerra, E. do N., Pinheiro, F. P. H. A., & Castelo Branco, P. C. (2018). Versão de Sentido na Supervisão Clínica Centrada na Pessoa: Alteridade, Presença e Relação Terapêutica. Revista Psicologia E Saúde, 10(1), 63-76. https://doi.org/10.20435/pssa.v10i1.557
Seção
Artigos