Por uma História Local: A Psicologia Clínica no Rio de Janeiro

  • Ana Maria Jacó-Vilela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Campus Negrão de Lima, Rio de Janeiro
  • Daiane de Souza Mello Secretaria Municipal de Assistência Social de Nova Iguaçu - RJ
Palavras-chave: história da Psicologia, Psicologia clínica, história local

Resumo

O texto narra a história da Psicologia Clínica no Rio de Janeiro, enfatizando sua característica singular e local. O objetivo do texto é servir como dispositivo para formas diversas de se fazer e de pensar o que pode ser a Psicologia Clínica e o papel do psicólogo clínico, levando em conta suas implicações e seus efeitos para os sujeitos e a sociedade. Discorre-se, inicialmente, sobre a constituição do campo da Psicologia Clínica em instituições do Rio de Janeiro nas décadas de 1940 a 1960. Em seguida, apontam-se os efeitos da regulamentação da profissão e dos cursos nesse campo. Apresentam-se, finalmente, novas versões de clínica que surgiram a partir dos anos de 1980, como a Gestalt-terapia, a cognitivo-comportamental, a Psicanálise quase sempre hegemônica, bem como o trabalho dos psicólogos no SUS.

Biografia do Autor

Ana Maria Jacó-Vilela, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Campus Negrão de Lima, Rio de Janeiro
Doutora em Ciências (Psicologia) da Universidade de São Paulo; Professora do curso de graduação em psicologia e da pós-graduação em Psicologia Social da UERJ.
Daiane de Souza Mello, Secretaria Municipal de Assistência Social de Nova Iguaçu - RJ

Psicóloga formada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Especialista em Psicologia Clínica pelo CPF. Gestalt-terapeuta pelo Instituto de Gestalt-terapia e Atendimento Familiar.

Referências

Barbosa, L. (1992). O jeitinho brasileiro: A arte de ser mais igual que os outros. Rio de Janeiro, Campus.

Bastos, C. P. S. (2003). História e Psicologia: Ferramentas para entender a educação brasileira. In A. M. Jacó-Vilela, A. C. Cerezzo, & H. B. C. Rodrigues, H. B. C. (Orgs.), Clio-psyché paradigmas: Historiografia, psicologia, subjetividades (pp. 249-260). Rio de Janeiro: Relume Dumará/FAPERJ.

Bock, A. B. M. (2001). História da organização dos psicólogos e a concepção de fenômeno psicológico. In A. M. Jacó-Vilela, A. C. Cerezzo, & H. B. C. Rodrigues, Clio-psyché hoje: Fazeres e dizeres psi na história do Brasil (pp. 13-24). Rio de Janeiro: Relume Dumará/FAPERJ.

Brasil. (1978). Ministério de Educação e Cultura. Departamento de Assuntos Universitários. Projeto de reformulação do currículo mínimo de Psicologia: Com parecer do Prof. Samuel Pfromm. Brasília.

Castel, R. (1987). A gestão dos riscos. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Centofanti, R. (1982). Radecki e a Psicologia no Brasil. Psicologia: Ciência e Profissão, 3(1), 2-50.

Cerqueira Filho, G. (1982). Apresentação introdutória. In G. Cerqueira Filho, H. Pellegrino, & E. Mascarenhas. Crise na Psicanálise (pp. 5-8). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Coimbra, C. M. B. (1995). Guardiães da Ordem: Algumas práticas psi no Brasil do "milagre". Rio de Janeiro: Oficina do Autor.

Danziger, K. (1979). The social origins of Modern Psychology. In A. R. Buss (Ed.), Psychology in social context (pp. 25-44). Nova Iorque: Irvington Publishers.

D’Ávila, A. T., & Jacó-Vilela, A. M. (2012). Uma história da abordagem centrada na pessoa no Brasil. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 12(3), 1063-1069.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento Nacional da Criança (DNCr). (1956). O Centro de Orientação Juvenil (1946-1956). In Coleção DNCr., 155, Rio de Janeiro: DNCr.

Esch, C. F., & Jacó-Vilela, A. M. (2001). A regulamentação da profissão de psicólogo e os currículos de formação psi. In A. M. Jacó-Vilela, A. C. Cerezzo, & H. B. C. Rodrigues (Orgs.), Clio-psyché hoje: Fazeres e dizeres psi na história do Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará/FAPERJ.

Ferés-Carneiro, T. (2011). Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) 1967. In Jacó-Vilela, A. M. (Org.), Dicionário histórico de instituições de Psicologia no Brasil (pp. 147-148). Rio de Janeiro: Imago.

Holanda, S. B. (1990). Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Hüning, S., & Guareschi, N. (2005). Efeito Foucault: desacomodar a psicologia. In S. Hüning, & N. Guareschi (Orgs.), Foucault e a Psicologia (pp. 107-127). Porto Alegre: Abrapso Sul.

Jacó-Vilela, A. M. (1996). Formar-se psicólogo: Como ser “Livre como um pássaro”. (Tese de Doutorado em Ciências – Psicologia, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo).

Jacó-Vilela, A. M. (2014). Psychological measurement in Brazil in the 1920s and 1930s. History of Psychology, 17(3), 237-248.

Jacó-Vilela, A. M., & Degani-Carneiro, F. (2012). Da clínica privada para as instituições: uma trajetória do psicólogo nas lides com a saúde. In M. M. Rezende, & M. G. V. Heleno (Orgs.), Psicologia e promoção de saúde em cenários contemporâneos (pp. 17-40). São Paulo: Vector.

Jacó-Vilela, A. M., Messias, M. C. N., Degani-Carneiro, F., & Oliveira, C. F. (2009). A Clínica de Orientação Infantil do IPUB: Um olhar sobre a participação feminina na constituição dos saberes e práticas psi no Brasil. Anais de resumos e trabalhos completos do XV Encontro Nacional da ABRAPSO, Maceió, AL.

Leme Lopes, M. B., & Fialho, I. A. (1929). Suggestões para o emprego dos tests. Archivos Brasileiros de Hygiene Mental, 2, 68-77.

Leme Lopes, M. B. (1930). Pesquisas sobre a memória de fixação. Archivos Brasileiros de Higiene Mental, 3, 235-240.

Leme Lopes, M. B. (1932). A attenção concentrada explorada pelo test de cancelamento. Archivos Brasileiros de Higiene Mental, 5, 41-63.

Lourenço Filho, M. B. A. (1957). A formação de psicologistas e sua regulamentação profissional. Boletim do Instituto de Psicologia, 7, 11-12.

McReynolds, P.(1997). Lightner Witmer: his life and times. Washington, D. C.: American Psychological Association.

Mokrejs, E. (1988). Durval Marcondes: O primeiro capítulo da psicanálise e da psicopedagogia em São Paulo. Rev. Fac. Educ., 14(2), 193-209.

Pereira, F. M., & Pereira Neto, A. (2003). O psicólogo no Brasil: Notas sobre seu processo de profissionalização. Psicologia em Estudo, 8(2), 19-27.

Ribeiro, J. P., & Leal, I. P. (1996). Psicologia clínica da saúde. Análise Psicológica, 4(14), 589-599.

Rocha, N. M. D., & Moraes, E. S. D. (2003). Histeria: influência de Charcot em teses da Faculdade de Medicina da Bahia no século XIX. Revista do Departamento de Psicologia (UFF), 15, 105-117.

Rose, N. (2008). Psicologia como uma ciência social. Psicologia e Sociedade, 20(2), 155-164

Roxo, H. B. B. (1938). Manual de Psychiatria. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Russo, J. A. (1998). Raça, psiquiatria e medicina-legal: notas sobre a “pré-história” da psicanálise no Brasil. Horizontes Antropológicos, 4(9), 85-102.

Soares, A. B. (2003). Psicologia, comunidades e intervenções: reflexões e desconstruções. In A. M. Jacó-Vilela, A. C. Cerezzo, & H. B. C. Rodrigues, H. B. C. (Orgs.), Clio-psyché paradigmas: Historiografia, psicologia, subjetividades (pp. 329-338). Rio de Janeiro: Relume Dumará/FAPERJ.

Tozoni-Reis, J. R. (2002). A profissão de psicólogo: ideologia do clinicalismo. Revista Vertentes 6, 69-96.

Velho, G. (1978). Duas categorias de acusação na cultura brasileira contemporânea. Em: Figueira, S. (org.) Sociedade e Doença Mental. Rio de Janeiro: Campus.

Witmer, L. (1996). Clinical Psychology. American Psychologist, 51(3), 248-251. Original publicado em The Psychological Clinic, v. 1, p. 1-9, 1907.

Publicado
2018-03-23
Como Citar
Jacó-Vilela, A. M., & Mello, D. de S. (2018). Por uma História Local: A Psicologia Clínica no Rio de Janeiro. Revista Psicologia E Saúde, 10(1), 77-89. https://doi.org/10.20435/pssa.v10i1.627
Seção
Artigos