Violência contra mulher no namoro: percepções de jovens universitários

Palavras-chave: Violência de Gênero, Relacionamento afetivo-sexual, Universidade

Resumo

O estudo buscou investigar a violência contra mulheres no namoro de estudantes universitários. Foi realizada pesquisa quanti-qualitativa com uso de questionário online. A amostra (n=47) foi composta por sujeitos do sexo masculino, maiores de 18 anos e heterossexuais. Verificou-se que os participantes identificaram mais facilmente como violento os comportamentos que acarretavam danos visíveis ou corporais. A violência física foi a forma mais reconhecida, em contrapartida, as ofensas de caráter subjetivo foram as mais prevalentes, apesar de menos percebidas como abusivas. As violências moral e psicológica foram evidenciadas como as formas de violência contra mulheres mais presentes no namoro dos participantes, seguidas pelas sexual, física e patrimonial, respectivamente. Os atos agressivos causadores de danos corporais e materiais foram os menos praticados nos relacionamentos dos sujeitos, o que pode ter relação com o reconhecimento dos mesmos como comportamentos violentos.

Biografia do Autor

Tatiana Machiavelli Carmo Souza, Universidade Federal de Goiás
Professora Adjunta III na Universidade Federal de Goiás no curso de Psicologia/Regional Jataí e no Programa de Mestrado em Psicologia/Regional Goiânia. É Doutora e Mestre em Serviço Social (2012) pela Unesp/Franca; Especialista em Psicopedagogia (2007); e possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia (2003). Apresenta experiência profissional em Processos Psicossociais, atuando principalmente nos seguintes temas: sociedade, políticas públicas, subjetividade, psicologia social, gênero e violência.
Tainara Evangelista Pascoaleto, Universidade Federal de Goiás

Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí.

 
Nayra Daniane Mendonça, Prefeitura Municipal de Jataí
Psicóloga, graduada pela Universidade Federal de Goiás (UFG)/Regional Jataí. Coordenadora comunitária do projeto de extensão universitária InterAções: Psicologia tecendo redes e saberes; e integrante da comissão para a constituição do Núcleo de Relações de Gênero e Étnico-raciais, ambos da referida universidade. Capacitada pela Secretaria Cidadã do estado de Goiás para trabalhar com a temática de gênero. Atua na qualidade de pesquisadora e palestrante frente ao fenômeno de violência contra mulheres. Trabalha como psicóloga no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS)/unidade Mauro Bento, no município de Jataí-GO.

Referências

Barreira, A. K., Lima, M. L. C., Bigras, M., Njaine, K., & Assis, S. G. (2014). Direcionalidade da violência física e psicológica no namoro entre adolescentes do Recife, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 17(1), 217-228. https://dx.doi.org/10.1590/1415-790X201400010017ENG

Bernardes, M. N. (2014). Violência doméstica, opressão de gênero e justiça social: uma análise da Lei 11340/06 a partir do princípio da paridade de participação. In: XXIII Encontro Nacional Conpedi, 2014. Florianópolis, p. 334-357.

Beserra, M. A. et al. (2015). Prevalência de Violência no Namoro entre Adolescentes de Escolas Públicas de Recife/Pe: Brasil. Revista de Enfermagem Referência, IV(7), 91-99. https://dx.doi.org/10.12707/RIV15006

Cecchetto, F., Oliveira, Q. B. M., Njaine, K., & Minayo, M. C. S. (2016). Violências percebidas por homens adolescentes na interação afetivo-sexual em dez cidades brasileiras. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 20(59), 853-864. Epub June 28, 2016.https://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0082

Centers for Disease Control and Prevention. (2012). Youth risk behavior surveillance - United States, 2011. Morbidity and Mortality Weekly Report, 61(SS-4), 1-162. Recuperado em 03 de maio de 2018 em https://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/ss6104a1.htm

Center for Disease Control and Prevention. (2007). Dating abuse fact sheet. National Center for Injury Prevention and Control: Washington, DC. Recuperado em 03 de maio de 2018 em https://www.cdc.gov/violenceprevention/intimatepartnerviolence/teen_dating_violence.html

Cortez, M. B., Souza, L. & Queiróz, S. S. (2010). Violência entre parceiros íntimos: uma análise relacional. Revista Psicologia Política, 10(20), 227-243. Recuperado em 07 de fevereiro de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2010000200004&lng=pt&tlng=pt.

Earnest, A. A. E., & Brady, S. S. (2016). Dating Violence Victimization Among High School Students in Minnesota: Associations With Family Violence, Unsafe Schools, and Resources for Support. Journal of Interpersonal Violence, 31(3), 383–406.

Falcke, D, Wagner, A., & Mosmann, C. (2013). Estratégias de Resolução de Conflito e Violência Conjugal. In: Féres-Carneiro, T. (org.). Casal e família: transmissão, conflito e violência. São Paulo: Casa do Psicólogo, 159-176p.

Fonseca, D. H., Ribeiro, C. G., & Leal, N. S. B. (2012). Violência doméstica contra a mulher: realidades e representações sociais. Psicologia & Sociedade, 24(2), 307-314. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822012000200008

Fundação Perseu Abramo (2010). Mulheres brasileiras e gênero nos estados públicos e privado. Recuperado em 07 de fevereiro de 2018, de https://fpabramo.org.br/publicacoes/wp-content/uploads/sites/5/2017/05/pesquisaintegra_0.pdf

Fundação Perseu Abramo (2001). A mulher brasileira nos espaços público e privado. São Paulo: Autor.

Gomes, R. (2011). Invisibilidade da violência nas relações sexuais afetivas. Minayo, M. S. C., Assis, S. G., & Njaine, K. (2011). Amor e violência: um paradoxo das relações de namoro e do ‘ficar’ entre jovens brasileiros (pp. 141-151). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Guerreiro, A., Pontedeira, C., Sousa, R., Magalhães, M. J., Oliveira, E., & Ribeiro, P. (2015). Intimidade e violência no namoro: refletir a problemática nos/as jovens. Revista do Centro de Estudos Sociais, 10, 14-26. Recuperado em 08 de fevereiro de 2018, de https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/78885/2/101832.pdf

Instituto Patrícia Galvão (2014). Violência de gênero na internet. Recuperado em 07 de fevereiro de 2018, de http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/dossie/violencias/violencia-de-genero-na-internet/#apresentacao

James, W. H., West, C., Deters, K. E. & Armijo, E. (2000). Youth Dating Violence. Adolescence, 35 (139).

Lei nº 11.340 de 7 de agosto de 2006. Brasília: Presidência da República; Casa Civil; Subchefia para Assuntos Jurídicos. 2012. Recuperado em 09 de março de 2017 em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm.

Lins, R. N. (2012). O livro do amor. v. 2. Rio de Janeiro: Best Seller.

Lucena, K. D. T., et al. (2012). Análise espacial da violência doméstica contra a mulher entre os anos de 2002 e 2005 em João Pessoa, Paraíba, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 28(6), 1111-1121. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000600010

Machado, L. Z. (2010). Feminismo em Movimento. São Paulo: Francis.

Minayo, M. C. S. (2000). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo/Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco.

Minayo, M. S. C., Assis, S. G., & Njaine, K. (2011). Amor e violência: um paradoxo das relações de namoro e do ‘ficar’ entre jovens brasileiros. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Mizuno, C., Fraid, J. A., & Cassab, L. A. (2010). Violência contra a mulher: por que elas simplesmente não vão embora? In: Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas. GT 5. Gênero e Violência (pp. 16-23), Londrina.

Murta, S. G., Santos, B. R. P., Martins, C. P. S., & Oliveira, B. (2013). Prevenção primária à violência no namoro: uma revisão de literatura. Contextos Clínicos, 6(2), 117-131. https://dx.doi.org/10.4013/ctc.2013.62.05

Murta, S. G., Moore, R. A., Miranda, A. A. V., Cangussú, E. D. A., Santos, K. B., Bezerra, K. L. T., & Veras, L. G. (2016). Efeitos de um Programa de Prevenção à Violência no Namoro. Psico-USF, 21(2), 381-393. https://dx.doi.org/10.1590/1413-82712016210214

Pereira, R. C. B. R., Loreto, M. D. S., Teixeira, K. M. D., & Sousa, J. M. M. (2013). O fenômeno da violência patrimonial contra a mulher: percepções das vítimas. Revista Brasileira de Economia Doméstica, 24(1), 207-236. Recuperado em 07 de fevereiro de 2018, de http://www.seer.ufv.br/seer/oikos/index.php/httpwwwseerufvbrseeroikos/article/view/89/156

Randle, A. A., & Graham, C. A. (2011). A review of the vidence on the effects of intimate partner violence on men. Psychology of Men & Masculinity, 12(2), 97-111.http://dx.doi.org/10.1037/a0021944.

Rasera, E. F., & Guanaes, C. (2010). Momentos marcantes na construção da mudança em terapia familiar. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(2), 315-322. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000200013

Souza, T. M. C., & Sabini, K. (2015). Mas o que é o amor? Representações sociais em mulheres em contexto de violência doméstica. Perspectivas em psicologia, 9(1), 162 -178.

Souza, T. M. C., & Sousa, Y. L. (2015). Políticas públicas e violência contra a mulher: a realidade do sudoeste goiano. Revista da SPAGESP, 16(2), 59-74. Recuperado em 08 de fevereiro de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702015000200006&lng=pt&tlng=pt

Saffioti, H. I. B. (2004). Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Schleiniger, C. S., & Strey M. N. (2016). Violência & gênero nas relações afetivos-sexuais entre adolescentes: enfrentamento intersetorial. Recuperado em 07 de fevereiro de 2018, de http://ebooks.pucrs.br/edipucrs/anais/sipinf/edicoes/I/30.pdf

SENASP (2011). Rede Nacional de Educação à Distância para a Segurança Pública. Atendimento a mulheres em situação de violência doméstica. Mj/Senasp. Recuperado em 07 de fevereiro de 2018, de www.ead.senasp.gov.br

Souza, B. T. (2013). Reflexões sobre os aspectos sociais da violência doméstica contra a mulher. Trabalho de Conclusão de Curso, Curso de Serviço Social pela Universidade Federal Fluminense/Polo Universitário de Rio das Ostras, Rio das Ostras/RJ.

Vilhena, V. C. (2009). Pela voz das mulheres: uma análise da violência doméstica entre mulheres evangélicas atendidas no Núcleo de Defesa e Convivência da Mulher - Casa Sofia. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião). Universidade Metodista de São Paulo. Faculdade de Humanidades e Direito, São Paulo, 2009. Recuperado em 07 de fevereiro de 2018, de http://ibict.metodista.br/tedeSimplificado

Waiselfisz, J. J. (2015). Mapa da violência 2015: a cor dos homicídios no Brasil. ONU, Flacso, 2015.

Publicado
2018-10-15
Como Citar
Souza, T. M. C., Pascoaleto, T. E., & Mendonça, N. D. (2018). Violência contra mulher no namoro: percepções de jovens universitários. Revista Psicologia E Saúde, 10(3), 31-43. https://doi.org/10.20435/pssa.v10i3.695
Seção
Artigos