Cuidado em Liberdade, um Encontro Entre Paulo Freire e a Reforma Psiquiátrica

  • Ana Carolina Guimaraes UFMS
  • André Barciela Veras Universidade Católica Dom Bosco
  • Alessandro Diogo de Carli UFMS
Palavras-chave: reforma psiquiátrica, Paulo Freire, autonomia.

Resumo

O objetivo deste ensaio foi de apresentar as interseções entre a teoria de Paulo Freire e a Reforma Psiquiátrica brasileira, bem como sua aplicabilidade na estruturação de um trabalho clínico, que dê sustentabilidade aos preceitos desse movimento reformista. Fazemos ao longo do texto, um questionamento a respeito da operacionalização do cuidado em saúde, pautado na produção de liberdade, contraposto ao risco da execução de uma reforma superficial que não se diferencie subjetivamente da posição opressiva de segregação manicomial. Discutimos sobre a reorientação da atenção em saúde mental ancorada nos eixos da qualidade e humanização da assistência, bem como nas relações contratuais que se dão entre os trabalhadores e os usuários, adotando como referencial teórico, alguns aspectos práticos e conceituais da teoria Freireana.

Biografia do Autor

Ana Carolina Guimaraes, UFMS

Psiquiatra, Coordenadora de Saúde Mental do Município de Campo Grande – MS. Mestre, Programa de Pós-graduação stricto sensu em Saúde da Família, UFMS.

André Barciela Veras, Universidade Católica Dom Bosco

Professor Doutor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Saúde – UCDB.

Alessandro Diogo de Carli, UFMS

Professor Doutor da Faculdade de Odontologia - UFMS, disciplina de Saúde Coletiva; Coordenador do Programa de Pós-graduação stricto sensu em Saúde da Família, UFMS.

Referências

Amarante, P. (1995). New subjects; new rights: The debate about the psychiatric in Brazil. Cad. Saúde Pública, 11(3), 491-494.

Amarante, P. (1996). O homem e a serpente: Outras historias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

Amarante, P. (Coord.). (1998). Loucos pela vida: A trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

AMARANTE. P. (2011). Saúde mental e atenção psicossocial. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Bezerra Jr., B. (2007). Desafios da reforma psiquiátrica no Brasil. Physis, 17(2), 243-250.

Brasil. (2004). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: Os centros de atenção psicossocial. Brasília.

Brasil. (2008). Ministério da Saúde. Portaria n. 154, de 24 de janeiro de 2008 Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Brasilia.

Delgado, P. G. G. (Org.). (2007). Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Porto Alegre: Artmed.

Dias, M. K. (2011). A experiência social da psicose no contexto de um Centro de Atenção Psicossocial. Ciência & Saúde Coletiva. 16(4), 2155-2164.

Freire, P. (1976). Ação cultural para a libertação. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (1998). Política e pedagogia. Porto, Portugal: Porto Editora.

Freire, P. (2000). Pedagogia da indignação: Cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP.

Freire, P. (2001). Pedagogia da libertação. São Paulo: Villa das Letras.

Freire, P. (2014). Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra.

Freire-Costa, J. (1987). Consciência da doença como consciência do sintoma: A “doença dos nervos” e a identidade psicológica. Cadernos do IMS, 1, 4-44.

Furtado, J. P. (2006). Avaliação da situação atual dos Serviços Residenciais Terapêuticos no SUS. Ciência & Saúde Coletiva, 11( 3), 785-795.

Goulart, M. S. B. (1992). Ambulatórios de saúde mental em questão: Desafios do novo e reprodução de velhas fórmulas. (Dissertação de Mestrado em Sociologia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais).

Goulart, M. S. B. (1993). Equipe de saúde mental: A Torre de Babel da saúde pública. Cadernos de Psicologia, 1(2), 49-56.

Goulart, M. S. B (2006). A construção da mudança nas instituições sociais: A reforma psiquiátrica. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 1(1), 1-19.

Machado, R., Loureno, A. L. R., & Muricy, K (1978). Danação da norma: Medicinasocial e constituição da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Graal.

Merhy, E. E., Feuerwerker, L., & Gomes, M. P. C. (2010). Da repetição à diferença: construindo sentidos com o outro no mundo do cuidado. In T. B. Franco (Org.), Semiótica, afecção & cuidado em saúde (pp. 60-75). São Paulo: Hucitec.

Nicácio, M. F. de S. et al. (1990). Produzindo uma nova instituição em Saúde Mental. O Núcleo de Atenção Psicossocial. Santos, mimeo.

Oliveira, J.A. A., & Teixeira, S. M. F. (1985). (Im)previdência social: 60 anos de história da previdência no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes; Rio de Janeiro: ABRASCO.

Onocko Campos, R. T., Furtado, J. P., Passos, E., Ferrer, A. N., Miranda, L., & Gama, C. E. P (2009). Avaliação da rede de Centros de Atenção Psicossocial: entre a Saúde Coletiva e a Saúde Mental. Revista de Saúde Pública, 43(1), 16-22.

Ribeiro, A. M (2005). Uma reflexão psicanalítica acerca dos CAPS: Alguns aspectos éticos, técnicos e políticos. Psicologia USP, 16(4), 35-56.

Rotelli, F., Leonardis, O., Mauri D., Risio, C. (1990). Desinstitucionalização. São Paulo: Hucitec.

Publicado
2018-03-23
Como Citar
Guimaraes, A. C., Veras, A. B., & Carli, A. D. de. (2018). Cuidado em Liberdade, um Encontro Entre Paulo Freire e a Reforma Psiquiátrica. Revista Psicologia E Saúde, 10(1), 91-103. https://doi.org/10.20435/pssa.v10i1.696
Seção
Artigos