Profissionais de Saúde no Atendimento ao Usuário com Comportamento Suicida no Brasil: Revisão Sistemática

Palavras-chave: suicídio, tentativa de suicídio, profissionais da saúde, saúde mental

Resumo

O Brasil está entre os dez países com maior número absoluto de mortes por suicídio, o que indica urgência em lidar com este tema com as equipes de atenção à saúde. Por meio de busca nas bases de dados LILACS, MEDLINE, BDENF, Index Psicologia e PePSIC, objetivou-se realizar uma revisão sistemática, no período de 2008 a 2018, referente à produção nacional de artigos sobre os profissionais de saúde no atendimento à pessoa que realizou tentativa de suicídio. Foram encontrados dez artigos: três com profissionais na atenção primária à saúde, dois artigos em Centro de Atenção Psicossocial e cinco artigos em pontos de Urgência e Emergência (UPA e Hospital Geral). A leitura dos artigos possibilitou identificar as concepções, ações e dificuldades encontradas pelos profissionais. Concluiu-se que oferecer atendimento às pessoas que tentam o suicídio ainda é um desafio, o que exige preparação e formação continuada em saúde mental.

Biografia do Autor

Robertha Gabardo Stoppa, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP)

Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Atua como Psicóloga em um Centro de Atenção Psicossocial da Prefeitura Municipal de Curitiba-PR.

Ana Cláudia Nunes de Souza Wanderbroocke, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP)

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP).

Adriano Valério dos Santos Azevêdo, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP)

Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP).

Referências

Abreu, K. P., Kohlrausch, E. R., & Lima, M. A. D. S. (2008). Atendimento ao usuário com comportamento suicida: A visão dos Agentes Comunitários de Saúde. Online Brazilian Journal of Nursing, 7(3). Recuperado de http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/j.1676-4285.2008.1715/415

Associação Brasileira de Psiquiatria. (2014). Suicídio informando para prevenir. Brasília: CFM/ABP. Recuperado de https://www.cvv.org.br/wp-content/uploads/2017/05/suicidio_informado_para_prevenir_abp_2014.pdf

Bardin, L. (2002). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições.

Bertolote, J. M. (2012). O suicídio e sua prevenção. São Paulo: Unesp.

Botega, N. J. (2015). Crise suicida: Avaliação e manejo. Porto Alegre: Artmed.

Brás, M., Cruz, J. P., & Saraiva, C. B. (2014). Estratégias gerais de prevenção dos atos suicidas dos conceitos à prática clínica. In C. B. Saraiva, B. Peixoto, & D. Sampaio, Suicídio e comportamentos autolesivos (pp. 476-483). Lisboa: Lidel.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). Brasília, DF, Brasil. Recuperado de http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Brasil. (2014a). Ministério da Saúde. Portaria 1.276 (6 de junho). Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Brasília, DF: Brasil. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt1271_06_06_2014.html

Brasil. (2014b). Ministério da Saúde. Implantação das Redes de Atenção à Saúde e outras estratégias da SAS. Brasília, DF: Brasil. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/implantacao_redes_atencao_saude_sas.pdf

Carvalho, A. A. (2014). Plano nacional de prevenção do suicídio. In C. B. Saraiva, B. Peixoto, & D. Sampai,. Suicídio e comportamentos autolesivos dos conceitos à prática clínica (pp. 541-552). Lisboa: Lidel.

Cassorla, R. M. S. (1991). O que é suicídio. São Paulo: Brasiliense.

Cescon, L. F., Capozzolo, A. A., & Lima, L. C. (2018). Aproximações e distanciamentos ao suicídio: Analisadores de um serviço de atenção psicossocial. Saúde e Sociedade, 27(1), 185-200. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902018170376

Conte, M., Cruz, C. W., Silva, C. G., Castilho, A., & Nicolella. A. D. R. (2015). Encontros ou desencontros: Histórias de idosos que tentaram suicídio e a rede de Atenção Integral em Porto Alegre/RS, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 20(6), 1741-1749. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015206.02452015

De-la-Torre-Ugarte-Guanilo, M. C., Takahashi, R. F., & Bertolozzi, M. R. (2011). Revisão sistemática: Noções gerais. Revista Escola de Enfermagem, 45(5), 1260-1266. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n5/v45n5a33.pdf

Freitas, A. P. A., & Borges, L. M. (2014). Tentativas de suicídio e profissionais de saúde: significados possíveis. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 14(2), 560-577. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v14n2/v14n2a10.pdf

Gonçalves, P. I. E., Silva, R. A., & Ferreira, L. A. (2015). Comportamento suicida: Percepções e práticas de cuidado? Psicologia Hospitalar, 13(2), 64-87. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-74092015000200005

Heck, R. M., Kantorsku, L. P., Borges, A. M., Lopes, C. V., Santos, M. C., & Pinho, L. B. (2012). Ações dos profissionais de um centro de atenção psicossocial diante de usuário com tentativa e risco de suicídio. Texto Contexto Enfermagem, 21(1), 26-33. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n1/a03v21n1

Kohlrausch, E., Lima, M. A. D., Abreu, K. P., & Soares, J. S. F. (2008). Atendimento ao comportamento suicida: concepções de enfermeiras de unidades de saúde. Ciência Cuidado e Saúde, 7(4), 468-475. Recuperado de http://ojs.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/6628/3906

Krug, E. G., Dahlberg, J. A., Mercy, J. A., Zwi, A. B., & Lozano, R. (2002). Relatório mundial sobre violência e saúde. Genebra: Organização Mundial da Saúde. Recuperado de https://www.cevs.rs.gov.br/upload/arquivos/201706/14142032-relatorio-mundial-sobre-violencia-e-saude.pdf

Machin, R. (2009). Nem doente, nem vítima: O atendimento às lesões autoprovocadas nas emergências. Ciência & Saúde Coletiva, 14(5), 1741-1750. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000500015

Oliveira, T., Collarres, L. A., Noal, M. H. O., & Dias, A. C. G. (2016). Percepções de uma equipe de saúde mental sobre o comportamento suicida. Revista Interinstitucional de Psicologia, 9(1), 78-89. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-82202016000100007

Organização Mundial da Saúde. (2000). Prevenção do suicídio: Um manual para profissionais da saúde em atenção primária. Departamento de Saúde Mental. Genebra: OMS. Recuperado de http://www.who.int/mental_health/prevention/suicide/en/suicideprev_phc_port.pdf

Organização Mundial de Saúde. (2001). Saúde mental: Novas concepções, novas esperanças. Genebra: OMS. Recuperado de http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/42390/4/WHR_2001_por.pdf

Organização Mundial de Saúde. (2014). Prevención del suicidio: Un imperativo global. Departamento de Saúde Mental. Genebra: OMS. Recuperado de http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/136083/1/9789275318508_spa.pdf

Reisdorfer, N., Araújo, G. M., Hildebrandt, L. M., Gewehr, T. R., Nardino, J., & Leite, M. T. (2015). Suicídio na voz de profissionais de enfermagem e estratégias de intervenção diante do comportamento suicida. Revista de Enfermagem da UFSM, 5(2), 295-304. doi:http://dx.doi.org/10.5902/2179769216790

Schösser, A., Rosa, G. F. C., & Moré, C. L. O. O. (2014). Revisão: Comportamento suicida ao longo do ciclo vital. Temas em Psicologia, 22(1): 133-145. doi:http://dx.doi.org/10.9788/TP2014.1-11

Silvia, S. L., & Kohlrausch, E. R. (2016). Atendimento pré-hospitalar ao indivíduo com comportamento suicida: Uma revisão integrativa. Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog., 12(2), 108-115. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.1806-6976.v12i2p108-115

Storino, B. D., Campos, C. F., Chicata, L. C. O., Campos, M. A., Matos, M. S. C. , & Vidal, C. E. L. (2018). Atitudes de profissionais da saúde em relação ao comportamento suicida. Caderno Saúde Coletiva, 26(4): 369-377. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201800040191

Publicado
2021-02-26
Como Citar
Stoppa, R. G., Wanderbroocke, A. C. N. de S., & Azevêdo, A. V. dos S. (2021). Profissionais de Saúde no Atendimento ao Usuário com Comportamento Suicida no Brasil: Revisão Sistemática. Revista Psicologia E Saúde. https://doi.org/10.20435/pssa.vi.752
Seção
Artigos