As Percepções de Psicólogos em Relação ao Suicídio: Uma Pesquisa Qualitativa no Cenário Sul Catarinense

Palavras-chave: prática profissional, suicídio, prevenção

Resumo

O manejo profissional perante a ideação suicida é um desafio complexo e pouco explorado em pesquisas. As estatísticas brasileiras demonstram aumento na incidência e dificuldades nas estratégias de proteção. Diante disso e justificado pelo acordo brasileiro em criar um plano de redução de danos, este estudo tem como objetivo descrever as percepções e as especificidades de psicólogos no acompanhamento de risco de suicídio. Trata-se de um estudo qualitativo e exploratório, em que seis psicólogas com histórico de atendimentos ao fenômeno concederam entrevistas. Com base na análise de conteúdo de tais entrevistas, foram identificados três eixos de análise, a saber: impacto perante o suicídio − a experiência dos profissionais; o aprimoramento técnico-metodológico; e o compromisso ético de divulgação. Como considerações, destacam-se a necessidade de uma maior produção científica relacionada a essa temática, a fim de aperfeiçoar discussões, e as possibilidades de atuação em tal contexto.

Biografia do Autor

Vitor Apolinário Malgarezi, Escola Superior de Criciúma

Acadêmico de Psicologia.

Sílvia Batista von Borowski, Escola Superior de Criciúma - ESUCRI

Mestre em Psicologia Clínica pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), RS. MBA em Gestão Educacional e Docência do Ensino Superior. Psicóloga clínica.

Rousel Aparecida Zanoni Cesconetto, Escola Superior de Criciúma - ESUCRI.

Acadêmica de Psicologia.

Thaís Whachholz, Escola Superior de Criciúma - ESUCRI

Mestre em Educação pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UNESC). Docente do ensino superior. Psicóloga clínica.

Referências

Abreu, K. P., Lima, M. A. D. S., Kohlrausch, E., & Soares, J. F. (2010). Comportamento suicida: fatores de risco e intervenções preventivas. Revista Eletrônica de Enfermagem, 12(1), 195-200. Disponível em http://fen.ufg.br/revista/v12/n1/pdf/v12n1a24.pdf

Alves, M. A. G, & Cadete, M. M. M. (2015). Tentativa de suicídio infanto-juvenil: Lesão da parte ou do todo? Ciência & Saúde Coletiva, 20(1). Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232015000100075&script=sci_arttext&tlng=pt

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bertolote, J. M., Botega, N., & De Leo, D. (2011). Inequities in suicide prevention in Brazil. The Lancet, 378(9797). 1137. Disponível em https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(11)61502-X/fulltext

Botega, N. J. (2015). Crise suicida. Porto Alegre: Artmed.

Brasil. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da Saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, 1990 [e suas atualizações]. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm

Brasil. (2009). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Brasília: Ministério da Saúde. [Redes de produção de saúde. Série B. Textos Básicos de Saúde]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humaniza_sus_atencao_basica.pdf

Conselho Federal de Psicologia. (1997). Resolução n. 010, de 20 de outubro de 1997. Disponível em https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/1997/10/resolucao1997_10.pdf

Conselho Federal de Psicologia. (2005). Resolução n. 010, de 21 de julho de 2005. Código de Ética Profissional do Psicólogo. Disponível em https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf

Dimenstein, M. (2001). O psicólogo e o compromisso social no contexto da saúde coletiva. Psicologia em Estudo, 6(2), 57-63. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/%0D/pe/v6n2/v6n2a08.pdf

Fukumitsu, K. O. (2014). O psicoterapeuta diante do comportamento suicida. Psicologia USP, 25(3), 270-275. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pusp/v25n3/0103-6564-pusp-25-03-0270.pdf

Godim, D. S. M. A intervenção da Psicologia: Tentativas de suicídio e urgência hospitalar. (2015) Revista Científica da FMC, 10(2), 12-16. Disponível em http://www.fmc.br/wpcontent/uploads/2016/04/Rev-Cient-FMC-2-2015-12-16-1.pdf

Guareschi, N. M. de F., Reis, C., Machry, D. S., & Bennemann, T. (2009) A formação em Psicologia e o profissional da Saúde para o SUS (Sistema Único de Saúde). Arquivos Brasileiros de Psicologia, 61(3), 35-45. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672009000300005

Gutierrez, B. A. O. (2014). Assistência hospitalar na tentativa de suicídio. Psicologia UPS, 25(3), 262-269. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pusp/v25n3/0103-6564-pusp-25-03-0262.pdf

Heck, R. M., Kantorski, L. P., Borges, A. M., Lopes, C. V., Santos, M. C., & Pinho, L. B. (2012). Ação dos profissionais de um centro de atenção psicossocial diante de usuários com tentativa e risco de suicídio. Texto & Contexto - Enfermagem, 21(1), 26-33. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n1/a03v21n1

Macedo, M. M. K., & Werlang, B. S. G. (2007). Tentativa de Suicídio: O traumático via ato-dor. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(2) 185-194. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ptp/v23n2/a09v23n2.pdf

Matos, M. S., & Borowski, S. B. V. (2019). Vivências emocionais e estratégias de regulação emocional de psicólogos clínicos: Um estudo qualitativo. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 10(3), 160-180. Disponível em http://srv-009.uel.br/revistas/uel/index.php/eip/article/view/32047/26649

Nunes, F. D. D., Pinto, J. A. F., Lopes, M., Enes, C. L. E., & Botti, L. (2016). O fenômeno do suicídio entre os familiares sobreviventes: Revisão integrativa. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 15, 17-22. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1647-21602016000100003

Organização das Nações Unidas (2016). Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Disponível em http://www.itamaraty.gov.br/images/ed_desenvsust/20160119-ODS.pdf

Osmarin, M. S. A. (2015). Suicídio: O luto dos sobreviventes. Conselho Federal de Psicologia (pp. 45-58). Brasília: CFP. Disponível em http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0981.pdf

Pereira, M. C. S. (2008). O mundo contemporâneo e o compromisso de psicólogos com a definição de uma nova estética da vida social. In A. F. Silveira et al. (Orgs.), Cidadania e participação social (pp. 35-43). Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008. Disponível em http://books.scielo.org/id/hn3q6/pdf/silveira-9788599662885-04.pdf

Portella, C. H., Moretti, G. P., Rosa, M. I., Quevedo, J., & Simões, P. W. T. A. (2013). Epidemiological profile of suicide in the Santa Catarina Coal Mining Region from 1980 to 2007. Trends in Psychiatry and Psychotherapy, 35(2), 128-133. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-60892013000200006#correspondence

Ramos, I. N. B., & Falcão, E. B. M. (2011). Suicídio: Um tema pouco conhecido na formação médica. Revista Brasileira de Educação Médica, 35(4), 507-516. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ rbem/v35n4/a10v35n4.pdf

Reis, B. A. O., & Faro, A. (2016). A residência multiprofissional e a formação do psicólogo da saúde: Um relato de experiência. Revista Psicologia e Saúde, 8(1), 62-70. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-093X2016000100008

Routhes, I. A., Henriques, M. R., & Correia, R. S. (2013). Suicídio de um paciente: A experiência de médicos e psicólogos portugueses. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 31(2), 168-178. Disponível em https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S087090251300031X

Sampieri, R., Collado, C., & Lucio, M. P. (2013). Metodologia de pesquisa. Porto Alegre: Penso.

Scholosser, A., Rosa, G. F. C., & More, C. L. O. O. (2014). Revisão: Comportamento suicida ao longo do ciclo vital. Temas em Psicologia, 22(1), 133-145. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2014000100011

Sobrinho, A. T., & Campos, R. C. (2016). Percepção de acontecimentos de vida negativos, depressão e risco de suicídio em jovens adultos. Análise Psicológica, 34(1), 47-59. doi: http://dx.doi.org/10.14417/ap.1061

Vidal, C. E. L., & Gontijo, E. D. (2013). Tentativas de suicídio e o acolhimento nos serviços de urgência: A percepção de quem tenta. Cadernos Saúde Coletiva, 21(2), 108-114. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-462X2013000200002&script=sci_abstract&tlng=pt

World Health Organization. (2012). Public health action for the prevention of suicide: A framework. Disponível em https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/75166/9789241503570_eng.pdf;jsessionid=D51F94C2984ECAB0416C458BE4865B73?sequence=1

World Health Organization (2013). Mental Health Action Plan 2013-2020. Disponível em http://www.mhinnovation.net/sites/default/files/downloads/resource/MHAP.pdf

Zana, A. R. O.; Kovacs, M. J. (2013). O psicólogo e o atendimento a pacientes com ideação ou tentativa de suicídio. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 13(3), 897-921. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1808-42812013000300006

Publicado
2019-06-11
Seção
Relatos de pesquisa