Representações Sociais do Processo de Diagnóstico e Cura da Hanseníase

Palavras-chave: hanseníase, psicologia social, percepção social

Resumo

Este estudo descritivo do tipo transversal objetivou identificar as representações sociais do processo de diagnóstico e cura da hanseníase em dois territórios com diferentes índices de detecção da doença. O software R possibilitou a identificação do núcleo da representação, sendo os elementos mais citados pelos participantes: Contagiosa, Cura, Doença de Pele, Lepra, Mancha, Tratamento. Conclui-se que as representações sociais que os indivíduos têm em relação à hanseníase, quando envoltas em estigmas e preconceitos sobre a doença, retardam a busca por ajuda médica, ocasionando atraso do correto diagnóstico e início do tratamento. Além disso, as incapacidades físicas decorrentes do diagnóstico tardio podem gerar comportamentos preconceituosos, que refletem o conhecimento popular arcaico e crendices arraigadas no que concerne ao contágio da doença. Tais comportamentos preconceituosos com relação à hanseníase estão na base de suas representações, levantando o isolamento dos doentes e a dificuldade relacionada ao diagnóstico, tratamento e cura.

Biografia do Autor

Leonardo Oliveira Leão e Silva, Universidade Vale do Rio Doce

Enfermeiro. Doutor em Saúde Coletiva. Professor adjunto do curso de Medicina da Universidade Vale do Rio Doce.

Suely Maria Rodrigues, Universidade Vale do Rio Doce

Cirurgiã dentista. Doutora em Saúde Coletiva. Coordenadora do curso de mestrado em Gestão Integrada do Território da Universidade Vale do Rio Doce.

Marileny Boechat Frauches Brandão, Universidade Vale do Rio Doce

Cirurgiã dentista. Doutora em Odontologia. Professora adjunta do Curso de Odontologia da Universidade Vale do Rio Doce.

Carlos Alberto Dias, Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e do Mucuri

Psicólogo. Doutor em Psicologia. Professor adjunto do Curso de Turismo da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e do Mucuri.

Elaine Toledo Pitanga Fernandes, Universidade Vale do Rio Doce

Cirurgiã dentista. Doutora em Saúde Coletiva. Professora adjunta do Curso de Odontologia da Universidade Vale do Rio Doce.

Referências

Baialardi, K. S. (2007). O estigma da hanseníase: Relato de uma experiência em grupo com pessoas portadoras. Hansenologia Internationalis, 32(1), 27-36. Disponível em http://www.ilsl.br/revista/imageBank/301-862-1-PB.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2017). Brasília: Guia prático sobre a hanseníase. Disponível em http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/22/Guia-Pratico-de-Hanseniase-WEB.pdf

Castro, S. M. S., & Watanabe, H. A. W. (2009). Isolamento compulsório de portadores de hanseníase: Memória de idosos. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 16(2), 449-487. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v16n2/11.pdf

Datasus. (2018). Hanseníase. Brasília. Disponível em http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/dhdat.exe?hanseniase/hantfbr18.def

Datasus. (2013). Projeção da população do Brasil por sexo e idade simples para 2013. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em http://tabnet.datasus.gov.br

Eidt, L. M. (2004). Breve história da hanseníase: Sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na saúde pública brasileira. Saúde e Sociedade, 13(2), 76-88. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v13n2/08.pdf

Feliciano, K. V. O., Kovacs, M. H., Sevilla, E., & Alzate, A. (1998). Percepción de la lepra y las discapacidades antes del diagnóstico en Recife, Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, 3(5), 293-302. Disponível em https://scielosp.org/pdf/rpsp/1998.v3n5/293-302/es

Fleck, M. P. (2008). A avaliação de qualidade de vida: Guia para profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed.

Lana, F. C. F., Carvalho, A. P. M., Davi, R. F. L., & Davi, R. F. L. (2011). Perfil epidemiológico da hanseníase na microrregião de Araçuaí e sua relação com ações de controle. Escola Anna Nery, 15(1), 62-67. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ean/v15n1/09.pdf

Leão e Silva, L. O., Dias, C. A., Rodrigues, S. M., Soares, M. M., Oliveira, M. A., & Machado, C. J. (2013). Hipertensão Arterial Sistêmica: Representações Sociais de idosos sobre a doença e seu tratamento. Cadernos Saúde Coletiva, 21(2), 121-128. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v21n2/04.pdf

Machado, L. B., & Aniceto, R. A. (2010). Núcleo central e periferia das representações sociais de ciclos de aprendizagem entre professores. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 18(67), 345-364. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v18n67/a09v1867.pdf

Machado, M. F. A. S., Monteiro, E. M. L. M., Queiroz, D. T., Vieira, N. F. C., & Barroso, M. G. T. (2007). Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: Uma revisão conceitual. Ciência & Saúde Coletiva, 12(02), 335-342. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csc/v12n2/a09v12n2.pdf

Maia, M. A. C., Alves, A., Oliveira, R., & Barbosa, L. M. (2000). Conhecimento da equipe de enfermagem e trabalhadores braçais sobre hanseníase. Hanseníase Internationalis, 25(1), 26-30. Disponível em http://www.ilsl.br/revista/detalhe_artigo.php?id=10573&texto=portugues

Martins, P. V., & Iriart, J. A. B. (2014). Itinerários terapêuticos de pacientes com diagnóstico de hanseníase em Salvador, Bahia. Physis, 24(1), 273-289. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/physis/v24n1/0103-7331-physis-24-01-00273.pdf

Miranda, C. P., SILVA, J. C., DUARTE, L. M. C. P. S., SILVA, T. G. F., & SILVA, T. M. S. (2010). Informações acerca da hanseníase aos escolares do ensino fundamental nas escolas do bairro de Passagem de Areia, em Parnamirim/RN. Extensão e Sociedade, 1(2). Disponível em https://periodicos.ufrn.br/extensaoesociedade/article/view/872/804

Morais, J. P., Torritezi, K., Silva, T. A. A. S., & Martin, Y. C. (2009). Visão da população do Município de São Paulo quanto à ocorrência da hanseníase e seu comportamento para a prevenção. Revista do Instituto de Ciências da Saúde, 27(3), 201-215. Disponível em http://files.bvs.br/upload/S/0104-1894/2009/v27n3/a001.pdf

Moreira, A. J., Naves, J. M., Fernandes, L. F. R. M., Castro, S. S., & Walsh, I. A. P. (2014). Ação educativa sobre hanseníase na população usuária das unidades básicas de saúde de Uberaba-MG. Saúde em Debate, 38(101), 234-243. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v38n101/0103-1104-sdeb-38-101-0234.pdf

Organização Mundial de Saúde. (2014). Global leprosy update 2013; reducing disease burden. Weekly Epidemiological Report, 89(36), 389-400. Disponível em http://www.who.int/wer/2014/wer8936.pdf

Palmeira, I. P., Queiroz, A. B. A, & Ferreira, M. A. (2014). Quando o preconceito marca mais que a doença. Tempus, Actas de Saúde Coletiva, 6(3), 53-66. Disponível em http://www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/1163/1062

Pereira, S. V. M., Bachion, M. M., Souza, A. G. C., & Vieira, S. M. S. (2008). Avaliação da Hanseníase: Relato de experiência de acadêmicos de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 61(spe), 774-780. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/reben/v61nspe/a20v61esp.pdf

Rey, F. L. G. (2006). As representações sociais como produção subjetiva: Seu impacto na hipertensão e no câncer. Psicologia: Teoria e Prática, 8(2), 69-85. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v8n2/v8n2a05.pdf

Ribeiro, M. D. A., Oliveira, S. B., & Filgueiras, M. C. (2015). Pós-alta em hanseníase: Uma revisão sobre qualidade de vida e conceito de cura. Saúde (Santa Maria), 41(1), 09-18. Disponível em https://periodicos.ufsm.br/revistasaude/article/view/8692/pdf. doi: http://dx.doi.org/10.5902/223658348692

Ribeiro, M. D. A., Silva, J. C. A., & Oliveira, S. B. (2018). Estudo epidemiológico da hanseníase no Brasil: Reflexão sobre as metas de eliminação. Revista Panamericana de Salud Pública, 42, 1-6. Disponível em https://scielosp.org/pdf/rpsp/2018.v42/e42/pt

Santos, K. S., Fortuna, C. M., Santana, F. R.; Gonçalves, M. F. C., Marciano, F. M., & Matumoto, S. (2015). Significado da hanseníase para pessoas que viveram o tratamento no período sulfônico e da poliquimioterapia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 23(4), 620-627. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n4/pt_0104-1169-rlae-23-04-00620.pdf

Sevalho, G. (1993). Uma abordagem histórica das representações sociais de saúde e doença. Cadernos de Saúde Pública, 9(3), 349-363. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csp/v9n3/22.pdf

Villela, E. F. M., & Almeida, M. A. (2013). Representações sociais sobre dengue: Reflexões sobre a mediação da informação em saúde pública. Saúde e Sociedade, 22(1), 124-37. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v22n1/12.pdf

Publicado
2019-06-11
Seção
Artigos