Dor que Fala, Dor que Cala: Sentidos da Dor Para Usuários da Atenção Primária

Palavras-chave: dor, atenção primária à saúde, sofrimento humano

Resumo

Introdução: A dor pode ter origem cognitiva, fisiológica, comportamental, bem como pode estar associada a fatores culturais e educacionais na percepção da dor. Objetivo: Compreender os sentidos atribuídos à dor por pacientes da atenção primária à saúde. Método: Estudo qualitativo. Foram recrutados 20 pacientes com idade entre 30 e 65 anos que se queixavam de dor. Realizamos entrevistas individuais usando questões norteadoras. A análise foi realizada por meio do mapa de associação de ideias. Resultados e discussão: As categorias identificadas foram: dor como experiência singular e recursos para alívio da dor. Os participantes revelaram nas narrativas: as mulheres falam da dor de forma indiferenciada, difusa e inominável; já nos homens a dor é palpável, mensurável e objetiva. Os recursos utilizados pelas mulheres para aliviar a dor são os psicofármacos e os homens utilizam o autocontrole da vida cotidiana. Conclusão: É importante que os profissionais sejam mais sensíveis às pessoas e aos significados que elas atribuem à sua dor e às suas reais necessidades. Todavia, vale ressaltar que, em uma situação em que a mente não aceita a dor e conflitos, para ambos os sexos, o corpo responderá de forma e sentidos implacáveis explicitados na fala ou no silêncio.

Biografia do Autor

Josenaide Engracia Santos, Universidade de Brasília (UNB)

Doutorado em Ciências da Saúde. Mestrado em Saúde Coletiva. Graduação em Terapia Ocupacional e Psicologia. Professora adjunta da Universidade de Brasília (UnB). Coordenadora do projeto de pesquisa sobre o Programa Mais Médicos, com financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), do projeto de pesquisa de Saúde Integral de Atendimentos a Famílias Carentes de Ceilândia, coordena a Liga de Saúde da Família e Comunidade. Coordena pesquisa sobre Sofrimento Psíquico de Pretos e Pretas do Sol Nascente.

Rozemere Cardoso Souza, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Doutorado e mestrado em Enfermagem Psiquiátrica pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP). Graduação em Enfermagem. Líder do Grupo de Pesquisa em Saúde Mental e coordenadora adjunta do Centro Regional de Referência para Formação Permanente de Profissionais para o Enfrentamento do Crack e Outras Drogas, da Universidade Estadual de Santa Cruz (CRR/UESC). Professora titular (plena) da UESC.

Referências

Angerami-Camon, V. A. (Org.). (2012). Psicossomática e a psicologia da dor (2. ed). São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Arruda, C. A. M., & Bosi, M. L. M. (2017). Satisfação de usuários da atenção primária à saúde: Um estudo qualitativo no Nordeste do Brasil. Interface, 21(61), 321-332. doi: 10.1590/1807-57622015.0479

Augusto, C. A., Souza, J. P., Dellagnelo, E. H. L., & Cario, S. A. F., (2013). Pesquisa qualitativa: Rigor metodológico no tratamento da teoria dos custos de transação em artigos apresentados nos congressos da Sober (2007-2011). Revista de Economia e Sociologia Rural, 51(4), 745-764. doi:https://doi.org/10.1590/S0103-20032013000400007

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Resolução CNS n. 466 (12 de dezembro). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Bueno-Gómez, N. (2017). Conceptualizing suffering and pain. Philos Ethics Humanit Med, 12(7). doi:https://doi.org/10.1590/10.1186/s13010-017-0049-5

Fleming, M. (2003). Dor sem nome: Pensar o sofrimento. Porto, Portugal: Afrontamento.

Fonseca, M. L. G. (2006). Sofrimento difuso nas classes populares no Brasil: Uma revisão da perspectiva do nervoso. In Vasconcelos, E. M. (Org.), Abordagens psicossociais (Vol. 2, Reforma psiquiátrica e saúde mental na ótica (pp. 171-223). São Paulo: Hucitec.

Giordano, J. (2008). Maldynia: Chronic pain as illness, and the need for complementarity in pain care. Forsch Komplementmed, 15(5), 277-281. doi:https://doi.org/10.1159/000158572

Gomes, R., Nascimento, E. F., & Araújo, F. C. (2007). Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cadernos de Saúde Pública, 23(3), 565-574. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/csp/v23n3/15.pdf

Leão, M. C. S. (2002). A dor como metáfora da unidade: O diálogo analítico entre o corpo e a psique (Dissertação, Departamento de Psicologia, Centro de Teologia e Ciências Humanas, Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE, Brasil). Recuperado de http://tede2.unicap.br:8080/handle/tede/166

Mendes, E. V. (2012). O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: O imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Milos, V., Rekman, E., Bondesson, A., Eriksson, T., Jakobsson, U., Westerlund, T., & Midlöv, P. (2013). Improving the quality of pharmacotherapy in elderly primary care patients through medication reviews: A randomised controlled study. Drugs Aging, 30, 235-246. doi:https://doi.org/10.1007/s40266-013-0057-0

Moura, D. C. N., Pinto, J. R., Martins, P., Pedrosa, K. A., Carneiro, M. G. D. (2016). Uso abusivo de psicotrópicos pela demanda da estratégia saúde da família: Revisão integrativa da literatura. Sanare, 15(2), 136-144. Recuperado de https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1048

Pinheiro, O. G. (2013). Entrevista: Uma prática discursiva. In Spink, M. J. (Org.), Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: Aproximação teóricas e metodológicas (pp. 156-187). São Paulo: Cortez. doi:https://doi.org/10.1590/S1413-1232013001100019

Rocha, B. S., & Werlang, M. C. (2013). Psicofármacos na Estratégia Saúde da Família: Perfil de utilização, acesso e estratégias para a promoção do uso racional. Ciência & Saúde Coletiva, 18(11), 3291-3300. doi:http://doi.org/10.1590/S1413-81232013001100019

Ruviaro, L. F., & Filippin, L. I. (2012). Prevalência de dor crônica em uma Unidade Básica de Saúde de cidade de médio porte. Revista Dor, 13(2), 128-131. doi:https://doi.org/10.1590/S1806-00132012000200006

Schraiber, L. B., Figueiredo, W. S., Gomes, R., Couto, M. T., Pinheiro, T. F., Machin, R., Silva, G. S. N., & Valença, O. (2010). Necessidade de saúde e masculinidades: Atenção primária no cuidado aos homens. Cadernos de Saúde Pública, 26(5), 961-70. Recuperado de https://scielosp.org/pdf/csp/2010.v26n5/961-970/pt

Siqueira, J. T. (2013). A dor dos brasileiros: Discutindo o uso de opioide no tratamento da dor no Brasil. Revista Dor, 14(4), 237-238. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rdor/v14n4/en_v14n4a01.pdf

Spink, M. J. P. (2013). Linguagem e produção de sentidos no cotidiano. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Spink, M. J. P., & Lima, H. (2013). Rigor e visibilidade: A explicitação dos passos da interpretação. In M. J. P. Spink (Org.), Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: Aproximações teóricas e metodológicas (pp. 93-122). Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Spink, M. J. P., & Medrado, B. (2013). Produção de sentidos no cotidiano. In M. J. P. Spink, Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: Aproximações teóricas e metodológicas (pp. 22-41). Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Takadoro, D. C. (2012). Transtornos mentais na atenção primária: Uma reflexão sobre a necessidade de organizar e acolher a demanda dos usuários do SUS (Monografia, Universidade Federal de Minas Gerais, Uberaba, MG, Brasil). Recuperado de http://hdl.handle.net/1843/BUBD-9DEDXA

Tesser, C. D. (2006). Medicalização social (I): O excessivo sucesso do epistemicídio moderno na saúde. Interface, 10(19), 61-76. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/icse/v10n19/a05v1019.pdf

Vidal, C. E. L., Yañez, B. de F. P., Chaves, C. V. S., Yañez, C. de F. P., Michalaros, I. A., & Almeida, L. A. S. (2013). Transtornos mentais comuns e uso de psicofármacos em mulheres. Cadernos de Saúde Coletiva, 24(4), 457-464. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v21n4/v21n4a15.pdf

Von Korff, M., Dworkin, S. F., & Le Resche, L. (1990). Graded chronic pain status: An epidemiologic evaluation. Pain, 40(3), 279-291. doi:https://doi.org/10.1016/0304-3959(90)91125-3

Publicado
2021-08-03
Como Citar
Santos, J. E., & Souza, R. C. (2021). Dor que Fala, Dor que Cala: Sentidos da Dor Para Usuários da Atenção Primária. Revista Psicologia E Saúde, 13(1), 125-139. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i1.893
Seção
Artigos