População em Situação de Rua: Trabalho em Equipe e Intersetorial

Palavras-chave: pessoas em situação de rua, serviços de saúde pública, serviços sociais, intersetorialidade

Resumo

Este artigo tem por objetivo discutir o trabalho em equipe e intersetorial nas políticas sociais, na área da Saúde e Assistência Social, que assistem à População em Situação de Rua. A pesquisa empreendida é de natureza qualitativa. Para produção de dados, fez-se uso de entrevista semiestruturada, observação no cotidiano dos serviços e diário de campo. Participaram do estudo 15 profissionais integrantes das equipes dos serviços especializados na assistência à População em Situação de Rua, sendo cinco do Consultório na Rua e 10 do Centro Especializado para População em Situação de Rua. O perfil do público assistido, composto por necessidades complexas e que se estendem aos diversos núcleos profissionais e políticas setoriais, exige outras nuances ao fazer profissional: a imperatividade do trabalho em equipe e intersetorial. Embora imprescindível, tal perspectiva de trabalho colaborativo e em rede enfrenta desafios que comprometem a resolutividade e qualidade da assistência prestada.

Biografia do Autor

João Paulo Macedo, Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar)

Doutor e mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Psicólogo pela Faculdade Santo Agostinho (FSA). Professor associado da Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar), vinculado ao Curso de Psicologia, e aos Programas de Pós-Graduação em Psicologia da UFDPar e da Universidade Federal do Ceará (UFC). Bolsista de Produtividade CNPq.

Adrielly Pereira de Sousa, Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar)

Mestre em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Bolsista CAPES. Psicóloga Clínica com atuação em consultório particular, e como voluntária do Centro de Atenção Psicossocial Arthur Bispo do Rosário, DF.

Andressa Veras de Carvalho, Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar)

Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Psicóloga.

Referências

Almeida, M. C. P., & Mishima, S. M. (2001). O desafio do trabalho em equipe na atenção à Saúde da Família: construindo “novas autonomias” no trabalho. Interface, 5 (9), 50-53. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v5n9/12.pdf

Barata, R. B., Junior, N. C., Ribeiro, M. C., & Silveira, C. (2015). Desigualdade social em saúde na população em situação de rua na cidade de São Paulo. Saúde Soc. 24 (supl.1), 219-232. doi: 10.1590/S0104-12902015S01019.

Brasil (2008). Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria de avaliação e Gestão da Informação.

Brasil (2009). Decreto nº 7.053, 23 de dezembro de 2009. Brasília: Presidência da República.

Brasil (2010). Lei n. 12.228, de 20 de julho de 2010. Brasília: Presidência da República.

Brasil (2011a). Orientações Técnicas: Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua – Centro Pop. Brasília: Secretaria Nacional de Renda e Cidadania. Secretaria Nacional de Assistência Social. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Brasil. (2011b). Portaria nº 940, de 28 de abril de 2011. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2012). Portaria nª122, de 25 de janeiro de 2012. Brasília: Ministério da Saúde.

Campos, G. W. S. (2000). Saúde pública e saúde coletiva: campo e núcleo de saberes e práticas. Ciência & Saúde Coletiva, 5 (2), 219-230. doi: 10.1590/S1413-81232000000200002.

Ferro, M. C. T. (2012). Política Nacional para a População em Situação de Rua: o protagonismo dos invisibilizados. Revista Direitos Humanos, 08, 35-40. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Inojosa, R. M. (2001). Sinergia em políticas e serviços públicos: desenvolvimento social com intersetorialidade. Cadernos Fundap, 22, 102-11.

Merhy, E. E. (2002). Cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec.

Minhoto, L. D., & Martins, C. E. (2001). As redes e o desenvolvimento social. Cadernos Fundap, 22, 81-101.

Minayo, M.C.S. (2006). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Mioto, R. C. T., & Schutz, F. (2011). Intersetorialidade na política social: reflexões a partir do exercício profissional dos assistentes sociais. Pelotas: Diprosul.

Monnerat, G. L., & Souza, R. G. (2009). Política social e intersetorialidade: consensos teóricos e desafios práticos. SER Social, 12 (26), 200-220. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/article/view/12708

Mota, A. E. (2008). A centralidade da assistência social na Seguridade Social brasileira nos anos 2000. In A. E. Mota (Org.). O mito da assistência social: ensaios sobre Estado, política e sociedade (pp. 133-145). São Paulo: Cortez.

Pereira, A. P. P. (2014). A intersetorialidade e políticas sociais na perspectiva dialética. In G. L. Monnerat, N. L. T. Almeida, R. G. Souza (Orgs.). A intersetorialidade na agenda das políticas públicas (pp. 21-38). Campinas: Papel Social.

Pereira, K. Y. L. (2016). Descentralização, Intersetorialidade e Interdisciplinaridade: Elementos para Nova Gestão e Operacionalização da Política de Assistência Social. In S. M. Teixeira (Org.). Política de Assistência Social e temas correlatos (pp.113-130). Campinas-SP: Papel Social.

Pinho, M. C. G. (2006). Trabalho em equipe: limites e possibilidades de atuação eficaz. Ciência e Cognição, 08, 68-87. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/582/364

Schutz, F., & Mioto, R. C. S. (2010). Intersetorialidade e política social: subsídios para o debate. Sociedade em Debate, 16 (1), 59-75. Disponível em http://revistas.ucpel.tche.br/index.php/rsd/article/view/337/295

Silva, M. L. L. (2006). Mudanças recentes no mundo do trabalho e o fenômeno população em situação de rua no Brasil 1995-2005 (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Silva, C. S., Cruz, M. M., & Vargas, E. P. (2015). Práticas de cuidado e população em situação de rua: o caso do Consultório na Rua. Saúde Debate, 39 (especial), 246-256. doi: 10.5935/0103-1104.2015S005270.

Secretaria Municipal de Trabalho, Cidadania e Assistência Social (2014). Diagnóstico da População em situação de Rua em Teresina-PI. Teresina: Secretaria Municipal de Trabalho, Cidadania e Assistência Social.

Sousa, A. P. (2014). Rua, o meu lugar. A população em situação de rua em Parnaíba- PI. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal do Piauí, Parnaíba, PI.

Spink, M. J. P. (2007). Pesquisando no cotidiano: recuperando memórias de pesquisa em psicologia social. Psicologia & Sociedade, 19 (1), 7-14. doi: 10.1590/S0102-71822007000100002.

Yamamoto, O. H. (2007). Políticas Sociais, “terceiro setor” e “compromisso social”: perspectiva e limites do trabalho do psicólogo. Psicologia e Sociedade, 19 (1), 30-37. doi: 10.1590/S0102-71822007000100005.

Zaluar, A. (1995). Comentários dos assessores sobre o perfil da população de rua. In C. M. M. Rosa (Org.). População de rua: Brasil e Canadá. São Paulo: Hucitec.

Publicado
2021-02-26
Seção
Relatos de pesquisa