Representações Sociais e Doenças Crônicas no Contexto Familiar: Revisão Integrativa

Palavras-chave: doenças crônicas, família, representações sociais

Resumo

Este trabalho consiste em uma revisão integrativa da literatura baseada na análise dos dados de artigos científicos que abordam doenças crônicas, não incluindo as transmissíveis, no contexto familiar, a partir da perspectiva das representações sociais, com foco em trabalhos cujos participantes foram os pacientes ou cuidadores/familiares. Foram analisadas as seções Resultados e Considerações dos artigos publicados entre os anos de 2007 e 2017, nas bases de dados PEPSIC, LILACS e SciELO, resultando em uma amostra de 18 artigos. Realizou-se a caracterização dos artigos, e os dados textuais foram submetidos à Classificação Hierárquica Descendente e Análise de Similitude, utilizando o software IraMuTeQ. Os conteúdos foram organizados em classes denominadas: Adoecimento como Processo Social; Vivência Psicoemocional; Contexto de Informação e Educação em Saúde; Limitações Impostas pela Doença e Apoio Social; e Rotinas de Cuidado Necessárias. Tais classes se organizam em redes de sentido centralizadas no elemento Cuidado, indicando a relação direta desse fenômeno com os processos de ajustamento necessários ao sistema familiar.

Palavras-chave: doenças crônicas; família; representações sociais.

Biografia do Autor

Jean Paulo da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutorando e mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduado em Psicologia pela Faculdade Metropolitana de Guaramirim (FAMEG). Atualmente é Professor do curso de Psicologia do Centro Universitário Leonardo da Vinci (UNIVINCI).

Maria Aparecida Crepaldi, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutora em Saúde Mental pela Universidade Estadual de Campinas. Mestra em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Especialização em Psicologia Clínica Infantil pelo Hospital das Clínicas da FMRP-USP e em Terapia Familiar e de Casal pelo Instituto de Terapia Familiar de São Paulo – ITF e Association Parisiènne de Recherche et Thérapie Familiale – APRTF França. Especialista em Psicologia Clínica e Psicologia Hospitalar (CFP). Graduada em Psicologia pela Universidade de São Paulo - USP. Atualmente é Professora do programa de pós-graduação em Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Andréa Barbará da Silva Bousfield, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutora e Mestra em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduada em Psicologia pela Universidade Católica de Pelotas. Atualmente é Professora do programa de pós-graduação em Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Referências

Aprahamian, I., Martinelli, J. E., & Yassuda, M. S. (2009). Doença de Alzheimer: Uma revisão da epidemiologia e diagnóstico. Revista Brasileira de Clínica Médica, 7, 27-35. Recuperado de http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2009/v7n1/a27-35.pdf

Brito, E. S., & Rabinovich, E. P. (2008a). A família também adoece!: Mudanças secundárias à ocorrência de um acidente vascular encefálico na família. Interface Comunicação, Saúde e Educação, 12(27), 783-794. doi:https://doi.org/10.1590/S1414-32832008000400009

Brito, E. S., & Rabinovich, E. P. (2008b). Desarrumou tudo! O impacto do acidente vascular encefálico na família. Saúde e Sociedade, 17(2), 153-169. doi:https://doi.org/10.1590/S0104-12902008000200015

Carter, B., & McGoldrick, M. As mudanças no ciclo familiar: Uma estrutura para a terapia familiar (2a ed.). Porto Alegre: Artmed, 1995.

Cerveny, C. M. O., & Berthoud, C. M. E. (2002). Visitando a família ao longo do ciclo vital. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Cerveny, C. M. O. (2011). A família como modelo: Desconstruindo a patologia (2a ed.). São Paulo: Livro Pleno.

Costa e Silva, M. E. D., Barbosa, L. D. C. S., Oliveira, A. D. S., Gouveia, M. T. O., Nunes, B. M. V. T., & Alves, E. L. M. (2008). As representações sociais de mulheres portadoras de hipertensão arterial. Revista Brasileira de Enfermagem, 61(4), 500-507. doi:https://doi.org/10.1590/S0034-71672008000400017

Dessen, M. A. (1997). Desenvolvimento familiar: Transição de um sistema triádico para poliádico. Temas em Psicologia, 5(3), 51-61. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1997000300006

Ferlay, J., Soerjomataram, I., Dikshit, R., Eser, S., Mathers, C., Rebelo, M., . . . Bray, F. (2015). Cancer incidence and mortality worldwide: Sources, methods and major patterns in GLOBOCAN 2012. International Journal of Cancer, 136(5), 359-386. doi:https://doi.org/10.1002/ijc.29210

Freitas, M., & Mendes, M. (2007). Condição crônica: Análise do conceito no contexto da saúde do adulto. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 15(4), 590-597. doi:https://doi.org/10.1590/S0104-11692007000400011

Guedes, M. V. C., Araújo, T. L., Lopes, M. V. O., Silva, L. F., Freitas, M. C., & Almeida, P. C. (2011). Barreiras ao enfrentamento da hipertensão arterial. Revista Brasileira de Enfermagem, 64(6), 1038-1042. doi:https://www.doi.org/ 10.1590/S0034-71672011000600008

Guimarães, S. P., & Campos, P. H. F. (2007). Norma social violenta: Um estudo de representações sociais da violência em adolescentes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(2), 188-196. doi:https://www.doi.org/10.1590/S0102-79722007000200003

Heymann, R. E., Paiva, E. S., Martinez, J. E., Helfenstein Jr, M., Rezende, M. C., Provenza, J. R., . . . Souza, E. J. R. (2017). New guidelines for the diagnosis of fibromyalgia. Revista Brasileira de Reumatologia, 57(2), 467-476. doi:https://www.doi.org/10.1016/j.rbre.2017.07.002

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. (2017). Estimativa 2018: Incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA.

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: Um domínio em expansão. In D. Jodelet (Org.), As representações sociais (pp. 17-44). Rio de Janeiro: EdUERJ.

Lahlou, S. (2012). Text mining methods: An answer to Chartier e Meunier. Papers on Social Representations, 20(38), 1-7.

Lotufo, P. A. (2005). Why Brazil does not have a epidemic of chronic diseases: Some answers from cardiovascular diseases. São Paulo Medical Journal, 123(2), 47-48. doi: https://www.doi.org/10.1590/S1516-31802005000200001

Mendes, E. V. (2012). O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: O imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: Método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, 17(4), 758-764. doi:https://www.doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

Minuchin, S. (1982). Famílias: Funcionamento e tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Moscovici, S. (2012). A psicanálise: Sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes.

Moscovici, S. (1982). On social representation. In: J. P. Forgas (Org.), Social Cognition. London: Academic Press.

Moscovici, S. (2003). Representações sociais: Investigação em psicologia social. Petrópolis: Vozes.

Neiva, E. R., & Mauro, T. G. (2011). Atitudes e mudança de atitudes. In E. R. Neiva & C. V. Torres (Orgs.), Psicologia Social: Principais temas e vertentes (pp. 171-203). Porto Alegre: Artmed.

Organização Mundial da Saúde. (2002). Cuidados inovadores para condições crônicas: Componentes estruturais de ação (Relatório Mundial). Brasília: Organização Mundial da Saúde.

Palacios-Espinosa, X., Gonzáles, M. I., Zani, B. (2015). Las representaciones sociales del cáncer y de la quimioterapia en la família del paciente oncológico. Avances em Psicología Latinoamericana, 33(3), 497-515. doi:https://doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/apl/a.3287

Ratinaud, P., & Marchand, P. (2012). Application de la méthode ALCESTE à de “gros” corpus et stabilité de “mondes lexicaux”: Analyse du “CableGate” avec IraMuTeQ. In Journées Internationales d’Analyse Statistique des Données Textualles. (pp. 835-844). Liège: Journées Internationales d’Analyse Statistique des Données Textualles. Recuperado de http://lexicometrica.univ-paris3.fr/jadt/jadt2012/Communications/Ratinaud,%20Pierre%20et%20al.%20-%20Application%20de%20la%20methode%20Alceste.pdf

Ribeiro, A. G., Cotta, R. M. M., Ribeiro, S. M. R., Dias, C. M. G. C., & Araújo, R. M. A. (2011). Representações sociais de mulheres portadoras de hipertensão arterial sobre sua enfermidade: desatando os nós da lacuna da adesão ao tratamento na agenda da saúde da família. Physis Revista de Saúde Coletiva, 21(1), 87-112. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-73312011000100006

Santos, K. K., Lucas, T. C., Glória, J. C. R., Pereira Júnior, A. C., Ribeiro, G. C., & Lara, M. O. (2018). Perfil epidemiológico de pacientes renais crônicos em tratamento. Revista de Enfermagem UFPE, 12(9), 2293-2300. doi:https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i9a234508p2293-2300-2018

Santos, M. A., Alves, R. C. P., Oliveira, V. A., Ribas, C. R. P., Teixeira, C. R. D., & Zanetti, M. L. (2011). Representações sociais de pessoas com diabetes acerca do apoio familiar percebido em relação ao tratamento. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(3), 651-658. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342011000300015

Schmidt, M. I, Duncan, B. B., Azevedo e Silva, G., Menezes, A. M., Monteiro, C. A., Barreto, S. M., . . . & Menezes, P. R. (2011). Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. The Lancet, 377(9781), 1949-1961. doi:https://doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60135-9

Silva, F. M., Budó, M. L. D., Silveira, C. L., Badke, M. R., & Beuter, M. (2013). Hipertensão: Condição de não doença − O significado da cronicidade na perspectiva dos sujeitos. Texto & Contexto Enfermagem, 22(1), 123-131. doi:https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000100015

Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, e Sociedade Brasileira de Nefrologia. (2010). VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 95(1), 1-51.

Souza, M. G. G., & Gomes, A. M. T. (2012). Sentimentos compartilhados por familiares de pacientes oncológicos em tratamento quimioterápico: um estudo de representações sociais. Revista Enfermagem UERJ, 20(2), 149-154. Recuperado de: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/4009/2778

Souza, M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: O que é e como fazer. Einstein, 8(1), 102-106. doi:https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

Vala, J. (2006). Representações sociais e a psicologia social do conhecimento cotidiano. In J. Vala & M. B. Monteiro (Orgs.), Psicologia social (7a ed., pp. 457-502). Lisboa: Calouste Gulbenkian.

Vieira, M. C. U., & Marcon, S. S. (2008). Significados do processo de adoecer: O que pensam cuidadoras principais de idosos portadores de câncer. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 42(4), 752-760. doi:https://www.doi.org/10.1590/S0080-62342008000400019

Wagner, A., Predebon, J., Mosmann, C., & Verza, F. (2005). Compartilhar tarefas? Papéis e funções de pai e mãe na família contemporânea. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21, 181-186. doi:https://www.doi.org/10.1590/S0102-37722005000200008

World Health Organization. (2015). Global status report on noncommunicable diseases 2014. Geneva: World Health Organization.

Publicado
2021-09-28
Como Citar
Silva, J. P. da, Crepaldi, M. A., & Bousfield, A. B. da S. (2021). Representações Sociais e Doenças Crônicas no Contexto Familiar: Revisão Integrativa. Revista Psicologia E Saúde, 13(2), 125-140. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i2.964
Seção
Artigos