O Entrecruzamento Psicologia-Saúde via Políticas Públicas: Uma Análise Discursiva a Partir das Cartilhas do CREPOP

Palavras-chave: práticas psicológicas, práticas em saúde, políticas públicas, CREPOP, análise do discurso

Resumo

O suposto vínculo, original e longínquo, da psicologia com a saúde não desmente o fato de a psicologia, em território brasileiro, ter laços institucionais reconhecidos com o campo da saúde somente nas últimas décadas. Assumindo que o critério para a formação desse laço são os enunciados que efetivamente alçam estatuto institucional de discursos oficiais, o escopo deste estudo consiste em examinar, sob um prisma foucaultiano, a formação de um conjunto de práticas discursivas que sobrepõem psicologia, saúde e políticas públicas. O corpus dessa investigação consistirá nas cartilhas produzidas pelo Centro de Referência em Psicologia e Políticas Públicas (CREPOP). Tal sobreposição acarreta um efeito duplo: a tentativa de uma metamorfose no interior da própria psicologia e sua inserção nas práticas de saúde. Mediante a recorrência a toda uma gramática jurídica-progressista, discursos psicológicos passam a funcionar como discursos de saúde e sinalizadores de um horizonte democrático e emancipado para a humanidade.

Biografia do Autor

Pablo Severiano Benevides, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Pós-Doutor em Filosofia da Educação pela Universitat de Barcelona. Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor adjunto III do Curso de Psicologia da UFC/Sobral − Setor de Estudos: Psicologia Social; professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFC/Fortaleza − Linha de Pesquisa: Sujeito e Cultura na Sociedade Contemporânea.

Adolfo Jesiel Siebra, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Doutorando em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Graduado em Psicologia pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR).

Referências

Barros, J. P. P. (2014). Psicologia e políticas sociais. ECOS – Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 4(1), 156-170.

Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas. (2008a). Referências técnicas para a atuação do(a) psicólogo(a) nos Programas de DST e aids. Brasília: CFP.

Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas. (2008b). Saúde do Trabalhador no âmbito da Saúde Pública: Referências para a atuação do(a) psicólogo(a). Brasília: CFP.

Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas. (2017). Conheça o CREPOP. Recuperado de http://twixar.me/l0TK

Conselho Federal de Psicologia. (2011). Senhoras e senhores gestores da saúde, como a Psicologia pode contribuir para o avanço do SUS. Brasília: CFP.

Conselho Federal de Psicologia. (2013a). Referências técnicas para atuação de psicólogas(os) no CAPS - Centro de Atenção Psicossocial. Brasília: CFP.

Conselho Federal de Psicologia. (2013b). Referências técnicas para a atuação de psicólogas/os em políticas públicas de álcool e outras drogas. Brasília: CFP.

Conselho Federal de Psicologia. (2016). Resolução CFP n. 3 (5 de fevereiro). Altera a Resolução CFP n. 013/2007, que institui a Consolidação das Resoluções relativas ao Título Profissional de Especialista em Psicologia e dispõe sobre as normas e procedimentos para seu registro. Recuperado de http://twixar.me/XdTK

Conselho Nacional de Saúde. (1997). Resolução CNS n. 218 (6 de março). Resolve reconhecer a Psicologia e outros como profissionais de saúde de nível superior. Recuperado de http://twixar.me/MGTK

Foucault, M. (1999). A ordem do discurso (5a ed.). São Paulo: Loyola.

Foucault, M. (2008). A arqueologia do saber (7a ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2010). Em defesa da sociedade (2a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2012). Microfísica do poder (30a ed.). Rio de Janeiro: Graal.

Passone, E. F. K., & Perez, J. R. R. (2013). Psicologia e análise de implementação de políticas públicas: Um diálogo interdisciplinar. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(3), 612-629. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932013000300008

Prates, L. G., & Nunes, L. P. (2009). A (re)construção do lugar do psicólogo na saúde pública: Das quatro paredes do centro de saúde para os lares. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 4(1), 96-101. Recuperado de http://twixar.me/r0TK

Schopke, R. (2004). Por uma filosofia da diferença: Gilles Deleuze, o pensador nômade. Rio de Janeiro: Contraponto Editora.

Publicado
2021-08-03
Como Citar
Benevides, P. S., & Siebra, A. J. (2021). O Entrecruzamento Psicologia-Saúde via Políticas Públicas: Uma Análise Discursiva a Partir das Cartilhas do CREPOP. Revista Psicologia E Saúde, 13(1), 97-111. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i1.973
Seção
Artigos