Fatores materno-infantis associados ao desenvolvimento de bebês prematuros e a termo

Palavras-chave: desenvolvimento infantil, nascimento prematuro, nascimento a termo

Resumo

Conhecer a influência de variáveis materno-infantis e ambientais no processo desenvolvimental torna possível que atrasos sejam minimizados. Pretendeu-se comparar variáveis sociodemográficas e de desenvolvimento de bebês prematuros e a termo aos três meses de idade e identificar as influências de fatores materno-infantis associadas ao desenvolvimento destes bebês. Participaram 275 díades mãe-bebê, sendo 168 prematuros e 107 a termo. Aplicou-se uma entrevista para coleta das variáveis materno-infantis e as Escalas Bayley III para avaliar o desenvolvimento. Os resultados indicaram que há diferenças significativas entre a termo e prematuros em relação à escolaridade materna, presença de irmãos e não planejamento materno da gravidez. Prematuros apresentaram maiores atrasos no desenvolvimento cognitivo, em linguagem expressiva, motor fino e motor amplo. A identificação de atrasos aos três meses apontou para a importância de programas de estimulação precoce como fator de proteção para evitar atrasos no desenvolvimento e como orientação aos cuidadores primários do bebê.

Biografia do Autor

Rafaela Almeida Schiavo, Universidade Paulista (Unip)

Pós-doutora em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp/Bauru). Docente dos cursos de Psicologia e Pedagogia da Universidade Paulista (Unip/Bauru); diretora e fundadora do Instituto MaterOnline, Agudos, SP.

Olga Maria Piazentin Rolim Rodrigues, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Livre-docente em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp/Bauru). Docente no curso de Psicologia e do curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp/Bauru).

Janaína Senhorini dos Santos, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Mestranda em Fonoaudiologia pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho” (Unesp). Graduada em Fisioterapia pela Universidade do Sagrado Coração. Fisioterapeuta na área Neurofuncional Infantil e Equoterapia, no Centro Especializado de Reabilitação SORRI-Bauru.

Juliana Marinho Antonucci, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Graduada em Fisioterapia. Fisioterapeuta no Centro Especializado de Reabilitação SORRI-Bauru

Carolina Mormanno, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp/Bauru). Graduada em Psicologia.

Veronica Aparecida Pereira, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Doutora em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente do curso de Psicologia da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

Referências

Alder, J., Fink, N., Bitzer, J., Hösli, I., & Holzgreve, W. (2007). Depression and anxiety during pregnancy: A risk factor for obstetric, fetal and neonatal outcome? A critical of the literature. Journal of Maternal-Fetal & Neonatal Medicine, 20(3), 189-209. Recuperado de http://informahealthcare.com/doi/abs/10.1080/14767050701209560

Aljabar, G. B. P., Zebari, S., Tusor, N., Arichi, T., Merchant, N., Robinson, E. C., Ogundipe, E., Rueckert, D., Edwards, A. D., & Counsell, S. J. (2014). Rich-club organization of the newborn human brain. PNAS, 111(20), 7456-7461. Recuperado de https://doi.org/10.1073/pnas.1324118111

Almeida, C. G. M., Rodrigues, O. M. P. R., & Salgado, M. H. (2012). Diferenças no desenvolvimento de meninos e meninas em condições de risco. Boletim de Psicologia, 62(136), 1-14. Acessado de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/bolpsi/v62n136/v62n136a02.pdf

Araújo, B. F., & Tanaka, A. C. d’A. (2007). Fatores de risco associados ao nascimento de recém-nascidos de muito baixo peso em uma população de baixa renda. Caderno de Saúde Pública, 23(12), 2869-2877. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007001200008

Bayley, N. (2006). Bayley scales of infant and toddler development (3a ed.). New York: PsychCorp.

Bayley, N. (2018). Bayley III: Escalas de desenvolvimento do bebê e da criança pequena. São Paulo: Pearson Clinical Brasil.

Bener, A. (2013). Psychological distress among mothers of preterm infants and associated factors: A neglected public health problem. Revista Brasileira de Psiquiatria, 35(3), 231-236. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1516-4446-2012-0821

Benute, G. R. G., Nomura, R. M. Y., Reis, J. S., Fraguas Junior, R., Lucia, M. C. S., & Zugaib, M. (2010). Depression during pregnancy in women with a medical disorder: Risk factors and perinatal outcomes. Clinics, 65(11), 1127-1131. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1807-59322010001100013&script=sci_arttext

Boyd, D., & Bee, H. (2011). A criança em desenvolvimento. Porto Alegre: Artmed.

Brusco, T. R., & Delgado, S. E. (2014). Caracterização do desenvolvimento da alimentação de crianças nascidas pré-termo entre três e 12 meses. Revista CEFAC., 16(3), 917-928. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-021620145313.

Carniel, E. F., Zanolli, M. L., Antonio, M. A. R. G. M., & Morcillo, A. M. (2008). Determinantes do baixo peso ao nascer a partir das declarações de nascidos vivos. Revista Brasileira de Epidemiologia, 11(1), 169-179. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2008000100016

Carniel, C. Z., Furtado, M. C. C., Vicente, J. B., Abreu, R. Z., Tarozzo, R. M., Cardia, S. E. T. R., Massei, M. C. I., & Cerveira, R. C. G. F. (2017). Influência de fatores de risco sobre o desenvolvimento da linguagem e contribuições da estimulação precoce: Revisão integrativa da literatura. Revista CEFAC, 19(1), 109-118. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0216201719115616

Cavaggioni, A. P. M. (2017). Influência da via de parto no desenvolvimento infantil: Comparação por meio da Escala Bayley III (Dissertação de Mestrado, Universidade Metodista de São Paulo [UMESP], São Bernardo do Campo, SP).

Cavalcante, M. C. V., Lamy Filho, F., França, A. K. T. C., & Lamy, Z. C. (2017). Relação Mãe-filho e fatores associados: Análise hierarquizada de base populacional em uma capital do Brasil-Estudo BRISA. Ciência & Saúde Coletiva, 22(5), 1683-1693. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017225.21722015

Conde, A., & Figueiredo, B. (2003). Ansiedade na gravidez: fatores de risco e implicações para a saúde e bem-estar da mãe. Revista de Psiquiatria Clínica, 24(3), 197-209. Recuperado de: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/4217/1/Ansiedade%20na%20gravidez%20%282003%29.pdf

Correa, W., Minetto, M. F., & Crepaldi, M. A. (2018). Família como promotora do desenvolvimento de crianças que apresentam atrasos. Pensando Família, 22(1), 44-58. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/penf/v22n1/v22n1a05.pdf.

Crestani, A. E., Mattana, F., Moraes, A. H. B., & Souza, A. P. R. (2013). Fatores socioeconômicos, obstétricos, demográficos e psicossociais como risco ao desenvolvimento infantil. Revista CEFAC 15(4), 847-856. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v15n4/12.pdf

Felix, J., Santos, M. E., & Benítez-Burraco, A. (2017). Linguagem espontânea de crianças prematuras aos 4 e 5 anos de idade. Revista CEFAC, 19(6), 742-748. doi: https://doi.org/10.1016/j.jpedp.2013.10.004

Fernandes, A. O., Santos Junior, H. P. O., & Gualda, D. M. R. (2012). Gravidez na adolescência: Percepções das mães de gestantes jovens. Acta Paulista de Enfermagem, 25(1), 55-60. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000100010

Formiga, C. K. M. R., & Linhares, M. B. M. (2009). Avaliação do desenvolvimento inicial de crianças nascidas pré-termo. Revista Escola de Enfermagem USP., 43 (2), 472-480. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342009000200030

Gerhardt, S. (2017). Porque o amor é importante: Como o afeto molda o cérebro do bebê. Porto Alegre: Artmed.

Gonzaga, I. C. A. Santos, S. L. D., Silva, A. R. V., & Campelo, V. (2016). Atenção pré-natal e fatores de risco associados à prematuridade e baixo peso ao nascer em capital do nordeste brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, 21(6), 1965-1974. doi: http://dx.doi-org.ez67.periodicos.capes.gov.br/10.1590/1413-81232015216.06162015

Isotani, S. M., Azevedo, M. F., Chiari, B. M., & Perissinoto, J. (2009). Linguagem expressiva de crianças nascidas pré-termo e termo aos dois anos de idade. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, 21(2), 155-160. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-56872009000200012

Kreling, K. C. A, Brito, A. S. J., & Matuso, T. (2006). Fatores perinatais associados ao desenvolvimento neuropsicomotor de recém-nascidos de muito baixo peso. Pediatria (São Paulo), 28(2), 98-108. Recuperado de: http://ucbweb2.castelobranco.br/webcaf/arquivos/13150/5117/Fatores_perinatais_e_desenvol vimento_motor_do_RN_de_muito_baixo_peso.pdf

Lemos, R. A., & Veríssimo, M. Ó. R. (2016). Functional development of preterm infants: An integrative literature review. Fisioterapia em Movimento, 29(3), 623-633. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1980-5918.029.003.AO20

Lopes, A. A. T., Tani, G., & Maía, J. A. R. (2011). Desempenho neuromotor, prematuridade e baixo peso à nascença. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 13(1), 73-81. doi: http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2011v13n1p73

Maggi, E. F., Magalhães, L. C., Campos, A. F., & Bouzada, M. C. F. (2014). Preterm children have unfavorable motor, cognitive, and functional performance when compared to term children of preschool age. Jornal de Pediatria, 90(4), 377-383. doi: https://doi.org/10.1016/j.jpedp.2013.10.004

Maia, P. C., Silva, L. P., Oliveira, M. M. C., & Cardoso, M. V. L. M. L. (2011). Desenvolvimento motor de crianças prematuras e a termo – Uso da Alberta Infant Motor Scale. Acta Paulista de Enfermagem, 24(5), 670-675.

Maria-Mengel, M. R. S., & Linhares, M. B. M. (2007). Risk factors for infant developmental problems. Revista Latino Americana de Enfermagem, 15(spe), 837-842. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692007000700019

Martins, M. G., Santos, G. H. N., Sousa, M. S., Costa, J. E. F. B., & Simões, V. M. F. (2011). Associação de gravidez na adolescência e prematuridade. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 33(11), 354-360. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032011001100006

Melo, M. R. O., & Andrade, I. S. N. S. (2015). Child development and prematurity: A reflection on maternal knowledge and expectations. Brazilian Journal in Health Promotion, 26(4), 548-553. Recuperado de: https://www.redalyc.org/pdf/408/40831096013.pdf

Menezes, L. O., Pinheiro, R. T., Quevedo, L. A., Oliveira, S. S., Silva, R. A., Pinheiro, K. A. T., Santo, G. C. E., & Jansen, K. (2012). O impacto do baixo peso ao nascer relacionado à depressão gestacional para o financiamento federal da saúde pública: Uma análise do Município de Pelotas, Rio Grande do Sul. Caderno de Saúde Pública, 28(10), 1939-1948. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012001000012

Papalia, D. E., & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento Humano (12a ed.). Porto Alegre: AMGH.

Paula, R. S. K. (2018). Consequências à criança do uso de drogas durante a gestação: Um artigo de revisão. Directory of Open Access Journals, 58(1), 45-52. doi: http://dx.doi.org/10.20513/2447-6595.2018v58n1p45-52

Pereira, V. A., Chiodelli T., Rodrigues, O. M. P. R., Silva, C. S. O., & Mendes, V. F. (2014). Desenvolvimento do bebê nos dois primeiros meses de vida: Variáveis maternas e sociodemográficas. Pensando Família 18(1), 64-77. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/penf/v18n1/v18n1a07.pdf

Pessoa, T. A. O., Martins, C. B. G., Lima, F. C. A. L. & Gaíva, M. A. M. (2015). O crescimento e desenvolvimento frente à prematuridade e baixo peso ao nascer. Avances en Enfermería, 33(3), 401-411. doi:http://dx.doi.org/10.15446/av.enferm.v33n3.44425

Pinto, E. B. (2009). O desenvolvimento do comportamento do bebê prematuro no primeiro ano de vida. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(1), 76-85. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722009000100011

Pires, R., Araújo-Pedrosa, A., Carvalho, P., & Canavarro, M. C. (2012). Necessidades emergentes de promoção da saúde na transição para a parentalidade: Variáveis relacionais de risco para a depressão durante a gravidez na adolescência. In J.L.P. Ribeiro, I. Leal, A. Pereira, & S. Monteiro (Orgs.), Psicologia da saúde: Desafios à promoção da saúde em doenças crónicas (pp. 250-256). Aveiro: Placebo Editora.

Ramos, H. A. C., & Cumam, R. K. N. (2009). Fatores de risco para prematuridade: Pesquisa documental. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 13(12), 297-304. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452009000200009

Ribas Jr., R. C., Seidl de Moura, M. L. S., & Bornstein, M. H. (2007). Cognições maternas acerca da maternidade e do desenvolvimento humano: Uma contribuição ao estudo da psicologia parental. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17(1), 104-113. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v17n1/10.pdf

Ribeiro, D. G., Perosa, G. B., & Padovani, F. H. P. (2014). Fatores de risco para o desenvolvimento de crianças atendidas em Unidades de Saúde da Família, ao final do primeiro ano de vida. Ciência e Saúde Coletiva, 19(1), 215-226. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n1/1413-8123-csc-19-01-00215.pdf

Rodrigues, O. M. P. R. (2012). Escalas de desenvolvimento infantil e o uso com bebês. Educar em Revista, 43, 81-100. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40602012000100007

Rodrigues, O. M. P. R., & Bolsoni-Silva, A. T. (2011). Efeitos da prematuridade sobre o desenvolvimento do lactante. Rev. Bras. Crescimento e Desenvolvimento Humano, 21(1), 111-121. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v21n1/11.pdf

Rodrigues, O. M. P. R., Tirelli, R. A., & Silva, V. V. P. (2012). A influência de fatores de risco sobre o repertório comportamental de bebês. In: L. E. Melchiori; O. M. P. R. Rodrigues; A. C. B. Maia (Orgs.), Famílias e crianças: Reflexões teórico-práticas sobre os cuidados com as crianças (pp. 31-45). Curitiba: Juruá.

Sá, F. E., Nunes, N. P., Gondim, E. J. L., Almeida, A. K. F., Alencar, A. J. C., & Cardoso, K. V. V. (2017). Intervenção parental melhora o desenvolvimento motor de lactentes de risco: Série de casos. Fisioterapia e Pesquisa, 24(1), 15-21. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/15828624012017

Saccani, R., Zanella, D. E., Notari, V. S, & Valentini, N. C. (2017). Importância da correção da idade gestacional na avaliação motora de prematuros no primeiro ano de vida. Fisioterapia Brasil, 18(4), 409-416. Acessado de: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/07/906511/importancia-da-correcao-da-idade-gestacional-na-avaliacao-motor_9mFJzOz.pdf

Santos, J. C., & Freitas, P. M. (2011). Planejamento familiar na perspectiva do desenvolvimento. Ciência & Saúde Coletiva, 16(3), 1813-1820. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n3/17.pdf

Santos, N. L. A. C., Costa, M. C. O., Amaral, M. T. R., Vieira, G. O., Bacelar, E. B., & Almeida, A. H. V. (2014). Gravidez na adolescência: Análise de fatores de risco para baixo peso, prematuridade e cesariana. Ciência e Saúde Coletiva, 19(3), 719-726. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014193.18352013

Santos, D. C. C., Tolocka, R. E., Carvalho, J., Heringer, L. R. C., Almeida, C. M., & Miquelote, A. F. (2009). Desempenho motor grosso e sua associação com fatores neonatais, familiares e de exposição à creche em crianças até três anos de idade. Revista Brasileira de Fisioterapia, 13(2), 173-179. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbfis/v13n2/aop023_09.pdf

Sartori, N., Saccani, R., & Valentini, N. C. (2010). Comparação do desenvolvimento motor de lactentes de mães adolescentes e adultas. Fisioterapia e Pesquisa, 17(4), 306-11. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1809-29502010000400004

Schiavo, R. A., Rodrigues, O. M. P. R., & Perosa, G. B. (2018). Variáveis associadas à ansiedade gestacional em primigestas e multigestas. Temas em Psicologia, 26(4), 2091-2104. doi:http://dx.doi.org/10.9788/TP2018.4-14Pt

Seidl-de-Moura, M. L., Ribas, A. F. P., Seabra, K. C., Pessôa, L. F., Nogueira, S. E., Mendes, D. M. L. F., Rocha S. B., & Vicente C. C. (2008). Interações mãe-bebê de um e cinco meses: Aspectos afetivos, complexidade e sistemas parentais predominantes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 66-73. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722008000100009

Severiano, A. A. O., Dantas, D. S., Oliveira, V. L. C., Lopes, J. M., Souza, D. S., & Magalhães, A. G. (2017). Association between breastfeeding, obstetric factors and child development in northeast Brazil. J Hum Growth Dev. 27(2), 158-165. doi:http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.114483

Simas, F. B., Souza, L. V., & Scorsolini-Comim, F. (2013). Significados da gravidez e da maternidade: Discurso de primíparas e multíparas. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 15(1), 19-34. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v15n1/02.pdf

Silva, J. L. G. V., Soares, E. A., Caetano, E. A., Loyola, Y. C. S., Garcia, J. A. D., & Mesquita G. (2011). O impacto da escolaridade materna e a renda per capita no desenvolvimento de crianças de zero a três anos. Revista Ciências em Saúde, 1(2), 62-67.

Silva, R. A. M., & Magalhães, C. M. C. (2011). Crenças sobre práticas: um estudo sobre mães primíparas de contexto urbano e não-urbano. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 21(1), 39-50. doi:https://doi.org/10.7322/jhgd.19994

Tamis-Lemonda, C. S., & Rodriguez, E. T. (2011). O papel dos pais na promoção da aprendizagem e no desenvolvimento da linguagem de crianças pequenas. In R. E. Tremblay, M. Boivin, R. D. E. V. Peters (Orgs.), Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância (pp. 1-9). Montreal, Quebec: Centre of Excellence for Early Childhood Development and Strategic Knowledge Cluster on Early Child Development. Recuperado de http://www.enciclopedia-crianca.com/documents/Tamis-LeMonda-RodriguezPRTxp1-Parentais.pdf

Tella, P., Piccolo L. R., Rangel, M. L; Rohde, L. A., Polanczyk, G. V., Miguel, E. C., Grisi, S. J. F. E., Fleitlich-Bilyk, B., & Ferraro, A. A. (2018). Socioeconomic diversities and infant development at 6 to 9 months in a poverty area of São Paulo, Brazil. Trends Psychiatry Psychother. 40(3), 232-240. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/trends/v40n3/2238-0019-trends-2237-6089-2017-0008.pdf

Word Health Organization. (2018). Preterm Birth. Genebra: WHO. Recuperado de http://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/pretermBirth

Willrich, A., Azevedo, C. C. F., & Fernandes, J. O. (2004). Desenvolvimento motor na infância: Influência dos fatores de risco e programas de intervenção. Cadernos de Saúde Pública, 20(3), 710-718. Recuperado de http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2009/RN%202009%201/226%20.pdf

Zago, J. T. C., Ferreira-Pinto, P. A., Ribeiro-Leite, H., Santos, J. N., & Morais, R. L. S. (2017). Associação entre o desenvolvimento neuropsicomotor e fatores de risco biológicos e ambientais em crianças na primeira infância. Revista CEFAC., 19(3), 320-329. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1982-0216201719314416

Zajonz, R., Muller, A. B., & Valentini, N. C. (2008). A influência de fatores ambientais no desempenho motor e social de crianças da periferia de porto alegre. Revista da Educação Física/UEM, 19(2), 159-171. Recuperado de:http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/3220/3496

Publicado
2021-02-26
Seção
Artigos