Saúde Mental de Crianças e Adolescentes: A Rede na Clínica-Escola

Palavras-chave: saúde mental, assistência à saúde, criança, adolescente, Psicologia Clínica

Resumo

O presente trabalho objetiva compreender a configuração da rede de cuidado em saúde mental da infância e adolescência em Quixadá, Ceará, partindo dos pacientes atendidos na clínica-escola de psicologia do Centro Universitário Católica de Quixadá. Trata-se de uma pesquisa documental e de natureza quantitativo-exploratória. Os dados foram analisados a partir do modelo estatístico descritivo. A clientela é, predominantemente, de meninos, de 4 a 12 anos, residentes no município de Quixadá e que não estão e nem estiveram em outros serviços de saúde, educação ou assistência social para tratar da queixa apresentada. Diante disso, acreditamos que a clínica-escola tem um grande valor social, dando o suporte aos equipamentos da rede, uma vez que a rede formal de cuidados não possui uma instituição de referência nesse tipo de atendimento.

Biografia do Autor

Carla Renata Braga de Souza, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)

Doutora e mestre em Psicologia pela Universidade de Fortaleza (Unifor). Psicanalista e Psicóloga pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Docente, coordenadora da Especialização em Saúde Mental e orientadora de iniciação científica na Universidade Católica de Quixadá (Unicatólica). Coordena o Programa de Extensão Clínica, Estética e Política do Cuidado no polo Sertão Central do Ceará, no campo da Psicanálise e Saúde Coletiva. Membro da Clio − Associação de Psicanálise.

Lucas de Oliveira Saraiva Leão, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)

Pós-graduando em Psicologia do Trânsito e Psicologia Organizacional pela Faculdade Dom Alberto. Psicólogo pela Universidade Católica de Quixadá  (Unicatólica). Atua no Projeto Virando o Jogo pela Vice-Governadoria do Estado do Ceará.

Patrícia Régia Oliveira de Araújo, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)

Pós-graduanda em Saúde Mental e Psicóloga pela Universidade Católica de Quixadá. (Unicatólica). Atua no Núcleo da Coordenadoria de Alternativas Penais de Quixadá, CE

Matheus Tierry Borges Lima Lopes, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)

Acadêmico de Psicologia pelo Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica). Bolsista voluntário do Programa de Iniciação Científica (PIC) da Universidade Católica de Quixadá (Unicatólica). Extensionista do Núcleo de Estudos em Avaliação Psicológica da Unicatólica e do Programa de Extensão Clínica, Estética e Política do Cuidado da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Tais Bleicher, Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR)

Doutora em Saúde Coletiva. Mestre em Psicologia Clínica e Cultura. Psicóloga. Professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Gestão da Clínica, assessora da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), líder do grupo de pesquisa, certificado pelo CNPq: Núcleo de Estudos e Pesquisas Psicossociais de São Carlos; e coordenadora do Programa de Extensão Vida Universitária e Saúde Mental. Compõe a comissão institucional de estudo da Política de Saúde Mental da UFSCar.

Referências

Ariès, P. (1981). História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC.

Assis, S. G., Avanci, J. Q., Pesce, R. P., & Ximenes, L. F. (2009). Situação de crianças e adolescentes brasileiros em relação à saúde mental e à violência. Ciência e Saúde Coletiva, 14(2), 349-361.

Barata, M., Nóbrega, K., Jesus, K., Lima, M. L., & Facundes, V. L. (2015). Rede de cuidado a crianças e adolescentes em sofrimento psíquico: Ações de promoção à saúde. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 26(2), 225-233.

Benetti, S. P. C., Ramires, V. R. R., Schneider, A. C., Rodrigues, A. P. G., & Tremarin, D. (2007). Adolescência e saúde mental: Revisão de artigos brasileiros publicados em periódicos nacionais. Cadernos de Saúde Pública, 23, 1273-1282.

Bernardes-Da-Rosa, L. T., Garcia, R. M., Domingos, N. A. M., & Silvares, E. F. M. (2000). Caracterização do atendimento psicológico prestado por um serviço de psicologia a crianças com dificuldades escolares. Revista Estudos de Psicologia, 17(3), 5-14.

Bleicher, T. (2015). A política de saúde mental de Quixadá, Ceará (1993-2012): Uma perspectiva histórica de sistema local de saúde (Tese de Doutorado em Saúde Coletiva, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Estadual do Ceará, Universidade Federal do Ceará, Universidade de Fortaleza, Fortaleza).

Brasil. (1990). Estatuto da Criança e do Adolescente. Câmera dos Deputados. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Diário Oficial da União, de 16/07/1990 – ECA. Brasília, DF.

Brasil (2001). Lei n. 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm

Brasil. Ministério da Saúde (2011). Portaria n. 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União.

Brasil. Ministério da Saúde. (2014). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Estratégica e Temática. Atenção Psicossocial a Crianças e Adolescentes no SUS Tecendo Redes para Garantir Direitos. Brasília: Editora do Ministério da Saúde.

Cardoso, M. R. O., Oliveira, P. T. R., & Piani, P. P. F. (2016). Práticas de cuidado em saúde mental na voz dos usuários de um Centro de Atenção Psicossocial do estado do Pará. Saúde em Debate, 40(109), 86-99. doi: https://doi.org/10.1590/0103-1104201610907

Costa, E. A. S., Carneiro, S. N. V., & Nogueira, W. S. (2014). Relatos vividos e escritos por muitas mãos. Quixadá: Imprece.

Cunha, M. P., Borges, L. M., & Bezerra, C. B. (2017). Infância e Saúde mental: Perfil das crianças usuárias de um Centro de Atenção Psicossocial Infantil. Mudanças-Psicologia da Saúde, 25(1), 27-35.

Delfini, P. S. S., Bastos, I. T., & Reis, A. O. A. (2017). Peregrinação familiar: A busca por cuidado em saúde mental infantil. Caderno de Saúde Pública, 12(33), 2-13.

Delvan, J. S., Portes, J. R. M.; Cunha, M. P.; Menezes, M.; & Legal, E. J. (2010). Crianças que utilizam os serviços de saúde mental: Caracterização da população em uma cidade do sul do Brasil. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 20(2), 228-237.

Desviat, M. (2015). La construcción subjetiva y social de las adolescencias. Átopos – salud mental, comunidad y cultura, 16, 2-14.

Dua, T., Tomlinson, M., Tablante, E., Britto, P., Yousfzai, A., Daelmans, B., & Darmstadt, G. L. (2016). Global research priorities to accelerate early child development in the sustainable development era. The Lancet. Global health, 4(12), e887-e889. doi: https://doi.org/10.1016/S2214-109X(16)30218-2

Kemper, M. L. C., Martins, J. P. A., Monteiro, S. F. S.; Pinto, T. S.; & Walter, F. R. (2015). Integralidade e redes de cuidado: Uma experiência do PET-Saúde/Rede de Atenção Psicossocial. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 19(Suppl. 1), 995-1003. doi: https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1061

Kieling, C., Baker-Henningham, H., Belfer, M., Conti, G,, Ertem, I., Omigbodun, O., . . . Rahman A. (2011). Child and adolescent mental health worldwide: Evidence for action. The Lancet, 378(22), 1515-1526. Convenção sobre os direitos da criança. Disponível em https://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10120.html

Maggi, A., Rosa, A. M., Scherer, C. G., Bisol, C. A., Wendland, J., Poletto, L. B., & Moreira, P. M. (2016). Vulnerabilidade, saúde mental e clínica-escola: Uma resposta de atenção à população. Aletheia, 49(2), 55-63. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942016000200007&lng=pt&tlng=pt

Maravieski, S., & Barcellos Serralta, F. (2011). Características clínicas e sociodemográficas da clientela atendida em uma clínica-escola de Psicologia. Temas em Psicologia, 19(2), 481-490.

Pinto, J. T. J. M., & Freitas, C. H. S. M. (2018). Caminhos percorridos por crianças e adolescentes com tuberculose nos serviços de saúde. Texto & Contexto Enfermagem, 27(1).

Rosário, A. B., & Neto, F. K. (2019). Plantão psicológico em uma clínica-escola de psicologia: Saúde pública e psicanálise. A peste: Revista de psicanálise e sociedade e filosofia, 7(1), 37-48.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. 23a ed. São Paulo: Cortez.

Santos, P. L. (2006). Problemas de saúde mental de crianças e adolescentes atendidos em um serviço público de psicologia infantil. Psicologia em Estudo, 11(2), 315-321.

Silvestre, A. L. (2007). Análise dos dados e estatística descritiva. Matola: Escolar editora.

Sinibaldi, B. (2013). Saúde mental infantil e atenção primária: Relações possíveis. Revista de Psicologia da Unesp, 12(2), 61-72.

Taño, B. L., & Matsukura, T. S. (2015). Saúde mental infantojuvenil e desafios do campo: Reflexões a partir do percurso histórico. Cadernos de Terapia Ocupacional, 23(2), 439-447.

Publicado
2020-12-08
Seção
Dossiê: Psicologia e Saúde Coletiva