Interseccionalidades na Experiência de Pessoas Trans nos Serviços de Saúde

Palavras-chave: saúde pública, LGBTTI , interseccionalidades, serviços de saúde

Resumo

Este artigo tem o objetivo de analisar a implementação da Política Nacional de Atenção Integral à população LGBTTI+, bem como as dificuldades do acesso aos serviços de saúde a partir das interseccionalidades na experiência de travestis e mulheres trans na realidade de Parnaíba, PI. Trata-se de um estudo qualitativo com uso de alguns instrumentos e ferramentas da pesquisa etnográfica, cuja amostra contou com a participação de profissionais da saúde, travestis e mulheres trans. Os dados foram coletados através da observação participante, produção sistemática de diários de campo e entrevistas semiestruturadas. Os dados foram analisados por meio da análise de discurso. Como resultado, identificou-se o desconhecimento da referida política; a violência nos atendimentos, atravessados pelas interseccionalidades de raça, classe e gênero como agravante da vulnerabilidade. Concluiu-se que é necessário reavaliar o conteúdo da política e sua implementação, de modo que essas questões supracitadas sejam pensadas como latentes para sua efetivação.

Biografia do Autor

Francisco Jander de Sousa Nogueira, Universidade Federal do Piauí (UFPI)

Mestre e Doutor em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Estágio de Doutorado em Antropologia no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE/LISBOA). Especialista em Educação Comunitária em Saúde pela Escola de Saúde Pública do Ceará. Bacharel em Ciências Sociais. Professor adjunto do Curso de Medicina da Universidade Federal do Piauí (UFPI), campus Parnaíba. Integra o quadro de docentes do Programa de Pós-Graduação em Saúde da Família (Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ / Universidade Federal do Piauí-UFPI). Membro do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (CEBES). Investigador Associado do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA), ISCTE/LISBOA. Coordenador do Grupo de Pesquisas e Estudos em Antropologia, Saúde e Sexualidade (GEASS).

Elaine Soares de Freitas Leitão, Universidade Federal do Piauí (UFPI)

: Graduanda em Psicologia na Universidade Federal do Piauí (UFPI)/CMRV.

Emylio César Santos da Silva, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com estágio sanduíche na Universidade Autônoma de Barcelona. Mestre e graduado em Psicologia pela PUC-SP. Professor no Curso de Psicologia da Universidade Nove de Julho (UNINOVE), São Paulo, SP.

Referências

Akotirene, C. (2019). Interseccionalidade. São Paulo, SP: Sueli Carneiro.

Assis, D. N. C. (2019). Interseccionalidades. Salvador, BA: UFBA; Instituto de Humanidades, Artes e Ciências; Superintendência de Educação a Distância. Recuperado de https://educapes.capes.gov.br/bitstream/capes/554207/2/eBook%20-%20Interseccionalidades.pdf

Bento, B. (2017). A psiquiatrização das identidades trans no DSM-5: Saúde, cidadania e o risco do pensamento colonizado. Ópera Mundi, São Paulo, SP.

Brasil. Ministério da Saúde. (2013). Política nacional de saúde integral de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Brasília-DF: Ministério da Saúde.

Brito, C. P. (2016). “Já é negro e ainda quer ser travesti?” – Experiências trans de mulheres negras (Dissertação de mestrado, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Salvador, BA). Recuperado de http://www2.uesb.br/ppg/ppgrec/wp-content/uploads/2017/03/Camila-Pina-Brito.pdf

Caregnato, R. C. A., & Mutti, R. (2006). Pesquisa qualitativa: Análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto & Contexto – Enfermagem, 15(4), 679-684. doi:https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000400017

Cerqueira-Santos, E., Calvetti, P. U., Rocha, K. B., Moura, A., Barbosa, L. H., & Hermel, J. (2010). Percepção de usuários gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros, transexuais e travestis do Sistema Único de Saúde. Interamerican Journal of Psychology, 44(2), 235-245. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/284/28420641004.pdf

Crenshaw, K. W. (2004). A intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. In VV.AA. Cruzamento: Raça e gênero. Brasília: Unifem.

Das Dores, A. A., Ribeiro, C. S., Calhiari, E. A., Paranhos, E. B. D., Ferreira, J. A. G., & Perpétuo, C. L. (2017). O conceito de interseccionalidade: Contribuições para a formação no ensino superior. EDUCERE - Revista da Educação da UNIPAR, 17(2), 251-262. doi:https://doi.org/10.25110/educere.v17i2.2017.6600

Faustino, D. M. (2017). A universalização dos direitos e a promoção da equidade: O caso da saúde da população negra. Ciência & Saúde Coletiva, 22(12), 3831-3840. doi:https://doi.org/10.1590/1413-812320172212.25292017

Ferreira, B. O., Pedrosa, J. I. S., & Nascimento, E. F. (2018). Diversidade de gênero e acesso ao SUS. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 31(1), 1-10. Recuperado de https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6726/pdf

Gianna, M. C. (2015). Ambulatório de saúde integral para travestis e transexuais: Cinco anos de desafios e realizações. In Brasil, Ministério da Saúde (Org.), Transexualidade e travestilidade na saúde (pp. 141-156). Brasília-DF: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/transexualidade_travestilidade_saude.pdf

Guaranha, C. (2013). Travestis e transexuais: A questão da busca pelo acesso à saúde. Anais do Seminário Internacional Fazendo Gênero, 10, Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1384173144_ARQUIVO_CamilaGuaranha.pdf

Henning, C. E. (2015). Interseccionalidade e pensamento feminista: As contribuições históricas e os debates contemporâneos acerca do entrelaçamento de marcadores sociais da diferença. Mediações, 20(2), 97-128. doi: https://doi.org/10.5433/2176-6665.2015v20n2p97

Kerner, I. (2012). Tudo é interseccional? Sobre a relação entre racismo e sexismo. Novos estudos CEBRAP (93), 45-58. doi:https://doi.org/10.1590/S0101-33002012000200005

Larrat, S. (2015). Transfobia: Como vencer uma herança do Brasil colonial e uma marca da ditadura? In Brasil, Ministério da Saúde (Org.), Transexualidade e travestilidade na saúde (pp. 159-164). Brasília-DF: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/transexualidade_travestilidade_saude.pdf

Minayo, M. C. S. (2017). Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: Consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa, 5(7), 1-12. Recuperado de https://editora.sepq.org.br/index.php/rpq/article/view/82/59

Muller, M. I., & Knauth, D. R. (2008). Desigualdades no SUS: O caso do atendimento às travestis é 'babado'! Cadernos EBAPE. BR, 6(2), 1-14. doi:https://doi.org/10.1590/S1679-39512008000200002

Nogueira, F. J. S. (2013). “Mariconas”: Itinerários da velhice, desmontagens e invisibilidades (Tese de Doutorado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB). Recuperado de https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/tede/7314/1/arquivototal.pdf

Prins, B., & Meijer, I. C. (2002). Como os corpos se tornam matéria: Entrevista com Judith Butler. Revista Estudos Feministas, 10(1), 155-167. doi:https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100009

Sampaio, J. V., & Germano, I. M. P. (2014). Políticas públicas e crítica queer: Algumas questões sobre identidade LGBT. Psicologia & Sociedade, 26(2), 290-300. doi:https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000200006

Santos, C. L. P. (2015). Saúde?! Completo bem-estar psicossocial de um indivíduo: Tudo que uma pessoa trans não possui. In Brasil, Ministério da Saúde (Org.), Transexualidade e travestilidade na saúde (pp. 17-24). Brasília-DF: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/transexualidade_travestilidade_saude.pdf

Simpson, K. (2015). Transexualidade e travestilidade na saúde. In Brasil, Ministério da Saúde (Org.), Transexualidade e travestilidade na saúde (pp. 9-16). Brasília-DF: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/transexualidade_travestilidade_saude.pdf

Soares, G. S., & Silva, G. M. (2015). Políticas públicas para travestis e transexuais: O espaço LGBT da Paraíba. In Brasil, Ministério da Saúde (Org.), Transexualidade e travestilidade na saúde (pp. 165-176). Brasília-DF: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/transexualidade_travestilidade_saude.pdf

Sontag, S. (1984). A doença como metáfora. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Souto, K. M. B., Sena, A. G. N., Pereira, V. O. M., & Santos, L. M. (2016). Estado e políticas de equidade em saúde: Democracia participativa? Saúde em Debate, 40(especial), 49-62. doi:https://doi.org/10.1590/0103-11042016s05

Tagliamento, G. (2015). Direitos humanos e a saúde: A efetivação de políticas públicas voltadas à saúde integral da população trans. In Brasil, Ministério da Saúde (Org.), Transexualidade e travestilidade na saúde (pp. 65-80). Brasília-DF: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/transexualidade_travestilidade_saude.pdf

Publicado
2021-11-17
Como Citar
Nogueira, F. J. de S., Leitão, E. S. de F., & Silva, E. C. S. da. (2021). Interseccionalidades na Experiência de Pessoas Trans nos Serviços de Saúde. Revista Psicologia E Saúde, 13(3), 35-49. https://doi.org/10.20435/pssa.v13i3.1243
Seção
Artigos