Uma abordagem linguageira do mal-estar

  • Lucas José Ávila Zaher Psicólogo formado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Tiago Ravanello Centro de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: psicanálise, cultura, linguagem.

Resumo

Este artigo parte da discussão sobre a concepção freudiana de cultura, para derivar uma perspectiva de oposição entre, de um lado, o desamparo radical da cria humana enquanto uma espécie de medida da condição ética e, de outro, posicionamentos de defesa do reducionismo dos fenômenos psíquicos a determinantes biológicos, naturalistas e/ou fisicalistas, como um modo de escamoteamento do mal-estar daí decorrente. Ao tomar a concepção de cultura como um operador de leitura, o artigo delimita distinções estruturais entre as práticas de reconhecimento do mal-estar por abordagens discursivas – seguindo a orientação de Lacan em seu retorno a Freud – e aquelas que buscam embasamento epistemológico no modelo das ciências da natureza. Como resultado, defendemos que uma delimitação, em termos de linguagem para o mal-estar, implica na condição clínica de sua narratividade e na inclusão de uma concepção de sujeito incompatível com o modelo das ciências da natureza.

Biografia do Autor

Lucas José Ávila Zaher, Psicólogo formado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Psicólogo formado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, bolsista de iniciação científica CNPq 2015-2016.
Tiago Ravanello, Centro de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Doutor em Teoria Psicanalítica pela UFRJ, Pós-Doutorando em Psicologia Clínica pela USP, Professor Ajunto do Centro de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Referências

Agamben, G. (2010). Estado de excepção. Lisboa: Edições 70.

Arrivé, M., & Vilela, I. (2007). Linguagem e inconsciente em Freud: Representações de palavras e representações de coisas. Polifonia, 13(13), 93-15.

Arrivé, M. (1999). Linguagem e psicanálise, lingüística e inconsciente: Freud, Saussure, Pichon, Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Beividas, W., & Lopes, M. (2004). Psicanálise e lingüística: Uma relação mal começada. Pulsional rev. psicanál., 17(177), 28-42.

Beividas, W., & Ravanello, T. (2008). Linguagem como alternativa ao aspecto quantitativo em psicanálise. Psicol. Soc., 21(spe), 82-88.

Birman, J. (2007). Mal-estar na atualidade: A psicanálise e as novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Brasil. Código penal brasileiro. Decreto de lei n. 7.209. (1984, 11 de julho). Altera dispositivos do Decreto-Lei n. 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, e dá outras providências. Brasília, DF. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1980-1988/L7209.htm

Caponi, G. (2003). Os modos da teleologia em Cuvier, Darwin e Claude Bernard. Sci. stud., 1(1), 27-41.

Caropreso, F. (2003). O conceito freudiano de representação em "Sobre a concepção das afasias”. Paidéia (Ribeirão Preto), 13(25), 13-26.

Caropreso, F. (2008). A relação entre a percepção e a representação nos primórdios da metapsicologia freudiana. Psicol. estud., 13(4), 723-732.

Caropreso, F. (2009). Inconsciente, cérebro e consciência: reflexão sobre os fundamentos da metapsicologia freudiana. Sci. stud., 7(2), 271-282.

Damasceno, M. H. (2008). Origem filosófica e significado metapsicológico do conceito de pulsão de morte em Freud (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil).

Davidovich, M. M., & Winograd, M. (2010). Psychoanalysis and neurosciences: A map of the debates. Psicol. estud., 15(4), 801-809.

Drawim, C. R. (2005). O paradoxo da finitude: sobre a sentido onto-antropológico da psicanálise Freudiana (Tese de doutorado em Filosofia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil).

Duarte, R. H. (2009). História e biologia: Diálogos possíveis, distâncias necessárias. Hist. ciênc. saúde-Manguinhos, 16(4), 927-940.

Dunker, C. I. L. (2002). O cálculo neurótico do gozo. São Paulo: Escuta.

Dunker, C. I. L. (2009a). A lógica do condomínio ou: O síndico e seus descontentes. Revista Leitura Flutuante., 1(1), 1-8.

Dunker, C. I. L. (2009b). O urso-polar e as baleias. As divergências entre a psicanálise e a psiquiatria estão mal focadas. Revista cult., 12(140), 59-62.

Dunker, C. I. L. (2011). Mal-estar, sofrimento e sintoma: Releitura da diagnóstica lacaniana a partir do perspectivismo animista. Tempo soc., 23(1), 115-136.

Dunker, C. I. L. (2014). Estrutura e personalidade na neurose: Da metapsicologia do sintoma à narrativa do sofrimento. Psicologia USP, 25(1), 77-96.

Dunker, C. I. L., & Kyrillos Neto, F. (2011). A crítica psicanalítica do DSM-IV-breve história do casamento psicopatológico entre psicanálise e psiquiatria. Rev. latinoam. psicopatol. Fundam., 14(4), 611.

Ehrenberg, A., & Botbol, M. (2004). Depressão, doença da autonomia. Ágora, 7(1), 143-153.

Ferreira, M. A. (2003). A teleologia na biologia contemporânea. Sci. stud., 1(2), 183-193.

Forbes, J. F. (2010). Inconsciente e responsabilidade (Tese de Doutorado em Teoria Psicanalítica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil).

Freud, S. (1996). Além do princípio do prazer. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 18, pp. 13-78). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1920).

Freud, S. (1996). Algumas considerações para um estudo comparativo das paralisias motoras orgânicas e histéricas. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 1, pp. 199-218). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1893).

Freud, S. (1996). Notas sobre um caso de neurose obsessiva In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 10, pp. 137-277). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1909).

Freud, S. (1996). O futuro de uma ilusão. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 21, pp. 13-66). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1927).

Freud, S. (1996). O mal-estar na civilização. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 21, pp. 67-150). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1930).

Freud, S. (1996). Por que a guerra? In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 23, pp. 191-208). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1933).

Freud, S. (1996). Projeto para uma psicologia científica. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 1, pp. 335-346). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1950).

Freud, S. (1996). Psicologia de grupo e analise do eu. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 18, pp. 79-146). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1921).

Freud, S. (1996). Sobre a transitoriedade. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 14, pp. 317-324). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1916).

Freud, S. (1996). Totem e tabu. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 13, pp. 13-163). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1912-1913).

Freud, S. (1996). Tratamento Anímico. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 7, pp. 267-287). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1905).

Freud, S. (1996a). O sentido dos sintomas. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 16, pp. 265-280). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1917).

Freud, S. (1996b). Os caminhos da formação dos sintomas. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 16, pp. 361-378). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1917).

Gay, P. (2001). A experiência burguesa da Rainha Vitória a Freud: O cultivo do ódio. (3a. ed.). São Paulo: Companhia das Letras.

Goldenberg, R. (2009). O DSM-IV e nós. Trivium: Estudos interdisciplinares, 1(1) 34-41.

Gomes, A. A. (2009). Linguagem e discurso na Psicanálise de Jacques Lacan. Revista Eletrônica-Iluminart, 1(2), 1-9.

Kickhöfel, E. H. P. (2003). Realismo intuitivo e teleologia: Comentários sobre "A teleologia na biologia contemporânea" de Marcelo Alves Ferreira. Sci. stud., 1(3), 379-388.

Lacan, J. (1992). O seminário, livro 17: O avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (trabalho originalmente publicado em 1969-1970).

Lacan, J. (1995). O seminário, livro 4: a relação de objeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Trabalho originalmente publicado em 1956-1957).

Lacan, J. (1998). A direção do tratamento e os princípios de seu poder. In J. Lacan (1966/1998). Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Trabalho originalmente publicado em 1958).

Lacan, J. (1998). Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. In J. Lacan (1966/1998). Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Trabalho originalmente publicado em 1953).

Lacan, J. (1999). O seminário, livro 5: As formações do inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Trabalho originalmente publicado em 1957-1958).

Lacan, J. (2008a). O seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (trabalho originalmente publicado em 1959-1960).

Lacan, J. (2008b). O seminário, livro 7: A ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Trabalho originalmente publicado em 1959-1960).

Lacan, J. (2010). O seminário, livro 2: O eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Trabalho originalmente publicado em 1954-1955).

Lyra, C. E. D. S. (2005). Neuropsychoanalysis: A new paradigm for psychoanalysis in the 21st century. Rev. psiquiat. Rio Gd. Sul (3), 328-330.

Miller, J. A. (2003). La experiência de lo real em la cura psicoanalítica. Buenos Aires: Paidós. (trabalho originalmente publicado em 1998-1999).

Quinet, A. (2006). Teoria e clínica da psicose. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Ravanello, T. (2009). Elementos para uma abordagem discursiva do afeto: Estudo de interface entre psicanálise e semiótica tensiva. (Tese de doutorado em Teoria psicanalítica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil).

Rosa, M. D. (2004). A pesquisa psicanalítica dos fenômenos sociais e políticos: Metodologia e fundamentação teórica. Rev. mal-estar subj., 4(2), 329-348.

Santos, T. C. (2006). Sinthoma: corpo e laço social. Rio de Janeiro: Sephora/UFRJ.

Solms, M., & Kaplan-Solms, K. (2005). Estudos clínicos em neuro-psicanálise. São Paulo: Editora Lemos.

Soussumi, Y. (2006). Tentativa de integração entre algumas concepções básicas da psicanálise e da neurociência. Psicol. clin., 18(1), 63-82.

Souza, P. C. (2010). As palavras de Freud: O vocabulário freudiano e suas versões. São Paulo: Companhia das Letras.

Sulloway, F. (1998). Freud, biologiste de l’esprit. Paris: PUF.

Vahle, M. A., & Cunha, E. L. (2011). Matrizes clinicas e ética em Freud. Rio de Janeiro, Rev Psic. Clin, 23(I), 203-220.

Viveiros de Castro, E. (2002a). A inconstância da alma selvagem. São Paulo: CosacNaify.

Viveiros de Castro, E. (2002b). Metafísicas canibais. São Paulo: CosacNaify.

Publicado
2018-03-23
Como Citar
Zaher, L. J. Ávila, & Ravanello, T. (2018). Uma abordagem linguageira do mal-estar. Revista Psicologia E Saúde, 10(1), 47-62. https://doi.org/10.20435/pssa.v10i1.549
Seção
Artigos