Influência das Relações Familiares na Saúde e no Estado Emocional dos Adolescentes

Palavras-chave: relações familiares, saúde mental, adolescentes

Resumo

A saúde dos adolescentes pode sofrer a influência de diferentes fatores, incluindo as relações familiares. Neste estudo, o objetivo foi verificar quais dimensões das relações familiares podem predizer o bem-estar durante a adolescência. Participaram 203 adolescentes, entre 12 e 18 anos, de escolas públicas de Santo Antônio de Jesus, Bahia. Os instrumentos utilizados foram: Inventário Beck de Depressão; Questionário de Saúde Geral de Goldberg; Inventário de Autoavaliação para Jovens; Familiograma; e Inventário do Clima Familiar. Para análise de dados, utilizaram-se estatística descritiva, comparação de grupos e análise de regressão múltipla. Os resultados demonstraram maior influência das dimensões conflito e baixa afetividade como variáveis que contribuem para a presença de sintomas depressivos, baixos escores de saúde geral e maiores escores de problemas de comportamento. Conclui-se que, para o bem-estar dos adolescentes, a família deverá ser incluída nas estratégias de avaliação e intervenção em saúde.

Biografia do Autor

Patrícia Martins de Freitas, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Doutora em Saúde da Criança e do Adolescente pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora Associada da Universidade Federal da Bahia, Instituto Multidisciplinar em Saúde. Programa de Mestrado Profissional em Psicologia da Saúde (UFBA/IMS).

Raphael Silva Nogueira Costa, Centro Universitário Dom Pedro ll

Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).  Docente do Centro Universitário Dom Pedro ll.

Marianna Santos Rodrigues, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Mestranda no Programa de Mestrado Profissional em Psicologia da Saúde na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Especialista em Saúde da Criança e do Adolescente. Psicóloga.

Bruna Rafaela de Assis Ortiz, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Especialista em Terapia Intensiva. Psicóloga pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Psicóloga Clínica.

Júlio Cesar dos Santos, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Doutor em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde pela Universidade de Brasília (UnB). Professor Adjunto da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Centro de Ciências da Saúde (UFRB/CCS).

Referências

Achenbach, T. M., & Rescorla, L. A. (2001). Manual for the ASEBA school-age forms & profiles: An integrated system of multi-informant assessment. Research Center for Children, Youth & Families. Burlington, VT: University of Vermont.

Aggarwal, S., & Berk, M. (2015). Evolution of adolescent mental health in a rapidly changing socioeconomic environment: A review of mental health studies in adolescents in India over last 10 years. Asian journal of psychiatry, 13, 3-12. doi:http://dx.doi.org/10.1016/j.ajp.2014.11.007

Avanci, J. Q., Assis, S. G., Oliveira, R. V., Ferreira, R. M., & Pesce, R. P. (2007). Fatores associados aos problemas de saúde mental em adolescentes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(3), 287-294. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ptp/v23n3/a07v23n3

Baptista, M. N., Baptista, A. S. D., & Dias, R. R. (2001). Estrutura e suporte familiar como fatores de risco na depressão de adolescentes. Psicologia: Ciência e Profissão, 21(2), 52-61. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932001000200007

Baumrind, D. (1978). Parental disciplinary patterns and social competence in children. Youth & Society, 9(3), 239-267. Recuperado de http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0044118X7800900302

Cardoso, L. R. D., & Malbergier, A. (2014). A influência dos amigos no consumo de drogas entre adolescentes. Estudos de Psicologia, 31(1), 65-73. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-166X2014000100007

Cardoso, P., Rodrigues, C., & Vilar, A. (2004). Prevalência de sintomas depressivos em adolescentes portugueses. Análise psicológica, 22(4), 667-675. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312004000400002

Conceição, L. S. L. D., & Marques, M. O. (2012). Estilos educativos parentais (EMBU-A), sintomatologia depressiva/ansiosa, stress e autoestima, numa amostra de adolescentes (Dissertação de Mestrado, Instituto Superior Miguel Torga. Coimbra, Portugal). Recuperado de http://repositorio.ismt.pt/handle/123456789/276

Crandall, A., Ghazarian, S. R., Day, R. D., & Riley, A. W. (2016). Maternal emotion regulation and adolescent behaviors: The mediating role of family functioning and parenting. Journal of Youth and Adolescence, 45(11), 2321-2335. doi:http://dx.doi.org/10.1007/s10964-015-0400-3

Cruvinel, M., & Boruchovitch, E. (2009). Autoconceito e crenças de autoeficácia de crianças com e sem sintomatologia depressiva. Interamerican Journal of Psychology, 43(3), 586-593. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/284/28412903019.pdf

Cunha, J. A. (2001). Manual da versão em português das Escalas Beck. São Paulo: Casa do psicólogo.

De Matos, M. B. D., Cruz, A. C. N., Dumith, S. D. C., Dias, N. D. C., Carret, R. B. P., & Quevedo, L. D. A. (2015). Eventos estressores na família e indicativos de problemas de saúde mental em crianças com idade escolar. Ciência & Saúde Coletiva, 20(7), 2157-2163. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015207.17452014

Dessen, M. A., & Polonia, da C. A. (2007). A família e a escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia, 17(36), 21-32. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2007000100003

Ferreira, V. R. T. (2011). Perfil dos artigos sobre depressão em periódicos brasileiros. Revista de Psicologia da IMED, 3(1), 476-486. doi:http://dx.doi.org/10.18256/2175-5027

Galambos, N., Leadbeater, B., & Barker, E. (2004). Gender differences in and risk factors for depression in adolescence: A 4-year longitudinal study. International Journal of Behavioral Development, 28(1), 16-25. doi:http://dx.doi.org/10.1080/01650250344000235

Henneberger, A. K., Varga, S. M., Moudy, A., & Tolan, P. H. (2016). Family functioning and high risk adolescents’ aggressive behavior: Examining effects by ethnicity. Journal of youth and adolescence, 45(1), 145-155. doi: http://dx.doi.org/10.1007/s10964-014-0222-8

Hess, A. R. B., & Falcke, D. (2013). Sintomas internalizantes na adolescência e as relações familiares: Uma revisão sistemática da literatura. Psico-USF, 18(2), 263-276. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712013000200010

Hoffmann, J. P., & Cerbone, F. G. (2002). Parental substance use disorder and the risk of adolescent drug abuse: An event history analysis. Drug and Alcohol Dependence, 66(3), 255-264. doi:http://dx.doi.org/10.1016/S0376-8716(02)00005-4

Justo, L. P., & Calil, H. M. (2006). Depressão: O mesmo acometimento para homens e mulheres? Archives of Clinical Psychiatry, 33(2), 74-79. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832006000200007

Loureiro, L., Sequeira, C., Rosa, A., & Gomes, S. (2014). Rótulos psiquiátricos “bem-me-quer, mal-me-quer, muito, pouco e nada...”. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (Ed. Especial 1), 40-46. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpesm/nspe1/nspe1a07.pdf

Malbergier, A., Cardoso, L. R. D., & Amaral, R. A. D. (2012). Uso de substâncias na adolescência e problemas familiares. Cadernos de Saúde Pública, 28(4) 678-688. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000400007

Martin, J. C. S., Hernandez-Martinez, C., Acosta, K. R., & Domenech-Llaberia, E. (2011). Somatic complaints and symptoms of anxiety and depression in a school-based sample of preadolescents and early adolescents. Functional impairment and implications for treatment. Journal of Cognitive and Behavioral Psychotherapies, 11(2), 191-208. Recuperado de http://web.b.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=0&sid=70b98ee1-5816-4bea-a8ac-f354de6dc277%40pdc-v-sessmgr04

McGoldrick, M., Garcia-Preto, N. A., & Carter, B. A. (2016). Expanded family life cycle: Individual, family, and social perspectives (5a ed.). Boston: Pearson.

Melo, O., & Mota, C. P. (2013). Vinculação amorosa e bem-estar em jovens de diferentes configurações familiares. Psicologia em Estudo, 18(4), 587-597. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722013000400002

Mingoti, S. A. (2005). Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: Uma abordagem aplicada. Belo Horizonte, Brasil: Editora UFMG.

Pasquali, L., Gouveia, V. V., Andriola, W. B., Miranda, F. J., & Ramos, A. L. M. (1996). Questionário de Saúde Geral de Goldberg - Manual Técnico. São Paulo, Brasil: Casa do Psicólogo.

Pugh, K.L., & Farrell, A.D. (2012). The Impact of Maternal Depressive Symptoms on Adolescents’ Aggression: Role of Parenting and Family Mediators. J Child Fam Stud, 21, 589–602. Doi: https://doi.org/10.1007/s10826-011-9511-y

Reppold, C., & Hutz, C. S. (2003). Prevalência de indicadores de depressão entre adolescentes no Rio Grande do Sul. Avaliaçao Psicologica: Interamerican Journal of Psychological Assessment, 2(2), 175-184. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5115858

Rocha, M. M., Araújo, L. G. S., & Silvares, E. F. M. (2008). Um estudo comparativo entre duas traduções brasileiras do Inventário de Auto-Avaliação para Jovens (YSR). Revista Psicologia-Teoria e Prática, 10(1), 14-24. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872008000100002

Rosa, A., Oureiro, L. M. J., & Sequeira, C. (2018). Literacia em saúde mental em adolescentes: Desenvolvimento de um instrumento de avaliação (Tese de Doutorado, Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar, Universidade do Porto, Porto, Portugal). Recuperado de http://oasisbr.ibict.br/vufind/Record/RCAP_52da998b7e4ba5c2a9d67900f464ebe7

Rozemberg, L., Avanci, J., Schenker, M., & Pires, T. (2014). Resiliência, gênero e família na adolescência. Ciência & Saúde Coletiva, 19, 673-684. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014193.21902013

Schenker, M., & Minayo, M. C. D. S. (2003). A implicação da família no uso abusivo de drogas: Uma revisão crítica. Ciência & Saúde Coletiva, 8, 299-306. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000100022

Silva, E., & Freire, T. (2014). Regulação emocional em adolescentes e seus pais: Da psicopatologia ao funcionamento ótimo. Análise Psicológica, 32(2), 187-198. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/aps/v32n2/v32n2a05.pdf

Teodoro, M. L. M. (2006). Afetividade e conflito em díades familiares: Avaliação com o familiograma. Revista Interamericana de Psicologia, 40(3), 385-390. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/284/28440313.pdf

Teodoro, M. L., Allgayer, M., & Land, B. (2009). Desenvolvimento e validade fatorial do Inventário do Clima Familiar (ICF) para adolescentes. Revista Psicologia-Teoria e Prática, 11(3), 27-39. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v11n3/v11n3a04.pdf

Teodoro, M. L., Hess, A. R. B., Saraiva, L. A., & Cardoso, B. M. (2014). Problemas emocionais e de comportamento e clima familiar em adolescentes e seus pais. Revista Psico, 45(2), 168-175. doi:10.15448/1980-8623.2014.2.13172

World Health Organization. (2018). Adolescents Mental Health. Genebra: WHO Recuperado de https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/adolescent-mental-health

Publicado
2021-02-26
Como Citar
Freitas, P. M. de, Costa, R. S. N., Rodrigues, M. S., Ortiz, B. R. de A., & Santos, J. C. dos. (2021). Influência das Relações Familiares na Saúde e no Estado Emocional dos Adolescentes. Revista Psicologia E Saúde. https://doi.org/10.20435/pssa.vi.809
Seção
Artigos