Dor Crônica, Depressão, Saúde Geral e Suporte Social em Pacientes Fibromiálgicos e Oncológicos

Palavras-chave: qualidade de vida, dor, fibromialgia, câncer

Resumo

O objetivo do estudo foi verificar a associação entre sintomatologia depressiva e saúde geral, dor crônica e percepção do suporte social em 80 mulheres, com idades entre 31 e 82 anos (M = 53,86; DP = 12,68), com fibromialgia e/ou câncer. Entre os principais resultados, verificou-se que a sintomatologia depressiva e os outros construtos investigados estiveram associados entre si. Os pacientes com sintomatologia depressiva apresentaram maior quantidade de pontos dolorosos e maior frequência e intensidade de dor, demonstrando uma correlação de magnitude fraca e positiva (r = 0,37). Observou-se também uma correlação de magnitude fraca (r = -0,20) entre a EBADEP-HOSP-AMB e EPSUS, indicando que, quanto mais sintomas depressivos, menor a percepção do suporte social recebido. Por fim, os resultados do estudo mostraram que o nível de dor interfere diretamente na qualidade de vida do sujeito, podendo ser um fator que estimula o desenvolvimento de condições psicossociais, tais como a depressão e menor percepção do suporte social.

Biografia do Autor

Catia Regina Messias, Universidade São Francisco (USF)

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia com ênfase em Avaliação Psicológica, pela Universidade São Francisco (USF). Psicóloga.

Felipe Augusto Cunha, Universidade São Francisco (USF)

Doutorando e mestre pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia com ênfase em Avaliação Psicológica, pela Universidade São Francisco (USF). Bolsista pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Psicólogo pela USF.

Gabriela da Silva Cremasco, Universidade São Francisco (USF)

Doutoranda e mestre pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia com ênfase em Avaliação Psicológica, pela Universidade São Francisco (USF). Bolsista pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Psicóloga pela USF.

Makilim Nunes Baptista, Universidade São Francisco (USF)

Doutor pelo Departamento de Psiquiatria e Psicologia Médica da Universidade Federal de São Paulo (USP). Psicólogo. Professor do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia da Universidade São Francisco (USF) e bolsista de produtividade pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Referências

American Psychiatric Association. (2002). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais DSM-IV-TR (4a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Baptista, M. N. (2013). Escala Baptista de Depressão – (Versão Ambulatório) – Ebadep-Hosp-Amb. Relatório Técnico não publicado. Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia da Universidade São Francisco, Itatiba, São Paulo.

Beck, A. T., Rush, A. J, Shaw, F. B., & Emery, E. (1997). Terapia cognitiva da depressão. Porto Alegre: Artes Médicas.

Berber, J. S. S., Kupek, E., & Berber, S. C. (2005). Prevalência de Depressão e sua Relação com a Qualidade de Vida em Pacientes com Síndrome da Fibromialgia. Revista Brasileira de Reumatologia, 45(2), 47-54. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbr/v45n2/v45n2a01

Cardoso, H. F. & Baptista, M. N. (2014). Escala de Percepção de Suporte Social (versão Adulto) - Epsus-A. São Paulo: Hogrefe.

Cremasco, G. S. & Baptista, M. N. (2018). Análise de estrutura interna da Escala Baptista de Depressão Versão Hospital-Ambulatório (Ebadep-Hosp-Amb). Interação em Psicologia, 22(2), 144-154.

Dancey, C. P. & Reidy, J. (2006). Estatística sem matemática para Psicologia usando SPSS para Windows. Porto Alegre, RS: Artmed.

Ferreira, A. H., Godoy, P. B. G., Oliveira, N. R. C., Diniz, R. A. S., Diniz, R. E. A. S., Padovani, R. C., & Silva, R. C. B. (2015). Investigação da ansiedade, depressão e qualidade de vida em pacientes portadores de osteortrite no joelho: Um estudo comparativo. Revista Brasileira de Reumatologia, 55(5), 434-438. doi:http://dx.doi.org/10.1016/j.rbr.2015.03.001

Ferster, C. B., Culbertson, S., & Boren, M. C. (1977). Depressão clínica. In C. B. Ferster, S. Culbertson, & M. C. Boren (Orgs.), Princípios do Comportamento (M. I. Silva, M. A. Rodrigues, & M. B. Pardo, trads., pp. 699-725). São Paulo: Hucitec.

Goldberg, D. P. (1972). Questionário de Saúde Geral de Goldberg: Manual técnico QSG. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Heymann, R. E., Paiva, E. S., Helfenstein Junior, M., Pollak, D. F., Martinez, J. E., Provenza, J. R., ... & Fonseca, M. C. M. (2010). Consenso brasileiro do tratamento da fibromialgia. Revista Brasileira de Reumatologia, 50(1), 56-66. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0482-50042010000100006

Instituto Nacional do Câncer. (2016). Incidência de câncer no Brasil. Brasília: INCA. Recuperado de http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/estimativa-2016-v11.pdf

Jales, L. (2009). Dor no câncer e cuidados paliativos – A importância do controle sobre dor do paciente. Arquivos do 9º Simpósio Brasileiro e Encontro Internacional sobre a Dor – Simbidor, 9, 43-48.

Loduca, A., Müller, B. M., Amaral, R., Souza, A. C. M. S., Focosi, A. S., Samuelian, C., ... & Batista, M. (2014). Retrato de dores crônicas: percepção da dor através do olhar dos sofredores. Revista Dor, 15(1), 30-35. doi:http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20140008

McCracken, L. M. (1998). Learning to live with the pain: Acceptance of pain predicts adjustment in persons with chronic pain, Pain, 74(1), 21-27. doi:http://dx.doi.org/10.1016/S0304-3959(97)00146-2

Melzack, R. (1975). The McGill Pain Questionnaire: Major Properties and Scoring Methods. Pain, 1(3), 277-299. doi:http://dx.doi.org/10.1016/0304-3959(75)90044-5

Merskey, H. (1986). Classification of chronic pain: Description of chronic pain syndromes and definitions of pain terms. Pain, 3, 215-217.

Organização Mundial da Saúde. (1993). Classificação dos transtornos mentais e do comportamento – CID-10: Descrições e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Pasquali, L., Gouveia, V. V., Andriola, W. B., Miranda, F. J., & Ramos, A. L. (1994). Questionário de Saúde Geral de Goldberg (QSG): Adaptação Brasileira. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 10(3), 421-437.

Pedroso, R. S., & Sbardelotto, G. (2008). Qualidade de Vida e Suporte Social em Pacientes Renais Crônicos: Revisão Teórica. Psicópio: Revista Virtual de Psicologia Hospitalar e da Saúde, 7, 32-35.

Pimenta, C. A. M., & Teixeira, M. J. (1996). Questionário de Dor McGill: Proposta de adaptação para a língua portuguesa. Revista Escola de Enfermagem da USP, 30(3), 473-483. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62341996000300009

Rodriguez, M. S. & Cohen, S. (1998). Social Support. Encyclopedia of mental health. New York: Academic Press.

Salazar, O. M., & Motta, N. W. (2013). Tumores Avançados - Epidemiologia, Etiopatogenia, Diagnóstico e Estadiamento Clínico. Recuperado de http://www1.inca.gov.br/pqrt/download/tec_int/cap3.pdf

Santos, L. J. F., Garcia, J. B. S., Pacheco, J. S., Vieira, E. B. M., & Santos, A. M. (2014). Quality of life, pain, anxiety and depression in patients surgically treated with cancer of rectum. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Diagnóstica, 27(2), 96-100. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-67202014000200003

Santos, C. C., Pereira, L. S. M., Resende, M. A., Magno, F., & Aguiar, V. (2006). Aplicação da versão brasileira do questionário de dor McGill em idosos com dor crônica. Acta Fisiátrica, 13(2), 75-82. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/102586/100864

Souza, B. F., Moraes, J. A., Inocenti, A., Santos, M. A., Silva, A. E. B. C., & Miasso, A. I. (2014). Mulheres com câncer de mama em uso de quimioterápicos: Sintomas depressivos e adesão ao tratamento. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 22(5), 866-873. doi:http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.3564.249

Tojal, C. & Costa, R. (2014). Ajustamento mental ao cancro da mama: Papel da depressão e suporte social. Revista Psicologia, Saúde e Doenças, 15(3), 777-789. doi:http://dx.doi.org/10.15309/14psd150317

Wilson, K. G., Chochinov, H. M., Allard, P., Chary, S., Gagnon, P. R., Macmillan, K. . . . & Fainsinger, R. L. (2009). Prevalence and correlates of pain in the Canadian National Palliative Care Survey. Pain Research & Management, 14(5), 365-370. doi:http://dx.doi.org/10.1155/2009/251239

Publicado
2021-02-26
Seção
Artigos