Avaliação de um Programa Psicoeducativo Preventivo para Cuidadores de Bebês

Palavras-chave: prevenção primária, psicologia, promoção da saúde

Resumo

Programas preventivos de saúde buscam agir com menores custos e alcançar efeitos positivos em longo prazo. Este artigo realizou a avaliação de um programa de orientação a cuidadores de bebês, que teve como foco a interação positiva e a prevenção de maus-tratos. Participaram 50 cuidadores, que responderam a um questionário, aplicado antes e após a participação no programa. Os dados foram analisados com auxílio do programa Statistical Package for the Social Sciences 18.0 (SPSS), em que foi verificada a normalidade dos dados e utilizado o teste de Wilcoxon. Entre as 27 questões, 15 tiveram diferenças estatisticamente significativas referentes às concepções de práticas adequadas. As questões que não indicaram diferenças significativas referiam-se aos cuidados que possivelmente já eram realizados pelos cuidadores. Os resultados evidenciam que o programa foi eficaz em seu objetivo de atuar enquanto prevenção primária e levar informações relevantes sobre o tema a um público amplo.

Biografia do Autor

Pâmella Batista de Souza, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestra em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora do Departamento de Psicologia da Universidade Estadual do Centro-Oeste. 

Ana Priscila Batista, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Professora do Departamento de Psicologia da Universidade Estadual do Centro-Oeste.

Caroline Guisantes de Salvo Toni, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo. Professora do Departamento de Psicologia da Universidade Estadual do Centro-Oeste.

Referências

Abreu, S., Miranda, A. P. V., & Murta, S. G. (2016). Programas preventivos brasileiros: Quem Faz e como É Feita a Prevenção em Saúde Mental? Psico-USF, 21(1), 163-177.

Abreu, S., Barletta, J. B., & Murta, S. G. (2015). Prevenção e promoção em saúde mental: pressupostos teóricos e marcos conceituais. In S. G. Murta, C. Leandro-França, K. B. Santos, & L. Polejack, Prevenção e promoção em saúde mental: fundamentos, planejamento e Estratégias de intervenção (pp. 54-74). Novo Hamburgo: Sinopsys.

Almeida, J. A. G. (2004). Amamentação: um híbrido natureza-cultura. J. Pediatr., 80(5), (pp.S219-S125).

Alvarenga, P. (2001). Práticas educativas parentais como forma de prevenção de problemas de comportamento. In Guilhardi, H. J., Madi, M. B. B. P., Queiroz, P. P., & Scoz M. C. (Orgs.), Sobre comportamento e cognição: Expondo a variabilidade (pp. 54-60). Santo André: Esetec.

Antunes, C. (2011). Guia para estimulação do cérebro infantil: Do nascimento aos 3 anos. 2a ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Bee, H. (2011). A criança em desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Brazelton, T. B. (1995). O grande livro da criança. Lisboa: Editorial Presença.

Brazelton, T.B., Greespan, S.I (2002). As necessidades essenciais da criança: o que toda criança precisa para crescer, aprender e se desenvolver. Porto Alegre: Artmed.

Caminha, R. M., Caminha, M. G., & Dutra, C. A. (2017). A prática cognitiva na infância e na adolescência. Novo Hamburgo: Sinopsys, 768p.

Carmo, P. H. B., & Alvarenga, P. (2012, Maio/Agosto). Práticas educativas coercitivas de mães de diferentes níveis socioeconômicos. Rev. Estudos de Psicologia. 17(2), 191-197.

Bolsoni-Silva, A. T., Silveira, F. F., & Ribeiro, D. C. (2008). Avaliação dos efeitos de uma intervenção com mães/cuidadores: Contribuições do treinamento de habilidades sociais. Contextos Clínicos, 1(1), 19-27.

Buss, P. M. (2009). Uma Introdução ao Conceito de Promoção de Saúde. In D. Czeresnia, & C. M. Freitas (2009). Promoção de Saúde: Conceitos, reflexões, tendências. 2a ed. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

Caminha, M. G., Almeida, F. F., & Scherer, L. P. (2011). Treinamento de pais: Fundamentos teóricos. In Caminha, M. G, & Caminha, R. M. (Orgs.), Intervenções e treinamento de pais na clínica infantil (pp. 13-30). Porto Alegre: Sinopsys Editora.

Cecconello, R. M., De Antoni, A., & Koller, S. H. (2003). Práticas educativas, estilos parentais e abuso físico no contexto familiar. Psicologia em Estudo, 8(n.e.), 45-50.

Fernandes, L. F. B., Alckmin-Carvalho, F., Izbicki, S., & Melo, M. H. S. (2014, Setembro/Dezembro). Prevenção universal de ansiedade na infância e adolescência: uma revisão sistemática. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 16(3), 83-99. ISSN 1516-3687.

Flay, B. R., Biglan, A., Boruch, R., Castro, F. G., Gottfredson, D., Kellam, S., Ji, P. (2005). Standards of evidence: criteria for efficacy, effectiveness and dissemination. Prevention Science, 6(3), 151-175.

Fraga, D. A., Linhares, M. B. M., Carvalho, A. E. V., & Martinez, F. E. (2008). Desenvolvimento de bebês nascidos pré-termo e indicadores emocionais maternos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 33-41.

França, J. L. (2016). Estimulação Precoce: Inteligência emocional e cognitiva de 0 a 6 anos. São Paulo: Cultural.

Haase, V. G., Kappler, C., & Schaefer, S. A. Um modelo de intervenção psicoeducacional para prevenção da violência no ambiente familiar e escolar. (2000). In V. G. Haase, R. Rothe-Neves, C. Käppler, M. L. M. Teodoro, & G. M. O. Wood (Orgs.). Psicologia do Desenvolvimento: Contribuições Interdisciplinares. (pp. 249-264). Belo Horizonte: Health.

Lohr, S. S. (2001). Desenvolvimento das habilidades sociais como forma de prevenção. In H. J. Guilhardi, M. B. B. P. Madi, P. P. Queiroz, & M. C. Scoz. Sobre comportamento e cognição. Expondo a variabilidade (Vol. 8). (pp. 190 209). São Paulo: Esetec.

Lohr, S. S., Pereira, A. C. S., Andrade, A. L. M., & Kirchner, L. F. (2007, Setembro/Dezembro). Avaliação de Programas Preventivos: Relatos de experiência. Revista Psicologia em Estudo, 12(3), p. 641-649.

Lopes, N. R. L. (2013). Trauma Craniano Violento: Conhecimento Parental e Avaliação de Material Informativo. Dissertação (Mestrado em Psicologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP).

Lubi, A. P. L. (2003). Estilo parental e comportamento socialmente habilidoso da criança com pares. In M. Z. Brandão, F. C. S. Conte, F. S. Brandão, Y. K. Ingberman, C. B. Moura, V. M. Silva, & S. M. Oliane (Orgs.). Sobre comportamento e Cognição: As bases históricas e os avanços, a seleção por conseqüências em ação. pp. 536-541. Santo André: ESETec.

Mondin, E. M. C. (2008, Julho/Setembro). Práticas educativas parentais e seus efeitos na criação dos filhos. Psicologia Argumento, 26(54), 233-244.

Melnick T, Atallah A. N. (2011). Psicologia baseada em evidências: provas científicas da efetividade da psicoterapia. São Paulo: Santos.

Murta, S. G. (2007). Programas de prevenção a problemas emocionais e comportamentais em crianças e adolescentes: lições de três décadas de pesquisa. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20, 1-8.

Murta, S. G., Leandro-França, C., Santos, K. B., Polejak, L. (Orgs.). (2015). Prevenção e promoção em saúde mental: fundamentos, planejamento e Estratégias de intervenção. Novo Hamburgo: Sinopsys.

Paim, J. S. (2009). O que é o SUS? Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Papalia, D. E., & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento Humano. 12a ed. Porto Alegre: AMGH.

Pardo, M. B. L., & Carvalho, M. M. S. B. (2011). Grupo de orientação de mães no contexto de uma clínica-escola. Paidéia, 21(48), 93-100.

Paula, L. I. C., Pires, C. D., Mascarenhas, T. S., Costa, J. P. L., & Brito, L. M. O. (2013). Percepção da associação entre estimulação ambiental e desenvolvimento normal por mães de crianças nos três primeiros anos de vida. Revista Paulista de Pediatria, 31(2), 211-7.

Pinheiro, M. I. S., & Haase, V. G. (2012). Treinamento de cuidadores: Programas de intervenção. In M. K. Baptista, & M. L. M. Teodoro. Psicologia de família: Teoria, avaliação e intervenção. Porto Alegre: Artmed.

Silva, J. L. G. V., Soares, E. A., Caetano, E. A., Loyola, Y. C. S., Garcia, J. A. D., & Mesquita, G. (2011). O impacto da escolaridade materna e a renda per capita no desenvolvimento de crianças de zero a três anos. Ciências em Saúde, 1(2), 62-67.

Silva, N. C. B., Nunes, C. C., Betti, M. C. M., & Rios, K. S. A. (2008). Variáveis da família e seu impacto sobre o desenvolvimento infantil. Temas em Psicologia, 16(2), 215-229.

Souza, P. B., Batista, A. P., & Toni, C. G. S. (2018, Janeiro/Junho). Programa de Orientação Breve a Cuidadores de bebês: avaliação e formulação. Psi Unisc, 2(1), (pp. 106-121).

Vinha, V. H. P. (2000). O Livro da Amamentação. São Paulo: Mercado das Letras.

Zamberlan, M. A. T. (2003). Psicologia e prevenção: Modelos de intervenção na infância e na adolescência. São Paulo: EDUEL.

Weber, L. N. D. (2008). Interações entre família e desenvolvimento. In L. N. D Weber (Org), Família e desenvolvimento: Visões interdisciplinares. (pp. 54-76). Curitiba: Jurua.

Weber, L. N. D., Viezzer, A. P., & Brandenburg, O. J. (2003). Estilos parentais e desenvolvimento da criança e do adolescente. Palmadas e surras: ontem, hoje e amanhã. In M. Z. Brandão, F. C. S. Conte, F. S. Brandão, Y. K. Ingberman, C. B. Moura, V. M. Silva, & S. M. Oliane (Org.). (2003). Sobre comportamento e cognição: A história e os avanços, a seleção por consequências em ação. (pp. 512-526). Santo André: Esetec.

Publicado
2019-05-21
Seção
Artigos