A Clínica Ampliada e o Trabalho do Psicólogo nos Centros de Referência de Assistência Social

Palavras-chave: psicologia, clínica ampliada, CRAS, SUAS

Resumo

O presente trabalho consiste em discutir, a partir de três eixos de análise, o trabalho do psicólogo no Sistema Único de Assistência Social (SUAS) dentro dos Centros de Referência de Assistência Social (CRASs), no que diz respeito ao trabalho social com famílias em sua relação com a clínica ampliada. Inicialmente, realiza-se uma revisão em documentos para parametrizar o trabalho do psicólogo; em seguida, relatam-se pesquisas sobre a prática realizada nos CRASs para analisar as possibilidades de a clínica ampliada ser um instrumento de trabalho para o psicólogo nesse contexto. Conclui-se que, em vista dos objetivos traçados pela política pública de Assistência Social, a clínica ampliada pode se configurar como uma referência importante para o trabalho do psicólogo no CRAS, colaborando para a construção de uma leitura crítica das realidades em que estão inseridos e para o desenvolvimento do protagonismo social junto aos sujeitos e à comunidade em que se acontece sua atuação.

Biografia do Autor

Rafael Bianchi Silva, Universidade Estadual de Londrina

Pós-Doutor em Psicologia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Doutor em Educação (Unesp/Marília). Docente do Departamento de Psicologia Social e Institucional e do Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, Brasil.

Graziela Lastoria Bonatti, Universidade Estadual de Londrina

Psicóloga formada pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Fez residência em Psicologia Pediátrica no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCRP-USP). Bolsista Iniciação Científica PIBIC-CNPq (2016-2017).

Referências

Amarante, P. (2009). Reforma psiquiátrica e epistemologia. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 1(1), 1-7.

Araújo, F. I. C. D. (2010). “...Mas a gente não sabe que roupa dever usar”: Um estudo sobre a prática do psicólogo no Centro de Referência de Assistência Social (Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica do Estado de São Paulo − PUC-SP, São Paulo).

Basaglia, F. (1979). A psiquiatria alternativa: Contra o pessimismo da razão, o otimismo da prática: Conferências no Brasil. São Paulo: Brasil Debates.

Brasil. Ministério da Saúde. (2010). Cadernos Humaniza SUS. Brasília. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_humanizaSUS.pdf.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (2012a). Orientações técnicas sobre o PAIF: O serviço de proteção e atendimento integral à família, segundo a tipificação nacional de serviços socioassistenciais (Vol. 1). Brasília: MDS. Disponível em http://agendaprimeirainfancia.org.br/arquivos/Orientacoes_PAIF_1.pdf.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2012b). Orientações técnicas sobre o PAIF: O serviço de proteção e atendimento integral à família, segundo a tipificação nacional de serviços socioassistenciais (Vol. 2). Brasília: MDS. Disponível em http://agendaprimeirainfancia.org.br/arquivos/Orientacoes_PAIF_2.pdf.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2016). Fundamentos ético-políticos e rumos teórico-metodológicos para fortalecer o Trabalho Social com Famílias na Política Nacional de Assistência Social. Brasília: MDS. Disponível em http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Cadernos/TrabalhoSocialcomFamilias.pdf.

Campos, G. W. S. (2000). Saúde pública e saúde coletiva: Campo e núcleo de saberes e práticas. Ciência & Saúde Coletiva, 5(2), 219-230.

Campos, W. S. G., Figueiredo, D. M., Pereira Jr., N., & Pereira de Castro, C. (2014). A aplicação da metodologia Paideia no apoio institucional, no apoio matricial e na clínica ampliada. Interface-Comunicação, Saúde e Educação, 18(1), 983-995.

Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas (2007). Referências técnicas para atuação do(a) psicólogo(a) no CRAS/SUAS. Brasília: CREPOP. Disponível em http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2007/08/cartilha_crepop_cras_suas.pdf.

Conselho Federal de Psicologia, & Conselho Federal de Serviço Social. (2007). Parâmetros para a atuação de assistentes sociais e psicólogos(as) na Política de Assistência Social. Brasília: CFESS: CFP. Disponível em http://www.cfess.org.br/arquivos/CartilhaFinalCFESSCFPset2007.pdf.

Costa, R. R., & Alberto, M. F. P. (2017). Discursos sobre família e a formação para o trabalho social no Centro de Referência da Assistência Social. Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais, 12(1), 193-208.

Costa, A. F. & Cardoso, C. L. (2010). Inserção do psicólogo em Centros de Referência de Assistência Social - CRAS. Revista Interinstitucional de Psicologia, 3(2), 223-229.

Cruz, J. M. O. (2009). Práticas psicológicas em Centro de Referência da Assistência Social. Psicologia em Foco, 2(1), 11-27.

Flor, T. C., & Goto, T. A. (2015). Atuação do psicólogo no CRAS: Uma análise fenomenológicoempírica. Revista da Abordagem Gestáltica, 21(1), 22-34.

Hafner, M. D. L. M. B., Moraes, M. A. A. D., Marvulo, M. M. L., Braccialli, L. A. D., Carvalho, M. H. R. D., & Gomes, R. (2010). The medical education and the extended general practice: Results of a Brazilian experiment. Ciência & Saúde Coletiva, 15, 1715-1724.

Leão, S. M., Oliveira, I. M. F. F., & Carvalho, D. B. (2014). O psicólogo no campo do bem-estar social: Atuação junto às famílias e indivíduos em situação de vulnerabilidade e risco social no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). Estudos e Pesquisas em Psicologia, 14(1), 264-289.

Macêdo, O. J. V., Alberto, M. F. P., Santos, D. P., Souza, G. P., & Oliveira, V. S. (2015). Ações do profissional de psicologia no centro de referência da assistência social. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(3), 809-823.

Mansano, S. R. V. (2009). Sujeito, subjetividade e modos de subjetivação na contemporaneidade. Revista de Psicologia da UNESP, 8(2), 110-117.

Murta, S. G., & Marinho, T. P. C. (2009). A clínica ampliada e as políticas de assistência social: Uma experiência com adolescentes no Programa de Atenção Integral à Família. Revista Eletrônica de Psicologia e Políticas Públicas, 1(1), 58-72.

Oliveira, I. F., Dantas, C. M. B., Solon, A. F. A. C., & Amorim, K. M. O. (2011) A prática psicológica na proteção básica do SUAS. Psicologia & Saúde, 23, 140-149.

Oliveira, I. F., Oliveira, N. L. A., Nascimento, M. N. C., Araújo, R. L., Coelho-Lima, F., & Amorim, K. M. O. (2014). Atuação dos psicólogos nos CRAS do interior do RN. Psicologia & Sociedade, 26(n. esp. 2), 103-112.

Oliveira, N., Nascimento, N. M. C., Araújo, R. L., & Paiva, I. L. (2016). Relato de experiência: A atuação do psicólogo no CRAS e sua contribuição para o fortalecimento dos direitos sociais. Psicologia em Revista, 22(1), 31-45.

Romagnoli, R. C. (2006). Algumas considerações sobre a clínica social. Revista do Departamento de Psicologia - UFF, 18(2), 47-56.

Romagnoli, R. C. (2012). O SUAS e a formação em psicologia: territórios em análise. Revista ECOS - Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 2(1), 120-132.

Rotelli, F. (1990). A instituição inventada. Desinstitucionalização, 2, 89-99

Senra, C. M. G.; Guzo, R. S. L. (2012). Assistência social e psicologia: Sobre as tensões e conflitos do psicólogo no cotidiano do serviço público. Psicologia & Sociedade, 24(2), 293-299.

Silva, J. V., & Corgozinho, J. P. (2011). Atuação do psicólogo, SUAS/CRAS e psicologia social comunitária: Possíveis articulações. Psicologia & Sociedade, 23(n. esp.), 12-21.

Publicado
2019-05-21
Seção
Artigos