Precarização do Trabalho e Prevalência de Transtornos Mentais em Agentes Penitenciários do Estado de Sergipe

  • Deisiane Rodrigues Albuquerque Universidade Federal de Sergipe
  • Marley Rosana Melo de Araújo Universidade Federal de Sergipe
Palavras-chave: transtornos mentais comuns, precarização do trabalho, agentes de segurança, saúde mental.

Resumo

Os agentes penitenciários podem sofrer pressões decorrentes tanto da organização do trabalho, quanto dos fenômenos sociais. Esses fatores provocam um quadro desfavorável ao bom desenvolvimento do trabalho desses profissionais e para a sua saúde. O presente artigo analisou a relação entre precarização do trabalho do agente penitenciário do estado de Sergipe e o desenvolvimento de transtornos mentais comuns (TMCs) decorrentes das condições de trabalho no Complexo Penitenciário Manoel Carvalho Neto (Copemcan), na cidade de São Cristóvão, SE. Foram analisados 25 agentes de segurança, entre 35 e 60 anos de idade, todos do sexo masculino, em que se verificou, por meio do Self Report Questionnaire (SRQ-20) e de entrevistas semiestruturadas, a presença de sinais de TMC, podendo-se considerá-los suscetíveis ao adoecimento.

Biografia do Autor

Deisiane Rodrigues Albuquerque, Universidade Federal de Sergipe
Assistente social especialista em saúde mental e atenção psicossocial, aluna especial do Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de Sergipe. 
Marley Rosana Melo de Araújo, Universidade Federal de Sergipe

Profa Dra. do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Sergipe.

Referências

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trad.). Lisboa: Edições 70. Obra original publicada em 1977.

Bastos, F. B., Paixão, G. S. S.; Baul, M. B. S.; & Salles, W. A. (2013, abril). Atenção psicossocial do servidor penitenciário. Documento apresentado no VI Congresso Consad de Gestão Pública, Brasília, DF.

Bonez, A., Dal Moro, E., & Sehnem, S. B. (2013). Saúde mental de agentes penitenciários de um presídio catarinense. Psicologia Argumento, 31(74), 507-517. Disponível em http://dx.doi.org/10.7213/psicol.argum.31.074

Brasil. Ministério da Saúde. (2007). Manual de procedimentos para serviço da saúde: Doenças relacionadas ao trabalho (Série A - Normas e Manuais Técnicos, n. 114). Brasília: Ministério da Saúde.

Dejours, C. (1994). Trabalho e saúde mental: Da pesquisa à ação. In C. Dejours, E. Abdoucheli, & C. Jayet (Org.), Psicodinâmica do trabalho: Contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho (pp. 45-65 ). São Paulo: Atlas.

Eccel, C. S., Grisci, C. L. I., & Tonon, L. (2010). Representações do corpo em uma revista de negócios. Psicologia & Sociedade, 22(2), 309-317.

Figueiredo, N. M. A. (2008). Metodologia: Interpretando autores. In N. M. A. Figueiredo. Método e metodologia na pesquisa científica (3a ed.). São Caetano do Sul: Yendis.

Goldenberg, M. (1997). A arte de pesquisar: Como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Record.

Goldberg, D. & Huxley, P. Common mental disorders: a Biosocial Model. (2a ed.). London: Tavistock/Routledge;.

Guimarães, L. A. M. (1992). Saúde mental e trabalho em um segmento do operariado da indústria extrativa de mineração de ferro (Tese de Doutorado em Saúde Mental, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil).

Harding, T. W., De Arango, M. V., Baltazar, J., Climent, C. E., Ibrahim, H. H., Ladrido-Ignacio, L. . . . Wig, N. N. (1980, maio). Mental disorders in primary health care: A study of their frequency and diagnosis in four developing countries. Psychol Med., 10(2): 231-241.

Instituto Brasileiro de Ciências Criminais. (2010, dez.) Expectativa de vida de agente penitenciário é de 45 anos em SP. Disponível em https://www.ibccrim.org.br/noticia/13723-Expectativa-de-vida-de-agente-penitencirio-de-45-anos-em-SP.

Karasek R. (2005). Demand/control model: A social, emotional, and physiological approach to stress risk and active behaviour development. Geneva: International Labour Organization.

Lourenço, A. S. (2010). O espaço de vida do Agente de Segurança Penitenciária no cárcere: Entre gaiolas, ratoeiras e aquários (Tese de Doutorado em Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Lourenço, L. C. (2010). Batendo a tranca: Impactos do encarceramento em agentes penitenciários da região metropolitana de Belo Horizonte. Dilemas, 3(10), 11-31.

Mari J. J., & Williams P. (1986, jan.). A validity study of a psychiatric screening questionnaire (SRQ-20) in primary care in the city of São Paulo. Br J Psychiatry, 148, 23-26.

Minayo-Gomez, C., & Thedim-Costa, S. M. F. (1997). A construção do campo da saúde do trabalhador: percurso e dilemas. Cad. Saúde Pública, 13(Supl.2), 21-32.

Organização Mundial de Saúde (2009). Relatório sobre saúde mental e ­desenvolvimento. Disponível em http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/23065.

Polit, D. F.; & Beck, C. T. (2011). Delineamento de pesquisas quantitativas. In D.F. Polit, & C.T. Beck (Ed.), Fundamentos da pesquisa em enfermagem: Avaliação de evidências para a prática da enfermagem (7a ed.) (pp. 247-368). Porto Alegre: Artmed.

Ramos, E. C., & Esper, M. H. (2007). Síndrome de Burnout na penitenciária feminina de regime semi-aberto (Projeto de Conclusão de Curso em Administração, Faculdade Anchieta de Ensino Superior do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil). Disponível em http:// www.depen.pr.gov.br/arquivos/File/monografia_ellen_mara.pdf

Santos, J. R. R. (2007). O fenômeno da prisionização em agentes penitenciários do estado do Paraná (Monografia de Especialização em Gestão Penitenciária, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil). Disponível em http://www.depen.pr.gov.br/arquivos/File/JOSE_%20ROBERTO_%20SANTOS2007.pdf

Santos, K. O. B., De Araújo, T. M., & De Oliveira, N. F. (2009). Estrutura fatorial e consistência interna do Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20) em população urbana. Cad. Saúde Pública, 25(1), 214-222.

Silva, D. S. G., Chaves, A. B. P., & Reis, J. F. G (2012, nov.). Relação entre saúde e condições de trabalho de agentes prisionais do Estado do Pará, Brasil. EFDeportes.com, 17(174).

Sistema Único de Saúde. Conselho Nacional de Saúde. (2002). Relatório Final - III Conferência Nacional de Saúde Mental (Brasília, 11-15 dez. 2001). Brasília: Conselho Nacional de Saúde/Ministério da Saúde.

Souza, E. R., & Minayo, M. C. S. (2005). Policial, risco como profissão: morbimortalidade vinculada ao trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 10(4), 917-928.

Universidade de São Paulo (USP). Expectativa de vida de agente penitenciário é de 45 anos em SP. Recuperado em 17 de dezembro de 2015: https://www.ibccrim.org.br/noticia/13723-Expectativa-de-vida-de-agente-penitencirio-de-45-anos-em-SP.

Vasconcelos (2000). Saúde mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdis‑ ciplinaridade. São Paulo: Cortez.

Publicado
2018-03-23
Como Citar
Albuquerque, D. R., & Araújo, M. R. M. de. (2018). Precarização do Trabalho e Prevalência de Transtornos Mentais em Agentes Penitenciários do Estado de Sergipe. Revista Psicologia E Saúde, 10(1), 19-30. https://doi.org/10.20435/pssa.v10i1.456
Seção
Artigos