A vivência do acompanhamento pré-natal segundo mulheres assistidas na rede pública de saúde

Palavras-chave: Unidade de Terapia Intensiva, visitas a pacientes, criança, adolescente, relações profissional-família

Resumo

Esta pesquisa objetivou identificar a vivência de familiares em relação a comunicação, tomada de decisão e manejo da entrada de crianças e adolescentes para visitar os pacientes internados em UTI adulto. A abordagem deste estudo foi qualitativa. Foram realizadas entrevistas com 10 familiares de pacientes que estiveram internados em UTI. Os dados foram analisados de acordo com a análise de conteúdo de Bardin (2009), emergindo quatro categorias: Comunicação; Tomada de decisão sobre a visita; Manejo, e Repercussões da visita. A comunicação dos participantes com os menores foi aberta. A tomada de decisão dependeu da inter-relação entre o desejo de visitar, o estado do paciente, o imaginário da visita e o posicionamento da equipe. Em relação ao manejo, todos destacaram a importância da preparação pré-visita. O estabelecimento de diretrizes claras nas instituições, assim como a capacitação dos profissionais acerca da visita de crianças, poderia contribuir para a prática em saúde. 

Biografia do Autor

Ana Caroline Dias da Silva, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Universidade Federal de Uberlândia

Psicóloga pela UFU

Mestranda em Psicologia - UFU

Renata Fabiana Pegoraro, Universidade Federal de Uberlândia - UFU Instituto de Psicologia - IPUFU Campus Umuarama
Doutora em Psicologia pela USP/ Ribeirão, Mestre em Psicologia pela USP/Ribeirão, Especialista em Saúde Coletiva pela UFSCar, Psicologa pela USP/Ribeirão. Atualmente Profa Adjunta do Instituto de Psicologia da UFU - Universidade federal de Uberlândia.

Referências

Almeida, C. A. L. de & Tanaka, O. Y. (2009). Perspectiva das mulheres na avaliação do Programa de Humanização do Pré-Natal e Nascimento. Revista Saúde Pública, 43(1), 98-104. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rsp/v43n1/7296.pdf

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bonilha, A. L. de L., Schmalfuss, J. M., Moretto, V. L., Lipinski, J. M., & Porciuncula, M. B. (2010). Capacitação participativa de pré-natalistas para a promoção do aleitamento materno. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(5), 811-816. doi: 10.1590/S0034-71672010000500019

Bosi, M. L. M. (2012). Pesquisa qualitativa em saúde coletiva: panorama e desafios. Ciência & Saúde Coletiva [on-line]. 2017, 17(3), 575-586. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n3/v17n3a02

Costa, C. S. C., Vila, V. S. C., Rodrigues, F. M., Martins, C. A., & Pinho, L. M. O. (2013). Características do atendimento pré-natal na rede básica de saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem, 15(2), 516-522. Disponível em https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/15635

Duarte, S. J. H., & Andrade, S. M. O. de. (2008). O significado do pré-natal para mulheres grávidas: uma experiência no município de Campo Grande, Brasil. Saúde e Sociedade, 17(2), 132-139. doi: 10.1590/S0104-12902008000200013

Fontanella, B. J. B., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, 24(1), 17-27. doi: 10.1590/S0102-311X2008000100003

Gomes, A. G., Marin, A. H., Piccinini, C. A., & Lopes, R. de C. S. (2015). Expectativas e sentimentos de gestantes solteiras em relação aos seus bebês. Temas em Psicologia, 23(2), 399-411. doi: 10.9788/TP2015.2-12

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Nupcialidade, fecundidade e migração tabelas. In Censo Demográfico. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Nupcialidade_Fecundidade_Migracao/tab1_2.pdf.

Landerdahl, M. C., Ressel, L. B., Martins, F. B., Cabral F. B., & Gonçalves, M. de O. (2007). A percepção de mulheres sobre atenção pré-natal em uma unidade básica de saúde. Revista de Enfermagem, 11(1), 105-111. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v11n1/v11n1a15.

Leal, M. do C. & Gama, S. G. N. da. (2014). Nascer no Brasil [Editorial]. Cadernos de Saúde Pública, 30(1), 55. doi: 10.1590/0102-311XED01S114

Ministério da Saúde. (2012). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde. (Cadernos de Atenção Básica, 32). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf.

Ministério da Saúde. (2001). Parto, aborto e puerpério: assistência Humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf.

Ministério da Saúde. (2010). Ambiência. Brasília: Ministério da Saúde [on-line]. 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ambiencia_2ed.pdf.

Ministério da Saúde (2014). Humanização do parto e do nascimento [on-line]. 2014. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf.

Neto, B. H. & Taddei, J. A. C. (2000). Mudança de conhecimento de gestante em aleitamento materno através de atividade educacional. Revista Paulista de Pediatria, 18(1), 7-14. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/ses/resource/pt/lil-363110.

Organização Mundial da Saúde. (2015). Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/161442/3/WHO_RHR_15.02_por.pdf.

Piccinini, C. A., Carvalho, F. T. de, Ourique, L. R., & Lopes, R. S. (2012). Percepções e sentimentos de gestantes sobre o pré-natal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(1), 27-33. doi: 10.1590/S0102-37722012000100004.

Silva, R. M. da, Costa, M. S., Matsue, R. Y., Sousa, G. S. de, Catrib, A. M. F. et al. (2012). Cartografia do cuidado na saúde da gestante. Ciência & Saúde Coletiva, 17(3), 635-642. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/v17n3/v17n3a09.pdf

Souza, V. B., Roecker, S., & Marcon, S. S. (2011). Ações educativas durante a assistência pré-natal: percepção de gestantes atendidas na rede básica de Maringá-PR. Revista Eletrônica de Enfermagem, 13(2), 199-210. Disponível em: www.fen.ufg.br/revista/v13/n2/v13n2a06.htm

Zanatta, E., & Pereira, C. R. R. (2015). Ela enxerga em ti o mundo: a experiência da maternidade pela primeira vez. Temas em Psicologia, 23(4), 959-972. doi: 10.9788/TP2015.4-12.

Turato, E. R. (2005). Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Revista de Saúde Pública, 39(3), 507-514. doi: 10.1590/S0034-8910200500030002

Publicado
2018-10-15
Como Citar
Silva, A. C. D. da, & Pegoraro, R. F. (2018). A vivência do acompanhamento pré-natal segundo mulheres assistidas na rede pública de saúde. Revista Psicologia E Saúde, 10(3), 95-107. https://doi.org/10.20435/pssa.v0i0.663
Seção
Artigos